Análise das melhores práticas das instituições de ciência e tecnologia nos sistemas nacionais de inovação da Espanha, Brasil, México, Coreia do Sul e Alemanha

Luciana Peixoto Santa Rita, Vanderleia Radaelli, Eliana Maria Oliveira Sá, Denise Pinto Gadelha, Celio Cabral de Sousa Junior, Natalino Uggioni, Michele Mamede Faiad

Resumo


O desempenho econômico das regiões está cada vez mais associado à conformação dos sistemas de inovação e à intensidade e à eficácia das interações entre as diferentes Instituições de Ciência e Tecnologia (ICTs), na geração e difusão de novos conhecimentos e tecnologias. O objetivo geral do estudo é analisar as melhores práticas das ICTs nos sistemas de inovação (Espanha, México, Coreia do Sul e Alemanha). De forma específica: a) pretende-se realizar uma comparação com o Brasil, buscando premissas relacionadas aos subsistemas produtivo e inovativo, governamental, cultural, industrial e de ciência e tecnologia (C&T) e b) apresentar implicações no avanço de estudos em Sistema Nacional de Inovação (SNI) e políticas de desenvolvimento regional. Em termos de procedimentos metodológicos, foi realizada uma pesquisa descritiva do ponto de vista de seus objetivos. Sob o ponto de vista da abordagem do problema, foi realizada uma pesquisa de natureza qualitativa. Além disso, a pesquisa em relação aos procedimentos técnicos se caracteriza como pesquisa bibliográfica, como pesquisa participante e pesquisa documental, utilizando como técnicas de pesquisa a realização de benchmarking por meio da observação de atores de ICTs do Brasil em missões internacionais na Espanha, México, Alemanha e Coreia do Sul. Como resultados, descrevem-se os mecanismos de fomento à inovação como melhores práticas nesses países e o melhor entendimento das especificidades de cada sistema. Em suma, é possível afirmar que as análises das melhores práticas dos sistemas de inovação e suas ICTs na Espanha, México, Alemanha e Coreia do Sul podem inspirar ações em prol da inovação nas regiões alvo do Programa Sistema Regional de Inovação (SRI) no Brasil. Assim, as contribuições práticas e científicas apontam implicações das ICTs no processo de fortalecimento dos sistemas regionais de inovação. Ademais, os contatos estabelecidos durante as missões, assim como todo o material de apoio produzido, permitirão aos Estados a continuidade em suas avaliações sobre a replicabilidade dos instrumentos de inovação à luz de suas especificidades locais. 


Palavras-chave


Melhores práticas. Instituto de Ciência e Tecnologia. Sistema Nacional de Inovação.

Texto completo:

PDF Html

Referências


ASHEIM, B.T.; GERTLER, M.S. The geography of innovation: regional innovation systems. In: FAGERBERG, J.; MOWERY, D.,

Nelson, R. (Eds.). The Oxford Handbook of Innovation. Oxford: Oxford, University Press, 2005. p. 291–317.

BEL, M; PAVITT, K. The development of technological capabilities. In: UL HAQUE, I. Trade, technology and

international competitiveness. Washington, DC: The World Bank, 1995. p. 69-101.

BOGAN, C. E., ENGLISH, M. J. Benchmarking for best practices: Winning through innovative adaptation. New York:

McGraw-Hill, 1994.

BRYMAN, A. Social research methods. Oxford: Oxford University Press, 2011.

BRESCHI, S; MALERBA, F. Sectoral Innovation Systems. In: EDQUIST, C. Systems of Innovation: technologies,

institutions and organization. Londres: Pinter, 1997. p. 130-56.

CALOGHIROU, Y. et al. Public policy for knowledge intensive entrepreneurship: Implications from the perspective of

innovation systemsn. In: MALERBO, Franco et al (Ed.). Dynamics of Knowledge Intensive Entrepreneurship: Business

Strategy and Public Policy. New York: Routledge, 2015. p. 427-439.

CIMOLI, M. National System of Innovation: A note on technological asymmetries and catching-up perspectives. Rev.

Econ. Contemp., Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 5-30, jan./abr. 2014.

COOKE, P. Regional innovation systems, clusters, and the knowledge economy. Industrial and Corporate Change, v.

, n. 4, p. 945-974, 2001.

COOPER, R. G.; KLEINSCHMIDT, E, J. Benchmarking the firm’s critical sucess factors in new product development.

Journal of Product Innovation Management, v. 12, p. 374-391, 1995.

DAHLMAN, C. J. A economia do conhecimento: implicações para o Brasil. In: VELLOSO, J. R. (Org.). O Brasil e a

Economia do Conhecimento. Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 2002. p. 45-77.

