Pequena produção orgânica no Brasil: a tecnopolítica dominante da agroecologia

Orlando Gomes da Silva

Resumo


A produção de orgânicos no Brasil está associada, majoritariamente, a pequenos produtores e à agroecologia. Este ensaio, a partir da contextualização do amplo espectro da pequena agricultura orgânica, tem por objetivo problematizar uma interpretação da estrutura de significados dados à agroecologia como a tecnologia de produção organizacional praticamente oficial para os pequenos produtores de orgânicos no Brasil. Para tanto, utiliza-se metodologicamente uma composição teórica em torno do conceito de tecnologia como realização e apresenta-se o que se vê como a estrutura tecnológica dominante nas definições da política pública brasileira de produção orgânica. Conclui-se que, frente às dificuldades com a assistência técnica, enviezada pela agroecologia, no que tange principalmente a circuitos de comercialização, há uma necessidade de se desenvolver pesquisa sobre outros modelos tecnológicos de produção e gestão para as diferentes pequenas agriculturas orgânicas.


Palavras-chave


Produtos orgânicos. Tecnologia organizacional. Gestão de políticas públicas

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ABREU, L. S. DE et al. Agroecologia, movimento social, ciência, práticas e políticas públicas: uma abordagem comparativa. Cadernos de Agroecologia, v. 6, n. 2, 2011.

ALTIERI, M. Agroecologia: a dinâmica produtiva da agricultura sustentável. 4. ed. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 2004.

ALVES, A. F.; GUIVANT, J. S.; GUIVANT, J. S. Redes e Interconexões: desafios para a construção da agricultura sustentável. Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, v. 7, n. 1, p. 1–27, 28 jul. 2010.

ASSIS, R. L. DE; ROMEIRO, A. R. Agroecologia e agricultura orgânica: controvérsias e tendências. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 6, n. 0, 17 dez. 2002.

BIJKER, W. E. The social construction of Bakelite: Toward a theory of invention. In: BIJKER, W. E.; HUGUES, T. P.; PINCH, T. F. (Eds.). . The social construction of technological systems: new directions in the sociology and history of technology. Massachusets: The MIT press, 1987. p. 159–187.

BIJKER, W. E. Of bicycles, bakelites, and bulbs: towards a theory of sociotechnical change. Cambridge: The MIT press, 1995.

BIJKER, W. E. Social construction of technology. In: OLSEN, J. K. B.;

PEDERSEN, S. A.; HENDRICKS, V. F. (Eds.). . A companion to the philosophy of technology. Chichester: Wiley-Blackwel, 2009. p. 88–94.

BLANC, J.; KLEDAL, P. R. The brazilian organic food sector: Prospects and constraints of facilitating the inclusion of smallholders. Journal of Rural Studies, v. 28, n. 1, p. 142–154, 2012.

BRANDENBURG, A. Movimento agroecológico: trajetória, contradições e perspectivas. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 6, n. 0, 17 dez. 2002.

BRASIL. Lei no 10.831, de 23 de dezembro de 2003. Disponível em: . Acesso em: 20 dez. 2012.

BRASIL. Decreto no 6323, de 27 de Dezembro de 2007. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2015.

BRASIL. Decreto no 7794, de 20 de agosto de 2012. Disponível em: . Acesso em: 17 jun. 2015.

CALLON, M. Some elements of a sociology of translation: domestication of the scallops and the fishermen of St Brieuc Bay. The Sociological Review, v. 32, n. S1, p. 196–233, 1984.

CAPORAL, F. R. Agroecologia: uma nova ciência para apoiar a transição a agriculturas mais sustentáveise. In: FARIAS NETO, A. L. DE (Ed.). . Savanas: Desafios e estratégias para o equilíbrio entre sociedade, agronegócio e recursos naturais. Planaltina: Embrapa Cerrado, 2008. p. 895–929.

CAPORAL, F. R.; COSTABEBER, J. A. Agroecologia e sustentabilidade. Base conceptual para uma nova Extensão Rural. WORLD CONGRESS OF RURAL SOCIOLOGY, 10. Anais...Rio de Janeiro: IRSA/SOBER, 2000Disponível em:

CAPORAL, F. R.; PETERSEN, P. Agroecologia e políticas públicas na América Latina: O caso do Brasil. Revista de Investigación en Agroecología, v. 6, n. 0, p. 63–74, 2011.

