A Atuação da Tríplice Hélice em Santa Catarina pela Visão dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) do Estado

Cristiane Iata, Cristiano Cunha

Resumo


A atuação integrada entre universidade, indústria e governo contribui para o crescimento de uma região, pois cria um ambiente propício para que a inovação aconteça. O presente trabalho investigou, por meio de uma pesquisa qualitativa realizada em 2016, o nível de integração dos atores da tríplice hélice (governo, empresas e universidades) em Santa Catarina. A pesquisa foi realizada com seis coordenadores de NITs – Núcleo de Inovação Tecnológica. Os resultados mostram que cada uma das hélices tem trabalhado para se desenvolver, porém, a atuação ainda não acontece de maneira integrada. Uma preocupação apontada pelos entrevistados foi que qualquer modelo de atuação escolhido para a tríplice hélice no Estado deverá considerar as diferenças regionais existentes. Além disso, é preciso entender quais são os atores regionais de cada hélice e qual a melhor forma para que eles possam trabalhar de maneira integrada.

Palavras-chave


Tríplice Hélice. Inovação. Liderança. Interação Universidade-Empresas-Governo.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


CRESWELL, J. W. (2010). Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 1227-1244.

ETZKOWITZ, H. (2009). Hélice Tríplice: universidade-indústria-governo inovação em movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS, 207.

ETZKOWITZ, H. (2008). The Triple Helix: University–Industry–Government in Action, Routledge, New York.

ETZKOWITZ, H.; CARVALHO DE MELLO, J. (2004). The rise of a triple helix culture: innovation in Brazilian economic and social development. International Journal of Technology Management and Sustainable Development, 2(3), 159–171.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. (2000). The dynamics of innovation: from national systems and ‘Mode 2’ to a triple helix of university-industry-government relations. Research Policy, 29(2), 109–123.

ETZKOWITZ, H.; LEYDESDORFF, L. (1995). The Triple Helix University-industry-government relations: A laboratory for knowledge based economic development. EASST review, 14(1), 14-19.

ETZKOWITZ, H.; WEBSTER, A; HEALEY, P. (1998). Capitalizing Knowledge: New Intersections of Industry and Academia. State University of New York Press, Albany, NY.

GEOGHEGAN, W.; O’KANE, C.; FITZGERALD, C. (2015). Technology transfer offices as a nexus within the triple helix: the progression of the university’s role. International Journal of Technology Management, 68(3), p. 255.

HIRA, A. (2013). Mapping out the Triple Helix: how institutional coordination for competitiveness is achieved in the global wine industry. Prometheus, 31(4), 271–303.

KHAN, G.; PARK, H. (2012). Editorial: triple helix and innovation in Asia using scientometrics, webometrics, and informetrics, Scientometrics, 90(1), 1–7.

LAWTON SMITH, H.; BAGCHI-SEN, S. (2010). Triple Helix and regional development: a per- spective from Oxfordshire in the UK. Technology Analysis & Strategic Management, 22(7), 805–18.

MAXWELL, J. A. (2008). Designing a qualitative study. In: BICKMAN, L; ROG, D. (Ed.) Handbook of Applied Social Research Methods. Thousand Oaks CA: Sage, 214-253.

MERRIAM. S. B. (1998). Qualitative research and case study applications in education. San Francisco (CA): Jossey-Bass, 3-25.

TAYLOR, S. J. and BOGDAN, R. (1997). Introduction to qualitative research methods: a guidebook and resource. 3. Ed. New York: John Wiley, 3-23.

TORKOMIAN, A. (2009). Panorama dos núcleos de inovação tecnológica no Brasil. In: SANTOS, Marli Elizabeth Ritter dos; TOLEDO, Patricia Tavares Magalhães de; LOTUFO, Roberto de Alencar (Org.). Transferência de tecnologia: estratégias para a estruturação e gestão de núcleos de inovação tecnológica. Campinas: Komedi, 21-39.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2018.v8n4.p180-188.737

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.