A liderança carismática em organizações de saúde do sul de Santa Catarina

Maria Flávia Baesso, Gisele Silveira Coelho Lopes, Diogo Pereira Morais, Andrigo Rodrigues

Resumo


Este trabalho objetiva identificar o nível de liderança carismática em profissionais que ocupam cargos de gestão em organizações de saúde do sul de Santa Catarina. Foi utilizado como base teórica Conger et al (1997) que desenvolveu um modelo teórico de liderança carismática composto por cinco dimensões, i) visão estratégica e articulação (SVA); ii) sensibilidade ao ambiente (SE); iii) sensibilidade aos membros (SMN); iv) risco pessoal (PR); v) comportamento não convencional (VB). Esta pesquisa se caracterizou como descritiva e de campo, cuja análise dos dados foi predominantemente quantitativa. Este estudo foi realizado em duas organizações de saúde (hospital (1) e clínica de saúde (2)) localizadas na região sul de Santa Catarina (Brasil). No hospital há 262 trabalhadores, porém somente 220 aceitaram participar da pesquisa, o que corresponde a 84% dos respondentes. Na clínica de saúde há 43 trabalhadores, porém somente 38 aceitaram participar da pesquisa, o que corresponde a 88% dos respondentes. Os resultados indicaram a inexistência de diferença significativa nos escores de liderança carismática. Neste sentido, foi possível constatar que os líderes apresentaram, em geral, médias superiores a 5 pontos, em uma escala de 6 (mínimo 1 e máximo 7). Esse resultado indica que em ambas instituições os líderes apresentaram tendência para a liderança carismática.

 


Palavras-chave


Liderança. Carisma. Hospital. Saúde.

Texto completo:

PDF Html

Referências


BANDURA, A. Analysis of self-efficacy theory of behavioral change. Cognitive Therapy and Research, v. 1, n. 4, p. 287-310,1977.

BEDELL-AVERS, K. E.; HUNTER, S. T.; MUMFORD, M. D. Conditions of problem-solving and the performance of charismatic, ideological, and pragmatic leaders: A comparative experimental study. The Leadership Quarterly, n. 19, p. 89–106, 2008.

BURDETT, J. O. "What is Empowerment Anyway”? Journal of European Industrial Training, v. 15, p. 6-15, 1991.

CALLEGARI-JACQUES, S. M. Bioestatística: Princípios e Aplicações. Porto Alegre: Artmed, 2003.

CONGER, J. A. Charismatic Leadership. In: BRYMAN; A.; COLLINSON, D.; GRINT, K.; JACKSON, B.; UHL-BIEN, M. Leardership: SAGE Handbook of Leadership. London: Sage, 2011. p. 86-102.

CONGER, J. A.; KANUNGO, R. N. The Empowerment Process: Integrating Theory and Practice. Academy ol Management Feview, v. 13, n. 3, p. 471-482, 1988.

CONGER, J. A. et al. Measuring Charisma: Dimensionality and Validity of the Conger-Kanungo Scala of Charismatic Leadership. Revue canadienne des sciences de l'administration, v. 14, n. 3, p. 290-302, 1997.

DOW, T. E. The Theory of Charisma. Social Quarterly, v. 10, n. 3, p. 306-318, 1969.

FIOL, M. C.; HARRIS, D.; HOUSE, R. Charismatic leadership: Strategies for effecting social change. The Leadership Quarterly, v. 10, n. 3, p. 449-483, 1999.

GRIFFITH, J. et al. How outstanding leaders lead with affect: An examination of charismatic, ideological, and pragmatic leaders. The Leadership Quarterly, v. 26, n. 4, p. 502-517, 2015.

GOMES, A. R.; CRUZ, J. Abordagem carismática e transformacional: modelos conceptuais e contributos para o exercício da liderança. PSICOL. USP, v. 18, n. 3, p. 143-161, 2007.

GREASLEY, K. et al. Employee perceptions of empowerment. Employee Relations, v. 27, n. 4, p. 354–368, 2005.

HAMMUDA, I.; DULAIMI, M. F. The theory and application of empowerment in construction: a comparative study of the different approaches to emporwerment in construction, service and manufacturing. International Journal of Project Gestão, v. 15, n. 5, p. 289-296, 1997.

