Gestão por indicadores em shopping center

Leonardo Fabris Lugoboni, Flavio Hourneaux Junior, Marcus Vinicius Moreira Zittei, Veronice Francisca da Costa, Luis Paulo Cristino Mota

Resumo


O presente estudo tem como objetivo principal descrever como é feita a gestão por indicadores de desempenho em um shopping center e apresentar os indicadores estratégicos utilizados. O trabalho, de caráter qualitativo e descritivo, analisa o caso de um empreendimento na cidade de Santo André, Estado de São Paulo, e utilizou-se de entrevistas com os gestores responsáveis dos departamentos financeiro, operações, qualidade, marketing, estacionamento, comercial, recursos humanos, segurança e da própria holding, além de análise documental de relatórios aos quais os pesquisadores tiveram acesso. Os resultados apontam que a gestão por indicadores é um elemento importante e crítico para a gestão estratégica e sistêmica do empreendimento, com reflexos na sua competitividade.

 


Palavras-chave


avaliação de desempenho; indicadores de desempenho; shopping center

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ABRASCE. (2013). Portal do Shopping. Disponível em: http://www.abrasce.com.br. Consultado em 15 de dezembro de 2013.

BNDES. (2007). Setor de Shopping Center no Brasil: Evolução Recente e Perspectivas, Rio de Janeiro, BNDES Setorial.

Bourne, M., Neely, A., Mills, J., & Platts, K. (2003). Implementing performance measurement systems: A literature review, International Journal of Business Performance Management, 5(1), 1-24.

Callado, A. L. C.; Callado, A. A. C., & Almeida, M. A. (2008a). A utilização de indicadores de desempenho não financeiros em organizações agroindustriais: Um estudo exploratório. Organizações Rurais e Agroindustriais, 10(1), 35-48.

Callado, A. L. C.; Callado, A. A. C., & Almeida, M. A. (2008b). Determinando padrões de utilização de indicadores de desempenho: Um estudo em micro e pequenas empresas da cidade de João Pessoa. Contabilidade, Gestão e Governança, 11(1+2), 18-29.

Cocca, P., & Alberti, M. (2010). A framework to assess performance measurement systems in SMEs. International Journal of Productivity and Performance Management, 59(2), 186-200.

Corrêa, H. L., & Hourneaux JR, F. (2008). Sistemas de mensuração e avaliação de desempenho organizacional: Estudo de casos no setor químico no Brasil. Revista Contabilidade e Finanças – USP, 19(48), 50-64.

Crispim, S., & Lugoboni, L. (2012). Avaliação de desempenho organizacional: Análise comparativa dos modelos teóricos e pesquisa de aplicação nas Instituições de Ensino Superior da Região Metropolitana de São Paulo. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, 11(1), 41-54.

Cunha, C. A. J., & Corrêa, H. L. (2013). Avaliação De Desempenho Organizacional: Um Estudo Aplicado Em Hospitais Filantrópicos. RAE Revista De Administração De Empresas, 53(5), 485-499).

Debusk, G. K.; Brown, R. M., & Killough, L. N. (2003). Components and relative weights in utilization of dashboard measurement systems like the Balanced Scorecard. The British Accounting Review, 35(3), 215-231.

De Haas, M., & Kleingeld, A. (1999). Multilevel design of performance measurement systems: Enhancing strategic dialogue throughout the organization. Management Accounting Research, 10(3), 233-261.

Denton, D. K. (2005). Measuring relevant things. International Journal of Productivity and Performance Management, 54(4), 278–287.

Galdámez, E. V. C., Carpinetti, L. C. R., & Gerolamo, M. C. (2009). Proposta de um sistema de avaliação do desempenho para arranjos produtivos locais. Gestão e Produção, 16(1), 133-151.

Galvão, H. M., Corrêa, H. L., & Alves, J. L. (2011). Modelo de avaliação de desempenho global para instituição de ensino superior. Revista de Administração da UFSM, 4(3), 425-441.

Giegold, W. C. (1980). Avaliação de desempenho e o processo APO: Uma abordagem de instrução programada. São Paulo, McGraw Hill do Brasil.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, Atlas.