DAMBROS, O.; CAPORAL, F. R.; PADILLA, M. C. A nova ATER e a formação de redes locais de entidades da agricultura familiar para desenvolver extensão rural agroecológica no Estado do Paraná, Brasil. EXTRAMUROS - Revista de Extensão da Univasf, v. 3, n. 3, p. 82–96, 2015.

DAROLT, M. R. As principais correntes do movimento orgânico e suas particularidades. Disponível em: . Acesso em: 15 maio. 2012.

DAROLT, M. R. et al. Redes alimentares alternativas e novas relações produção-consumo na França e no Brasil. Ambiente & Sociedade, v. 19, n. 2, p. 1–22, jun. 2016.

ESCOBAR, A. et al. Wenner-Gren Foundation for Anthropological Research Welcome to Cyberia : Notes on the Anthropology of Cyberculture [ and Comments and Reply ]. Current Anthopology, v. 35, n. 3, p. 211–231, 1994.

GUANZIROLI, C. E.; BUAINAIN, A. M.; DI SABBATO, A. Dez anos de evolução da agricultura familiar no Brasil: (1996 e 2006). Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 50, n. 2, p. 351–370, jun. 2012.

HARAWAY, D. Manifesto ciborgue: ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: SILVA, T, T. (Ed.). . Antropologia do ciborgue. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

HINE, C. Virtual Ethnography. London: Sage, 2000.

INSTITUTO DE PROMOÇÃO DO DESENVOLVIMENTO – IPD. Perfil do mercado orgânico brasileiro como processo de inclusão social. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2015.

KLINE, S. J. What is technology. In: SCHARFF, R. C.; DUSEK, V. (Eds.). . Philosophy of Technology: The Technological Condition: An Anthology. London: Blackwell, 2003. p. 210--212.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. São Paulo: Ed. 34, 1994.

LATOUR, B. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo: UNESP, 2000.

LATOUR, B. Reassembling the social: An introduction to actor-network-theory. New York: Oxford university press, 2005.

LEFF, H. Agroecologia e saber ambiental. Agroecol.e Desenv.Rur.Sustent, v. 3, n. 1, p. 36–51, 2002.

MEDAETS, J. P.; FONSECA, M. F. A. C. Produção orgânica: regulamentação nacional e internacional. Disponível em: . Acesso em: 22 jun. 2015.

NAROTZKY, S. Where Have All the Peasants Gone? Annual Review of Anthropology, v. 45, n. 1, p. 301–318, 2016.

OLIVEIRA, N. M. C. DE. Agroecologia e recampesinização no contexto da crise agroambiental: abordagens territoriais. Revista Rural & Urbano, v. 1, n. 1, p. 75–82, 2016.

PETERSEN, P.; SILVEIRA, L. Construção do conhecimento agroecológico em redes de agricultores-experimentadores: a experiência de assessoria ao Pólo Sindical da Borborema. In: PETERSEN, P. (Ed.). . Construção do conhecimento agroecológico: novos papéis, novas identidades. Rio de Janeiro: Articulação Nacional de Agroecologia, 2007. p. 103–130.

PINCH, T.; ASHMORE, M.; MULKAY, M. Technology, testing, text: clinical budgeting in the U. K. National Health Service. In: BJIKER, W. E.; LAW, J. (Eds.). . Building technology / Shaping society: studies in sociotechnical change. Cambridge: The MIT Press, 1992. p. 265–289.

PINCH, T. F.; BIJKER, W. E. The social construction of facts and artifacts: or how the sociology of science and sociology of technology might benefit each other. In: BIJKER, W.; HUGHES, T. P.; PINCH, T. (Eds.). . The social construction of technological systems: new directions in the sociology and history of technology. Masachusets: The MIT Press, 1987. p. 17–50.

ROVER, O. Agroecologia, mercado e inovação social: o caso da Rede Ecovida de Agroecologia. Ciências Sociais Unisinos, v. 47, n. 1, p. 56–63, 24 maio 2011.

SCHMITT, C. et al. A experiência brasileira de construção de políticas públicas em favor da agroecologia. Políticas a favor de la agroecología en América Latina y en el Caribe. Anais...Brasília: Red PP-AL, 2016Disponível em: . Acesso em: 6 ago. 2017

THOMPSON, C. J.; COSKUNER‐BALLI, G. Countervailing Market Responses to Corporate Co‐optation and the Ideological Recruitment of Consumption Communities. Journal of Consumer Research, v. 34, n. 2, p. 135–152, 2007.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2018.v8n4.p146-155.726

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.