HENNINGTON, E. A. Gestão dos Processos de Trabalho e Humanização de Saúde: reflexões a partir da ergologia. Revista Saúde Pública, v. 42, n. 3, p. 555-61, 2008.

LASCHINGER, H. K. S.; FINEGAN, J.; SHAMIAN, J.Promoting Nurses' Health: Effect of Empowerment on Job Strain And Work Satisfaction. Nursing Economics, v. 19, n. 2, p. 42-52, 2001.

LIDEN, R. C.; WAYNE, S. J.; SPARROWE, R. T. An Examination of the Mediating Role of Psychological Empowerment on the Relations Between the Job, Interpersonal Relationships, and Work Outcomes. Journal of Applied Psychology, v. 85, n. 3, p. 407-416, 2000.

NUNES, I. M. et al. O trabalho em saúde no contexto hospitalar: processos e necessidades como subsídios para a formação profissional. Revista de Enfermagem, v. 10, n. 3, p. 509-513, 2006.

OLIVEIRA, F. P.; DELFINO, I. A. L. Produção Científica sobre o Processo de Liderança. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, v. 3, n. 4, p. 104-126, 2013.

QUAGLIA, R.; MARION, S.F.; MCINTIRE, W. G. The relationship of teacher satisfaction to perceptions of school organization, teacher empowerment, work conditions, and community status. Education, v. 112, n. 2, p. 206-2016, 1991.

RANDENIYA, R; BAGGALEY, N.; RAHIM, M. A. Total quality management: the need to uncouple empowerment. Journal Total Quality Management, v. 6, n. 3, p. 215-220, 1995.

RYAN, R.M.; DECI, E.L. Intrinsic and Extrinsic Motivations: Classic Definitions and New Directions. Contemporary Educational Psychology, Rochester, NY, v. 25, n. 1, p. 54-67, 2000.

SHESKIN, D. J. Handbook of Parametric and Nonparametric Statistical Procedures. Boca Raton: Chapman & Halucrc, 2004.

SIEGEL, S. Estatística Não-paramétrica Para as Ciências do Comportamento. São Paulo: McGraw-Hill, 1975.

SILVA, L. C. O sofrimento psicológico dos profissionais de saúde na atenção ao paciente de câncer. Psicologia para América Latina, n. 16, 2009.

SILVA, A. S.; CARVALHO NETO, A. Uma contribuição ao estudo da liderança sob a ótica weberiana de dominação carismática. Revista de Administração Mackenzie, v. 13, n. 6, p. 20-47, 2012.

THOMAS, K. W.; & VELTHOUSE, B. A. Cognitive elements of empowerment: An "interpretive" model of intrinsic task motivation. Academy of Management Review, v. 15, n. 4, p. 666-681, 1990.

TORMAN, V. B. L.; COSTER, R.; RIBOLDI, J. Normalidade de variáveis: métodos de verificação e comparação de alguns testes não-paramétricos por simulação. Revista HCPA, v. 32, n. 2, p. 227-243, 2012.

UGBORO, I. O.; OBENG, I. Top management leadership, employee empowerment, job satisfaction, and customer satisfaction in TQM organizations: an empirical study. Journal Of Quality Management, v. 5, p. 247-272, 2000.

WILLNER, A.R. The Spellbinders: Charismatic Political Leadership. La Mesa, CA, U.S.A.: Gargoyle Books, IOBA, 1984.

WU, V; SHORT, P. M. The relationship of empowerment to teacher job commitment and job satisfaction. Journal of Instructional Psychology, v. 23, n. 1, p. 85-89, 1996.

YUKL, G. Contingency Theories of Effective Leadership. In: BRYMAN; A.; COLLINSON, D.; GRINT, K.; JACKSON, B.; UHL-BIEN, M. Leardership. SAGE Handbook of Leadership. London: Sage, 2011. p. 286-298.

ZAR, J. H. Biostatistical analysis. Upper Saddle River, N.J.: Prentice Hall, 1999.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2017.v7n3.p19-33.527

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.