Ittner, C. D., & Larcker, D. (1998). Innovations in performance measurement: Trends and research implications. Journal of management accounting research, 10, 205-238.

Johnson, H. T. (1990). Performance measurement for competitive excellence: Measures for manufacturing excellence. In R. S. Kaplan (Coord.), Measures for manufacturing excellence (pp. 63-89). Boston, Harvard Business School Press.

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (1997). Balanced Scorecard: A estratégia em ação. Rio de Janeiro, Campus.

Kennerley, M., & Neely, A. (2002a). A framework of the factors affecting the evolution of performance measurement systems. International Journal Of Operations And Production Management, 22(11), 1222-1245.

Kennerley, M., & Neely, A. (2002b). Performance measurement frameworks: A review. In A. Neely (Ed.), Business performance measurement: Theory and practice (pp. 145-15). Cambridge: Cambridge University Press.

Kloot, L., & Martin, J. (2000). Strategic performance management: A balanced approach to performance management issues in local government. Management Accounting Research, 11(2), 231-251.

Kotler, P., & Armstrong, G. (2008). Princípios de marketing. São Paulo, Pearson Educación.

Lemos, M. L. F., & Rosa, S. E. S. (2003). O segmento de shopping centers no Brasil e o BNDES. Disponível em: www.bndes.gov.br/conhecimento/setorial/get_4is12.pdj.

Mikušová, M., & Janečková, V. (2010). Developing and implementing successful key performance indicators. Proceedings World Academy of Science, Engineering and Technology, Paris, 66, 1231-1243.

Morgan, R. E., & Strong, C. A. (2003). Business performance and dimensions of strategic orientation. Journal of Business Research, 56(3), 163-176.

Neely, A. (1999). The performance measurement revolution: Why now and what next? International Journal of Operations and Production Management, 19(2), 205-228.

Otley, D. (2007). Accounting performance measurement: A review of its purposes and practices. International Journal of Business Performance Management, 3(2/3/4), 11-35.

Perrin, B. (1998). Effective use and misuse of performance measurement. American Journal of Evaluation, 19(3), 367-379).

Rocha, A., & Christensen, C. (1990). Marketing: Teoria e prática no Brasil. São Paulo, Atlas.

Roos, G., & Roos, J. (1997). Measuring your company's intellectual performance. Long Range Planning, 30(3), 413-426.

Rummler, G. A., & Brache, A. P. (1994). Melhores desempenhos das empresas. São Paulo, Makron Books.

Silva, E. L., & Menezes, E. M. (2005). Metodologia da pesquisa e elaboração da dissertação. Florianópolis, UFSC.

Tezza, R., Bornia, A. C., & Vey, I. H. (2010). Sistemas de medição de desempenho: Uma revisão e classificação da literatura. Gestão e Produção, 17(1), 75-93.

Trzesniak, P. (2014). Indicadores quantitativos: Como obter, avaliar, criticar e aperfeiçoar. Navus: Revista de Gestão e Tecnologia. (4(2), pp. 05-18).

Uenoyama, A. T. (2007). Avaliação de desempenho global aplicado em pequenas empresas do setor de serviços: escritório de contabilidade (Trabalho de conclusão em Administração, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo).

Underhill, P. (2004). A magia dos shoppings. São Paulo: Elsevier Brasil.

Venkatraman, N., & Ramanujam, V. (1986). Measurement of business performance in strategy research: a comparison of approaches. Academy of Management Review, 11(4), 801-814.

Yasin, M. M., & Gomes, C. F. (2010). Performance management in service operational settings: A selective literature examination. Benchmarking: An International Journal, 17(2), 214-231.

Yin, R. K. (2005). Estudos de caso: Planejamento e métodos. Porto Alegre, Bookman.

Yokomizo, C. A. (2009). Avaliação de desempenho organizacional: Um estudo exploratório em empresas brasileiras de desenvolvimento de software (Dissertação de Mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-16122009-153626/pt-br.php




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2017.v7n4.p21-35.483

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.