Análise da utilização de estratégias de marketing experiencial por uma marca de vestuário brasileira

João Henriques de Sousa Júnior

Resumo


O cenário competitivo global e o advento da tecnologia proporcionaram mudanças significativas no mercado e nos consumidores. Dentre essas mudanças, a conscientização, por parte das organizações, de que os novos consumidores não se satisfazem apenas com produtos e serviços, mas buscam, também, vivenciar experiências com as marcas. Dessa forma, o marketing experiencial vem ganhando força e notoriedade nos mais diversos segmentos, dentre eles o mercado de vestuário. Diante do exposto, o presente estudo busca analisar as estratégias do marketing de experiência utilizadas pela empresa Reserva, conhecida marca de vestuário brasileiro. Para tanto, foi realizada uma coleta de dados secundários a partir das postagens das mídias digitais da empresa selecionada. Os resultados obtidos a partir da análise do conteúdo coletado evidenciam a utilização nítida e estimulada do marketing experiencial pela marca na sua relação com os consumidores, com preocupação quanto à ideologia de novo conceito de vida e consumo de sentidos e significados que diferenciam os produtos da marca dos seus concorrentes.


Palavras-chave


Marketing de experiência. Estratégia de Marketing. Vestuário Brasileiro.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ABIT. (2018). Setor têxtil 2018: quais as perspectivas e cenários?. Associação Brasileira de Indústria Têxtil. Disponível em: https://fcem.com.br/noticias/setor-textil-2018-quais-as-perspectivas-e-cenarios/#.WzrWRFVKjIU.

AMA. (2019). Marketing. American Marketing Association. Disponível em: http://www.ama.org

Barbosa, M. L. A., Souza, A. G., Kovacs, M. H. & Melo, L. S. A. (2011). Gestão da experiência de serviços de hospitalidade: o que a empresa propõe e qual o significado para o consumidor. Observatório de Inovação do Turismo – Revista Acadêmica, 6(2), Rio de Janeiro.

Bezerra, M. G. (2012). Marketing aplicado às Bibliotecas Universitárias: uma revisão bibliográfica. Departamento de Biblioteconomia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

Cobra, M. (2011). Marketing básico: uma abordagem brasileira. (4ª ed.) São Paulo: Atlas.

Ferrel, O. C. & Hartline, M. D. (2006). Estratégia de Marketing. São Paulo: Thompson Learning.

Gupta, S & Vajic, M. (2000). The contextual and dialectical nature of experience, new service development, creating memorable experiences. Thousand Oaks: SAGE.

Holbrook, M. B. (2000). The millennial consumer in the texts of our times: experience and entertainment. Journal of Macromarketing, 20(2), december.

Holbrook, M. B. & Hirschman, E. C. (1982). The experiential aspects of consumption: consumer fantasy, feelings and fun. Journal of Consumer Research, 9(2), 132-140.

IEMI. (2012). Mercado de Vestuário no Brasil. Instituto de Estudos de Marketing Industrial. Disponível em http://www.iemi.com.br/.

IEMI. (2018). Mercado Têxtil. Instituto de Estudos de Marketing Industrial. Disponível em http://www.iemi.com.br/category/txtil/mercado-txtil/.

Kotler, P. & Keller, K. L. (2012). Administração de Marketing. (14ª ed.) São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Kozinetz, R. V. (2010). Netnografia: a arma secreta dos profissionais de marketing. Bravdesign.

Las Casas, A. L. (2009). Marketing: conceito, exercícios e casos. (8ª ed.) São Paulo: Atlas.

Mattos, G. Z. W. (2011). A utilização das mídias sociais: Facebook e Twitter como ferramenta de marketing no setor de telecomunicações. Trabalho de conclusão de curso, Escola de Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Mesquita, R. (2018). O que é marketing: tudo que você precisa saber sobre o assunto. Rock Content. Disponível em https://rockcontent.com/blog/o-que-e-marketing/.

Meusucesso.com. (2016). Pica-pau, moda e marca: o que eles têm em comum?. Disponível em https://meusucesso.com/noticias/por-que-o-pica-pau-1204/.

O'Shaughnessy, J. & O'Shaughnessy, N. J. (2002). Marketing, the consumer society and hedonism. European Journal of Marketing, v. 36, n. 5/6, p. 524-547.

Poulsson, S.; Kale, S. (2004). The Experience Economy and Commercial Experiences. The Marketing Review, 4(3), 267-277.

Prahalad, C. K.; Ramaswany, V. (2000). Mon client est très competent!. L’Éxpansion Management Review, 31-40, september.

Reserva. (2019a). Institucional. Disponível em: https://www.usereserva.com/usereserva/institucional/.

Reserva. (2019b). Reserva – Perfil Oficial. Disponível em: https://www.instagram.com/reserva/?hl=pt-br/.

Reserva. (2019c). Reserva – Página Oficial. Disponível em: https://www.facebook.com/usereserva/

Schmitt, B. H. (1999). Experiential marketing: How to get customers to sense, feel, think, act, and relate to your company and brands. New York, NY: Free Press.

Silva Junior, A. S., Vieira, N. S. & Feitosa, M. G. G. (2012). A relação entre cultura organizacional e aprendizagem dos integrantes de organizações clientes de consultorias: um ensaio teórico sob a luz da teoria de Argyris. Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia – SEGeT.

Sousa Júnior, J. H., Silva, B. G. F., Barbosa, M. L. A., Melo, F. V. S. & Farias, S. A. (2018). Marketing de experiencia en el sector de servicios: un estudio de caso en un museo interactivo. Revista Caribeña de Ciencias Sociales.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-11.957

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.