Alianças estratégicas e redes de associativismo em pequenos mercados varejistas

Daniel Paiva Mendes, Rute Kenneds Fernandes Queiroz, Roberta Dutra de Andrade, Elda Fontinele Tahim

Resumo


Este artigo tem por objetivo identificar os diferenciais competitivos e cooperativos adotados por uma rede de pequenos mercados varejistas, que encontraram no associativismo uma forma de se manter competitivos no mercado atual. As alianças estratégicas e redes de associativismo são alternativas para os pequenos empresários varejistas desenvolverem estratégias mais competitivas em relação aos seus concorrentes e também sobrevivem à chegada das grandes redes desse segmento. A rede de pequenos mercados se uniu em prol de objetivos comuns de proporcionar a seus participantes uma maior competitividade de mercado, como a possibilidade de aumentar o seu mix de produtos, redução de custos logísticos, maior poder de barganha com fornecedores, inserção de novas tecnologias no negócio, reformular estratégias para garantir o fortalecimento e produzir recursos que possam ser investidos em suas competências básicas. A pesquisa foi realizada em nove, das doze empresas associadas à rede, em quatro cidades. Uma contribuição importante desse estudo é o fato de que as experiências da rede de empresas analisada trouxeram ganhos significativos para a sobrevivência das organizações participantes e o fortalecimento da marca da rede, mediante de oportunidade única de cooperação estratégica.     


Palavras-chave


Alianças estratégicas. Diferenciais competitivos. Cooperação Estratégica.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais oportunidades para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas, 2000.

ANDIA FILHO. L.; LEPSCH. S. L. Comunicação de marketing em rede de pequenos supermercados: Um estudo de caso na associação regional de supermercados do interior de estado de São Paulo. REA - Revista Eletrônica da Administração, v. 3, n. 1, p. 1-9, 2004.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Ed. 70, 1979.

BRASILEIRO, A.F.; MORANDI, T.A. As forças e estratégias de Michael Porter no ramo audiovisual: estudo de caso de uma produtora São João Del-Rei (MG). Revista Iniciacom, v. 6, n. 1, p. 1-12, 2014.

BRITTO, J. N. P. Cooperação interindustrial e redes de empresas. In: KUPFER, David;

HASENCLEVER, Lia (Org.). Economia industrial: Fundamentos teóricos e práticos no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Campus, 2013. p. 211-230.

CACB. CONFEDERAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES COMERCIAIS E EMPRESARIAIS DO BRASIL. É do Brasil. [2017a]. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2017.

______. Associativismo para desenvolver o negócio. [2017b]. Disponível em: . Acesso em: 22 ago. 2017.

CAMARGO, S. M.; TOALDO. A. M. M.; AREL SOBRINHO, Z. O layout como ferramenta de marketing no varejo. In: ENCONTRO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 33., 2009, São Paulo. Anais... São Paulo, SP: ANPAD, 2009. p. 1-16.

DELALIBERA. P. H. A. Modelos de compras conjuntas adotados em arranjos Inter organizacionais: pesquisa levantamento no estado de Minas Gerais. 2010. Dissertação Mestrado (Mestre em Ciências em Engenharia de Produção) – Universidade Federal de Itajubá, Itajubá, 2010.

DELLAGNELO, E.H.L.; SILVA, R. C. Análise de conteúdo e sua aplicação em pesquisa na administração. In.: VIEIRA, M.M.F; ZOUAIN, D. M. (Org.). Pesquisa Qualitativa em administração: teoria e prática. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2005. p.97-108.

GODOI, C. K.; MATTOS, P. L. C. L. Entrevista qualitativa: instrumento de pesquisa e evento dialógico. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. (Org.). A pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. p. 301-323.

GOMES, R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: MINAYO, M.C.S; DESLANDES, S. F.; GOMES, R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. p. 79-108.

JARILLO, J. Carlos. On Strategic Networks. Strategic Management Journal, [S. l.], v. 9, p. 31-41, 1998.

KLEIN, D. B. et al. Alianças estratégicas como forma de obter vantagem competitiva: um estudo teórico sobre o tema. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 9., 2012, Maceió. Anais... Maceió, AL: AEDB, 2012. p.1-9.

KOTLER, P. Administração de Marketing: Análise, Planejamento, Implementação e Controle. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1998.

LEWIS, J. Alianças Estratégicas: estruturando e administrando parcerias para o aumento da lucratividade. São Paulo: Pioneira, 1992.

LIMEIRA, T. M. V. Administração das comunicações de marketing. Gestão em Marketing. São Paulo: Saraiva, 2003.

LOPES, F. F. et al. Estratégias de rede de empresa: o associativismo no pequeno varejo alimentar. In: SEMINÁRIO DE ADMINISTRAÇÃO PPGA/FEA/USP, 7., 2004, São Paulo. Anais... São Paulo, SP: USP, 2004. p. 1-15.

