Efeito da competitividade e da governança corporativa no nível de intangibilidade das companhias familiares

Antonio Rodrigues Albuquerque Filho

Resumo


Este estudo teve por objetivo analisar o efeito da competitividade e da governança corporativa no nível de intangibilidade das companhias abertas familiares listadas na Brasil Bolsa Balcão (B3). De cunho descritivo e abordagem quantitativa, a pesquisa utilizou a Regressão Linear Múltipla para analisar os dados em uma amostra que compreendeu 154 companhias. Averiguou-se a competitividade por meio do índice de Herfindahl-Hirschman (HHI) e a governança corporativa através de uma variável proxy representada pelo Índice de Ações com Governança Corporativa Diferenciada (IGCX) da B3. O período de análise correspondeu ao intervalo entre os anos de 2010 a 2015. Os resultados do primeiro modelo demonstraram que a competitividade e o tamanho da empresa afetam positivamente o nível de intangibilidade das organizações, enquanto o crescimento não se apresentou como significante estatisticamente. Quanto ao segundo modelo, a governança corporativa e o tamanho da empresa associam-se positivamente com o nível de intangibilidade, ao passo que o crescimento não apresentou impacto sobre a intangibilidade. Ao final, conclui-se que, para conseguir maior nível de intangibilidade, as empresas buscam melhorar sua imagem por meio da adoção de uma melhor governança corporativa, e pela sua inserção em mercados mais competitivos.

 


Palavras-chave


Intangibilidade. Competitividade. Governança corporativa.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Albuquerque Filho, A. R., Ribeiro Macedo, F. F. R., Moura, G. D. D., BrachtFank, D. R., & Heberle, E. L. (2018). Fatores determinantes da intangibilidade em companhias abertas familiares. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, 23(2), 37-52.

Almeida Ribeiro, J., Gonçalves, C. A., de Souza, G. F. M., Borges, F. R. F., Barakat, L. L., & Veiga, R. T. (2009). Competências essenciais como fator determinante de competitividade em ambientes hipercompetitivos. REGE. Revista de Gestão, 16(1), 51.

Andrade, A., & Rossetti, J. P. (2004). Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. In Governança corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. São Paulo: Atlas.

Appelbaum, S. H., Calla, R., Desautels, D., &Hasan, L. N. (2017). The challenges of organizational agility: part 2. Industrial and Commercial Training, 49(2), 69-74.

Barajas, A., Shakina, E., & Fernández-Jardón, C. (2017). Acceleration effect of intangibles in the recovery of corporate performance after-crisis. Research in International Business and Finance, 42, 1115-1122.

Caldeira, A. (2007). Indicadores de competitividade empresarial para a formulação de estratégias. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 3(1), 87-100.

Calmanovici, C. E. (2011). A inovação, a competitividade e a projeção mundial das empresas brasileiras. Revista USP, (89), 190-203.

Carvalho, F. de M.; Kayo E. K.; Martin D. M. L. (2010). Tangibilidade e intangibilidade na determinação do desempenho persistente de firmas brasileiras. RAC, Curitiba, 14(5), 871-889.

Clausen, S., & Hirth, S. (2016). Measuring the value of intangibles. Journal of Corporate Finance, 40, 110-127.

Coutinho, L., & Ferraz, J. C. (1994). Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas: Papirus.

Darosi, G. C. M. (2014). Governança Corporativa e Desempenho Financeiro nas Sociedades de Energia Elétrica Brasileira. Caderno Profissional de Administração da UNIMEP, 4(2), 29-46.

Decker, F. (2012). Existe relação entre os Ativos Intangíveis e a Rentabilidade das Empresas Listadas no Índice Bovespa?. (Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Santa Catarina).

Dias de Moura, G., Viana Mecking, D., & Scarpin, J. E. (2013). Competitividade de mercado, ativos intangíveis e eficiência na combinação dos ativos fixos em companhias abertas listadas na BM&Fbovespa. Enfoque: Reflexão Contábil, 32(3).

Ferraz, J. C., Kupfer, D., & Haguenauer, L. (1995). Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria. Rio de Janeiro: Campus.

Himmelberg, C. P., Hubbard, R. G., & Palia, D. (1999). Understanding the determinants of managerial ownership and the link between ownership and performance. Journal of financial economics, 53(3), p. 353-384.

Hinings, C. R., & Greenwood, R. (1989). The dynamics of strategic change. Oxford: Blackwell Pub.

Kayo, E. K. (2002). A estrutura de capital e o risco das empresas tangível e intangível-intensivas: uma contribuição ao estudo da valoração de empresas (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Keenan, J., & Aggestam, M. (2001). Corporate governance and intellectual capital: some conceptualisations. Corporate Governance: An International Review, 9(4), 259-275.