DOSI, G.; SOETE, L. Technology gaps and cost-based adjustment: some explorations on the determinants of

international competitiveness. Metroeconomica, v. 35, n. 3, p. 197-222, out. 1983.

DQUIST, C. Systems of Innovation: Perspectives and Challenges. In: FAGERBERG, J.; MOWERY, D.; NELSON, R. (Ed.). The

Oxford Handbook of Innovation. Oxford: Oxford, University Press, 2005. p. 181-208.

EDQUIST, Charles. System of Innovation: Technologies, Intitutions and Organizations. London: Pinter, 2004.

FREEMAN, C. Technology policy and economic performance: lessons from Japan. London: Pinter Publishers, 1987.

GONÇALVES, H. A. Manual de metodologia da pesquisa científica. São Paulo: Avercamp, 2005.

GRIFFIN, A. PDMA Research on new product development practices: updating trends and benchmarking best practices.

Journal of Product Innovation Management, v. 14, p. 429-459, 1997.

LIU, X.; WHITE, S. The Relative Contributions of Foreign Technology and Domestic. Inputs to Innovation in Chinese

Manufacturing Industries. Technovation, n. 17, p. 119-125, 1997.

LUNDVALL, B. A. National Systems of Innovation: Towards a Theory of Innovation and Interactive Learning. London:

Pinter Publishers, 1992.

MAZZUCATO, M. O Estado Empreendedor: Desmascarando o mito do setor público vs. setor privado. São Paulo: Cia.

Das Letras, 2014.

MACHADO-DA-SILVA, C. L.; FONSECA, V. S.; FERNANDES, B. Mudança e Estratégia nas Organizações: Perspectivas

Cognitiva e Institucional. In: ASSOCIAÇÃO DE PÓS- GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 1988.Rio de Janeiro. Anais...Rio

de Janeiro: UFRJ, 1988, p.16-29.

MCKELVEY, M; ZARING, O.; SZUCS, S. Governance of Regional Innovation Systems: An Evolutionary Conceptual Model

of How Firms Engage. DRUID15, Rome, June 15-17, 2015.

MELO, T. M.; FUCIDJI, J.R; POSSAS, M. L. Política industrial como política de inovação: notas sobre hiato tecnológico,

políticas, recursos e atividades inovativas no Brasil. Rev. Bras. Inov, Campinas, SP, v. 14, n. esp., p. 11-36, jul. 2015.

NELSON, R. An evolutionary theory of economic change. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press,

______. National Innovation Systems: a Comparative Analysis. Nova York: Oxford University, 1993.

OCDE. Benchmarking Industry-Science Relationships. Paris: OECD Publications, 2002.

OCDE. Industry-Science Relations: Interim Report. OECD Working Group on Innovation and Technology Policy. Paris:

DSTI/STP/TIP, 2000.

OCDE. Benchmarking Indicators. OECD Working Group on Innovation and Technology Policy. Room Document 2.

Paris: DSTI/STP/TIP, 1999.

PAVITT, K. The continuing, widespread (and neglected) importance of improvements in mechanical technologies.

Research policy, n. 23, p. 533-545, 1994.

PAVITT, K. Sectoral patterns of technical change: Towards a taxonomy and a theory. Science Policy Research Unit, v.13,

n. 6, p. 343-373, 1994.

PETTIGREW, A.; WHIPP, R. Understanding the Environment. In: MAYBE, C.; MAYON-WHITE, B. (Eds.). Managing Change.

ed. London: Paul Chapman, 1993. p. 5-19.

REINER, C.; STARITZ, C. Private sector development and industrial policy: why, how and for whom?. In: Österreichischen

Forschungsstiftung Für Internationale Entwicklung – ÖFSE (Org.). Private sector development: einneuer business plan

für entwicklung? Viena: ÖFSE, 2013, p. 53-61.

REINERT, E. S. How rich countries got rich… and why poor countries stay poor. London: Constable, 2007.

TODLING, F.; LEHNER, P.; KAUFMANN, A. Do different types of innovation rely on specific kinds of knowledge

interactions? Technovation, n. 29, p. 59-71, 2009.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à Pesquisa em Ciências Sociais. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

SEIDEL, U. et al. A New Approach for Analysing National Innovation Systems in Emerging and Developing Countries.

Industry & Higher Education, v. 27, n. 4, p. 279-285, Aug. 2013.

ZOUAIN, D. et al. Urban Technology Parks Model as instrument of Public Policies for regional/local development:

Technology Park of São Paulo. In: ASP – WORLD CONFERENCE ON SCIENCE AND TECHNOLOGY PARKS, 22., 2006.

Proceedings... Helsinki: IASP ENVIROPARKS, 2006.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2017.v7n2.p07-25.390

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.