LORANGE; P.; ROSS, J. Aliança Estratégicas: formulação, implementação e evolução. São Paulo: Atlas, 1996.

MAÑAS, A. V.; PACANHAN, M. N. Alianças estratégicas e redes associativistas como fonte de vantagem competitiva no varejo de material de construção. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, São Paulo, n. 14, p. 19-32, 2004.

MENDEL, P. R.; FERREIRA, G. C. A gestão de Alianças estratégicas como base para a inovação tecnológica: o caso de uma empresa petroquímica. In: SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, 24., 2006, Gramado. Anais... Gramado, RS: ANPAD, 2006. p.1-17.

MENDES, A. M. Pesquisa em psicodinâmica: a clínica do trabalho. In: MENDES, A. M. (Org.). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: All Books Casa do Psicólogo, 2007. p. 66-86.

MARQUI. A. C.; GUIRRO. A.B.; MERLO. E.M. Vantagens decorrente da formação de associações de compra: um estudo de caso. REA - Revista Eletrônica da Administração, v. 3, n. 2, p. 1-11, 2004.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

MINTZBERG, H. et al. O processo da estratégia: conceitos, contextos e casos selecionados. 4. ed. Porto Alegre: Bookeman, 2007.

MINTZBERG, H.; QUINN, J. B. O Processo da Estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de Estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. 2. ed. São Paulo: Sênior, 2009.

NOHRIA, N. Is a network perspective a useful way of studying organizations? In: NOHRIA, Nitin; ECCLES, Robert G. Networks and organizations: structure, form, and action. Cambridge: Harvard University Press, 1992, p.1-22.

OLIVEIRA, D. P. R. Estratégia Empresarial e Vantagem Competitiva. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

OLIVEIRA, L. A estratégia Organizacional na competitividade: um estudo teórico. READ – Revista Eletrônica de Administração, v. 10, n. 4, p. 1-23, 2004.

PIRES, A. P. Amostragem e pesquisa qualitativa: ensaio teórico e metodológico. In: POUPART, Jean et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008. p.154-201.

PORTER, M. E. Vantagem Competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Elsevier, 1989.

ROYER, R. As estratégias competitivas genéricas de Porter e o novo paradigma da customização em massa. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 30., 2010, São Carlos. Anais... São Carlos, SP: ANPAD, 2010, p. 1-14

SCHMITT, V. G. H; MORETTO NETO, L. Associativismo, comércio justo e desenvolvimento territorial sustentável: a experiência da toca tapetes. REGE Revista de Gestão, São Paulo, n. 3, p. 323-333, jul. 2011.

SEBRAE. Conheça o processo básico para se formar uma associação e quais as etapas. Disponível em: . Acesso: 24 nov. 2016.

SILVA, P. M. Abordagem multinível em redes: Análise da produção científica. R. Adm. FACES Journal, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 141-151, jan./mar. 2015.

SILVA. E. L.O; BARROS. A.S.; CLARO. J. A. C.S. A vantagem competitiva dos pequenos varejistas de material para construção diante de grandes empresas do setor. Revista da Micro e Pequenas Empresas, Campo Limpo Paulista, v. 8, n. 1, p. 32-51, 2014.

SOUSA, G. H. B.; LEONE, R. J. G. O associativismo no setor supermercadista: um estudo de caso da formação de uma rede de pequeno varejista em Mossoró/RN. Revista Estratégia e Negócio, Florianópolis, n. 2, p. 89-117, 2010.

TAUHATA, T. L.; MACEDO-SOARES, T.D. Redes e alianças estratégicas no Brasil: caso cvrd. RAE-eletrônica, v. 3, n. 1, art. 4, jan./jun. 2004.

THORELLI, Hans B. Networks: between markets and hierarchies. Strategic Management Journal,Chichester, v. 7, n. 1, p. 37-51, jan. 1986.

VERSCHOORE, Jorge Renato S. (Org.). Redes de Cooperação: uma nova organização de pequenas e médias empresas no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: FEE, 2004.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 15. ed. São Paulo: Atlas, 2014.

XAVIER, M. B.; ANDION, C. Análise comparada do associativismo e cooperativismo no Brasil e na Espanha: correntes predominantes, história e configuração jurídica. In: ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GOVERNANÇA DA ANPAD, 4., 2010, Vitória. Anais... Vitória, ES: ANPAD, 2010. p.1-14.

WINCKLER, N. C.; MOLINARI, G. T. Competição, Colaboração, Cooperação e Coopetição: Revendo os Conceitos em Estratégias Interorganizacionais. Revista ADMpg Gestão Estratégica, v. 4, n. 1, p. 1-12, 2011.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2018.v8n1.p88-101.582

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.