Diagnóstico de práticas da gestão do conhecimento na estruturação de processos organizacionais em instituição privada de ensino superior a distância

Arthur Gualberto Bacelar da Cruz Urpia Gualberto Bacelar da Cruz Urpia, Juliana de Cássia Bento, Flávio Bortolozzi, Ely Mitie Massuda

Resumo


Os cursos superiores vêm crescendo de forma exponencial, principalmente na modalidade a distância, e a competição entre as Instituições de Ensino Superior (IES) privadas se acirram. Este fato obrigou as IES a reverem seus métodos de gestão quanto à estruturação de processos organizacionais a fim de se adequarem ao novo modelo educacional, com vistas a aumentar suas vantagens competitivas. Dada a sua importância para as organizações, as práticas de Gestão do Conhecimento (GC) relacionadas à estruturação de processos organizacionais devem fazer parte dos planejamentos estratégicos e do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) de uma IES, pois se vivencia atualmente a era das organizações do conhecimento e gerenciar de forma eficiente o conhecimento de seus colaboradores, poderá obter vantagem competitiva. Diante disso, o objetivo geral desta pesquisa consistiu em analisar as práticas de GC relacionadas à estruturação de processos organizacionais em uma IES privada que atua na modalidade de ensino a distância no norte do Paraná. A pesquisa caracteriza-se como um estudo de caso envolvendo toda a população de 17 coordenadores, responsáveis pela gestão de cursos de graduação na modalidade de educação a distância. Como técnica de coleta de dados, um questionário desenvolvido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) foi utilizado, visando identificar o estágio de implantação das práticas de GC. Como principal conclusão, observou-se que a IES pesquisada possui um nível efetivo de implantação das suas práticas de GC de processos organizacionais baixo, algo que está em desacordo com o ambiente altamente competitivo em que elas estão inseridas.


Palavras-chave


Instituição de ensino superior. Diagnóstico. Gestão do conhecimento. Processos organizacionais. Gestão de capital intelectual.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ABECKER, A.; BERNARD, A.; HINKELMANN, K.; KUHN, O.; SINTEK, M. Toward a technology for organizational memories. IEEE Intelligent Systems, v. 13, maio/jun. 1998.

ALBUQUERQUE JUNIOR, E.P; LAZARO, J.C; LIMA, B.C.C. Inovação, Estratégia e Competitividade nas Empresas Brasileiras: Uma Investigação Inicial Sobre Atividades Inovativas e Impactos, Conforme o Pintec 2008. RaUnp, Ano III, n. 2 - abr./set. 2011. Disponível em: https://repositorio.unp.br/index.php/raunp/article/view/85/92. Acesso em: 31 mar. 2018.

ANDRADE, E. P.; SANTIAGO, A. C. Mapeamento de conhecimento: localizando as fontes de riqueza de uma organização. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO (ENEGEP), 21., Salvador, Bahia, 2001. Anais [...]. Salvador: ANPAD, 2001.

APQC. AMERICAN PRODUCTIVITY AND QUALITY CENTRE. Knowledge Management Glossary. Houston: APQC, 2014.

ARAÚJO, J. A.; MARTINS, I. Gestão Por Competências na Administração Pública: Uma Análise Bibliométrica a Partir do Decreto Lei 5.707/2006. Revista Gestão.Org., v. 12, n. 2, p. 153-162, 2014. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver/39905/gestao-por-competencias-na-administracao-publica--uma-analise-bibliometrica-a-partir-do-decreto-lei-5-707-2006. Acesso em: 5 dez. 2017.

ARGYRIS, Chris; SCHÖN, Donald A. Organizational Learning II. Theory, Method and Practice. Reading: Addison Wesley, 1996.

BATISTA, F. F. Modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira: como implementar a gestão do conhecimento para produzir resultados em benefício do cidadão. Brasília: Ipea, 2012.

______. O desafio da gestão do conhecimento nas áreas de administração e planejamento das instituições federais de ensino superior (IFES). Texto para Discussão, n° 1181. IPEA, Brasília, maio de 2006.

______; XAVIER, A.C.R.; MENDES, L.C.; ROSENBERG, G. Gestão do Conhecimento em organizações públicas de saúde. Texto para Discussão, n° 1316. IPEA, Brasília, dezembro de 2007.

______; RECH, A.R.; GOMES, C.A.; SANTOS, D.L.N.; ANDRADE, E.C.S; MALLMANN, M.L; FERREIRA, R.M. P. M.; COSTA, V.S. Casos Reais de implantação do modelo de gestão do conhecimento para a administração pública brasileira. Texto para Discussão, n° 1941. IPEA, Brasília, março de 2014.

______; QUANDT, C.O. PACHECO, F.F.; TERRA, J.C.C. Gestão do conhecimento na administração pública. Texto para Discussão, n° 1095. IPEA, Brasília, junho de 2005.

BENTO, J. C. et al. Práticas da gestão do conhecimento em recursos humanos em instituição de ensino superior à distância. Espacios, v. 37, n. 29, p. 21-30, 2016.

BELL, D. The coming of the post industrial society: a venture in social forecasting. New York: Basic Books, 1974.

