Benefícios flexíveis: estudo de caso em uma indústria de autopeças

Francisleine da Silva Santos, Margareth Inês Motter Caregnatto, Verena Alice Borelli, Adrieli Alves Pereira Radaelli, Paula Patrícia Ganzer, Cassiane Chais, Eric Charles Henri Dorion, Pelayo Munhoz Olea

Resumo


As empresas estão investindo em diversas estratégias para atrair e reter talentos. Uma delas é a implantação
de um plano de benefícios flexíveis, que possibilita o funcionário escolher entre uma série de benefícios. O
objetivo geral deste artigo é investigar o que pensam os colaboradores quanto a implantação de um plano
flexível de benefícios. O estudo é fundamentado com base no referencial teórico de alguns autores, como,
Boog e Boog (2002), Maximiano (2012), Robbins (2005), Marras (2011) e outros. A metodologia utilizada é
estudo de caso, com caráter exploratório-descritivo e abordagem qualiquantitativa. Analisando o resultado
do questionário aplicado, considera-se viável a implantação de um programa de benefícios flexíveis na
empresa, pois 72% dos respondentes entendem que os benefícios flexíveis são fator importante para
retenção de talentos e motivação de pessoal e 69% não estão satisfeitos com os benefícios oferecidos pela
empresa.


Palavras-chave


Benefícios Flexíveis. Retenção. Talentos. Motivação.

Texto completo:

PDF Html

Referências


BERNARDIM, Márcio Luiz; ARAÚJO, Joceliane Antunes. Os benefícios extrassalariais no âmbito da

remuneração: um diagnóstico da prática empresarial em um município do interior do estado do

Paraná. Navus, Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 79-92, abr./jun. 2016.

BOOG, Gustavo; BOOG, Magdalena (Coord.). Manual de gestão de pessoas e equipes: operações.

São Paulo: Gente, 2002. v. 2.

BOHLANDER, George; SNELL, Scott. Administração de recursos humanos. 14. ed. São Paulo:

Cengage Learning, 2009.

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas

organizações. 4. ed. Barueri, SP: Manole, 2014.

DESSLER, Gary. Administração de recursos humanos. 2. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

DECENZO, David A.; ROBBINS, Stephen P. Administração de recursos humanos. 6. ed. Rio de

Janeiro: LTC, 2001.

FIGUEIREDO, Nébia Maria Almeida de. Métodos e Metodologia na Pesquisa Cientifica. 3. ed. São

Caetano do Sul, SP: Yendis Editora, 2008.

GIL, Antonio Carlos. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

LACOMBE, Francisco José Masset. Recursos Humanos: princípios e tendências. 2. ed. São Paulo:

Saraiva, 2011.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa: planejamento e

execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação

de dados. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

MARRAS, Jean Pierre. Administração de recursos humanos: do operacional ao estratégico. 14. ed.

São Paulo: Saraiva, 2011.

______. Administração de remuneração. 2. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2012.

MAXIMIANO, Antonio Cesar Amaru. Teoria Geral da Administração: da revolução urbana à

revolução digital. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2012.

PINTO, Marli Dias Souza; KEMMER, Adélio Alvicio; FILIPPIM, Eliane Salete. Qualidade de Vida no

Trabalho na Perspectiva dos Empregados de uma Instituição Financeira. Revista Pensamento

Contemporâneo em Administração, Rio de Janeiro, v. 5, n. 3, p. 83-96, set./dez. 2011

PONTES, Benedito Rodrigues. Administração de cargos e salários: carreira e remuneração. 12. ed.

São Paulo: LTR, 2007.

ROBBINS, Stephen P. Comportamento Organizacional. 11. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall,

RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes,

SAMPIERI, Roberto Hernández; COLLADO, Carlos Fernández; LUCIO, María Del Pilar Baptista.

Metodología de la investigación. México: McGraw-Hill, 1998.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 3. ed. São Paulo:

Atlas, 2000.

YIN, Robert K. Estudo de Caso: Planejamento e Métodos. Trad. Daniel Grassi. 3. ed. Porto Alegre:

Bookman, 2005.

WOOD Jr., Thomaz; PICARELLI FILHO, Vicente. Remuneração Estratégica: a nova vantagem

competitiva. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2017.v7n1.p07-28.432

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.