Kent, P., & Stewart, J. (2008). Corporate governance and disclosures on the transition to international financial reporting standards. Accounting&Finance, 48(4), 649-671.

Kupfer, D., & Hasenclever, L. (2013). Economia industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Elsevier.

Leite, T. S., & Santos, D. F. L. (2013). A relação dos ativos intangíveis e o valor de mercado na indústria de materiais básicos do Brasil. Revista Brasileira de Administração Científica, 4(1), 104-121.

Lev, B. (2001). Intangibles: Management, measurement, and reporting. Washington: Brookings Institution Press.

Machado, J. H., & Famá, R. (2011). Ativos intangíveis e governança corporativa no mercado de capitais brasileiro. Revista Contemporânea de Contabilidade, 8(16).

Marconi, M. D. A., & Lakatos, E. M. (2011). Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisa, elaboração, análise e interpretação de dados. São Paulo: Atlas.

Marin, J. K., Liszbinski, B. B., & Kronbauer, C. A. (2015). Análise do reconhecimento contábil de ativos intangíveis em empresas brasileiras do setor financeiro. Registro Contábil, 6(2), 34-52.

Antunes, M. T. P., & Martins, E. (2002). Capital intelectual: verdades e mitos. Revista Contabilidade & Finanças, 13(29), 41-54.

De Andrade, G., & Theóphilo, C. (2007). Metodologia da investigação científica para Ciências Sociais Aplicadas. São Paulo: Atlas.

Milone, M. C. D. M. (2004). Cálculo do valor de ativos intangíveis: uma metodologia alternativa para a mensuração do valor de marcas (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Dias de Moura, G., Theiss, S. V., & Da Cunha, P. R. (2014). Ativos intangíveis e gerenciamento de resultados: uma análise em empresas brasileiras listadas na Bm&fbovespa. Revista Base (Administração e Contabilidade) da UNISINOS, 11(2).

Dias de Moura, G., Siqueira, P., & Beuren, I. (2014). Conformidade do disclosure obrigatório dos ativos intangíveis e práticas de governança corporativa. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 15(5).

Oliveira, D. D. P. R. D. (2006). Governança corporativa na prática: integrando acionistas, conselho de administração e diretoria executiva na geração de resultados: [conceitos, estruturação, atuação, prática]. São Paulo: Atlas.

Perez, M. M., & Famá, R. (2015). Características estratégicas dos ativos intangíveis e o desempenho econômico da empresa. Unisanta Law and Social Science, 4(2), 107-123.

Perez, M. M., & Famá, R. (2006). Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista Contabilidade & Finanças, 17(40), 7-24.

Pires, V. M. (2017). A influência do investimento em recursos intangíveis no desempenho das instituições financeiras estabelecidas no Brasil. (Doctoral dissertation, Universidade do Vale do Rio dos Sinos).

Possas, M. S. (1993). Concorrência e competitividade: notas sobre estratégia e dinâmica seletiva na economia capitalista. (Doctoral dissertation, Universidade Estadual de Campinas).

Richardson, R. J. (1999). Pós-Graduação-Metodologia-Pesquisa Social: Métodos e Técnicas-Métodos Quantitativos e Qualitativos. São Paulo: Atlas.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Rolim, M. V. (2009). Estudo do nível de disclosure dos ativos intangíveis das empresas britânicas pertencentes ao índice FTSE 100. (Master thesis, Universidade Federal de Uberlândia).

Santos, A. G. D. (2009). Comitê de auditoria: uma análise baseada na divulgação das informações de empresas brasileiras (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Schiehll, E., & Santos, I. O. (2004). Ownership structure and composition of boards of directors: Evidence on Brazilian publicly-traded companies. Revista de Administração, 39(4), 373-384.

Santos, J. L. D., & Schmidt, P. (2002). Avaliação de ativos intangíveis. São Paulo: Atlas.

Silva, A., Souza, T. R., & Klann, R. C. (2017). A influência dos ativos intangíveis na relevância da informação contábil. Revista Contemporânea de Contabilidade, 14(31), 26-45.

Silveira, A. D. M. D. (2006). Governança corporativa e estrutura de propriedade: determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil (Doctoral dissertation, Universidade de São Paulo).

Sveiby, K. E. (1998). A nova riqueza das organizações: Gerenciando e avaliando patrimônios de conhecimento. Rio de Janeiro: Campus.

Teixeira, R., Pacheco L.,., Hexsel, A., &Castagno Junior, R. (2005). Fatores determinantes da competitividade na indústria de telecomunicações e repercussões para a estratégia. Revista Base (Administração e Contabilidade) da UNISINOS, 2(1).

Tsai, C. F., Lu, Y. H., Hung, Y. C., &Yen, D. C. (2016). Intangible assets evaluation: The machine learning perspective. Neurocomputing, 175, 2016, p. 110-120.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2019.v9n3.p143-155.943

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.