BOLSON S. B. Gestão do Conhecimento: estudo em uma IES Tecnológica. Dissertação (Administração) – Universidade Potiguar, Natal, 2012.

BURNETT, S.; ILLINGWORTH, L.; WEBSTER, L. Knowledge Auditing and Mapping: A Pragmatic Approach, Knowledge and Process Management, v. 11, n. 1, p. 25-37, 2004.

CASSIOLATO, J. E. A Economia do conhecimento e as novas políticas industriais e tecnológicas. In: LASTRES, Helena M. M.; ALBAGLI, Sarita (org.). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999. p. 164-190.

CONKLIN, J. Designing Organizational Memory: Preserving Intellectual Assets in a Knowledge Economy. Designing Organizational Memory, p. 1-41, 2001.

DAVENPORT, T.H.; PRUSAK, L. Conhecimento Empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

DUTRA, J.S. (org.). Gestão por competências: um modelo avançado para o gerenciamento de pessoas. São Paulo: Gente, 2001.

EKIONEA, B.; BERNARD, P.; PLAISENT, M. Towards a maturity model of knowledge management competences as an organizational capability. In: INTERNATIONAL CONFERENCE ON E-BUSINESS AND E-GOVERNMENT (ICEE), 2011, Shanghai. Proceedings […]. Shanghai: IEEE, 2011.

FREIRE, P. S.; SPANHOL, F. J. Conhecimento organizacional: produto ou processo? Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 4, n. 5, p. 3-21, 2014.

GATTONI, R. L. C. Gestão do conhecimento organizacional na condução de projetos corporativos em tecnologia da informação – um caso prático. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2000.

GONZALEZ, R. V. D.; MARTINS, M. F. O processo de gestão do conhecimento: uma pesquisa teórico conceitual. Gestão e Produção, v. 24, n. 2, p. 248-265, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0104-530X0893-15. Acesso em: 15 jan. 2017.

HYLTON, A. A KM Initiative is Unlikely to Succeed Without a Knowledge Audit. Beverly: Hylton Associates, 2002.

MACHADO, C. P.; URPIA, A. G. B. da C.; DAL FORNO, L. F. Gestão do conhecimento no ensino público: uma agenda de pesquisa. Revista Cesumar Ciências Humanas e Sociais Aplicadas, v. 22, n.1 , p. 145-165, jun./jun. 2017.

NONAKA, I. The Knowledge-Creating Company. Harvard Business Review, v. 69, p. 96-104, 1991.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da informação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Teoria da criação do conhecimento organizacional. In: TAKEUCHI, H.; NONAKA, I. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008. p. 54-90.

PEREIRA, M. O. F. P.; SILVA, H. de F. N.; PINTO, J. S. de P. A memória organizacional nos processos de gestão do conhecimento: um estudo na Universidade Federal do Paraná. Informação & Informação, Londrina, v. 21, n. 1, p. 348 – 374, 2016.

POLANYI, M. The tacit dimension. Garden City, New York: Doubleday & Company, Inc. 1966.

PONCHIROLLI, O. Capital humano: sua importância na gestão estratégica do conhecimento. Curitiba: Juruá, 2009.

PURCIDONIO, P.M. Práticas de Gestão do Conhecimento em Arranjo Produtivo Local: o setor moveleiro de Arapongas – PR. 2008. Dissertação (Mestrado) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2008.

SEIBEL, S. Um modelo de benchmarking baseado no sistema produtivo classe mundial para avaliação de práticas e performances da indústria exportadora brasileira. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção e Sistemas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

SILVA, O.F.P. Avaliando os Sistemas de Informações Executivas nos Processos Decisórios das Instituições Universitárias Brasileiras. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2000.

SCHREIBER, D. A influência da cultura organizacional sobre a gestão do conhecimento em P&D. Gestão & Planejamento, Salvador, v. 16, n. 2, p. 240-261, 2015.

STEWART, T. A. Capital intelectual: a nova vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Elsevier, 1998.

SVEIBY, K. E.; MARTINS, J. R. Gestão do conhecimento: as lições dos pioneiros. 2005. Disponível em: http://www.globalbrands.com.br/artigos-pdf/knowledge-management.pdf. Acesso em: 31 mar. 2018.

TEIXEIRA FILHO, J. Gerenciando Conhecimento: como a empresa pode usar a memória organizacional e a inteligência competitiva no desenvolvimento de negócios. Rio de Janeiro: Ed. SENAC, 2000.

TERRA, J.C.C. Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial: uma abordagem baseada no aprendizado e na criatividade. São Paulo: Negócio Editora, 2001.

YOUNG R. Knowledge Management Tools and Techniques Manual. Tóquio: Asian Productivity Organization (APO), 2010.

ZANGISKI, M. A.S.G.; LIMA, E. P.; COSTA, S. E. G. Aprendizagem organizacional e desenvolvimento de competências: uma síntese a partir da gestão do conhecimento. Revista Produto & Produção, v. 10, n. 1, p. 54-74, fev. 2009. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/ProdutoProducao/article/view/7787. Acesso em: 31 mar. 2018.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2019.v9n3.p98-111.756

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.