Justiça Organizacional, Estresse e o Conflito Trabalho - Família: Os Efeitos da Tríade em uma Prefeitura do Sul do Brasil

Ronaldo Leão de Miranda, Péricles Ewaldo Jader Pereira, Antonio Ronaldo Madeira de Carvalho, Luciano Castro de Carvalho

Resumo


A percepção de justiça organizacional tem se mostrado uma variável de grande poder heurístico para explicar comportamentos, atitudes e eficácia nas organizações. O local de trabalho tem se tornado cada vez mais um campo de estresse, injustiças e conflitos, sendo assim, buscou-se analisar a influência da justiça organizacional sobre o estresse e sobre o conflito trabalho - família, tendo como objeto de estudo, uma prefeitura da região sul do Brasil. Metodologicamente, a pesquisa caracteriza-se como exploratória em relação a seu objetivo, quanto aos procedimentos pode ser considerada como pesquisa aplicada a partir do levantamento de dados primários e quantitativa em relação à abordagem do problema, sendo analisada por meio de técnicas estatísticas (MEE). Quanto aos dados, percebeu-se que os servidores da prefeitura estudada, sentem-se mais estressados quando as ações ou os mecanismos referentes à remuneração, ao processo de tomada de decisão e questões interpessoais são injustas. Em um segundo momento, quando os servidores percebem que as ações ou os mecanismos são injustos dentro do ambiente organizacional, isso gera o estresse, que por sua vez gera o conflito em casa pelas questões do trabalho. Por fim, neste estudo não se evidenciou por meio da modelagem de equações estruturais (MEE) que a justiça organizacional tem influência significativa nas relações de conflito trabalho - família, dadas atuais percepções sobre as condições de trabalho dentro da prefeitura estudada.


Palavras-chave


Justiça Organizacional, Estresse, Conflito Trabalho - Família, Prefeitura, Brasil.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Adams, J. S. (1965). Inequity in social exchange. In Advances in experimental social psychology (Vol. 2, pp. 267-299). Academic Press. https://doi.org/10.1016/S0065-2601(08)60108-2

Al-Zu'bi, H. A. (2010). A study of relationship between organizational justice and job satisfaction. International Journal of Business and Management, 5(12), 102. DOI: 10.5539/ijbm.v5n12p102

Assmar, E. M. L., Ferreira, M. C., & Souto, S. D. O. (2005). Justiça organizacional: uma revisão crítica da literatura. Psicologia: reflexão e crítica, 18(3), 443-453. https://doi.org/10.1590/S0102-79722005000300019

Bakker, A. B., Lieke, L., Prins, J. T., & Van der Heijden, F. M. (2011). Applying the job demands–resources model to the work–home interface: A study among medical residents and their partners. Journal of Vocational Behavior, 79(1), 170-180. https://doi.org/10.1016/j.jvb.2010.12.004

Beuren, I. M., dos Santos, V., Marques, L., & Resendes, M. (2017). Relação entre percepção de justiça organizacional e satisfação no trabalho. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade (REPeC), 11. http://dx.doi.org/10.17524/repec.v11i0.1721

Biroli, F. (2014). Família: novos conceitos. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Bohle, P., Quinlan, M., & Mayhew, C. (2001). The health and safety effects of job insecurity: An evaluation of the evidence. https://doi.org/10.1177/103530460101200104

Burney, L. L., Henle, C. A., & Widener, S. K. (2009). A path model examining the relations among strategic performance measurement system characteristics, organizational justice, and extra-and in-role performance. Accounting, organizations and society, 34(3-4), 305-321. https://doi.org/10.1016/j.aos.2008.11.002

Byrne, B. M. (2013). Structural equation modeling with Mplus: Basic concepts, applications, and programming. routledge.

Chanlat, J. F. (2005). Mitos e realidades sobre o estresse dos gerentes. DAVEL, E.; MELO, MCOL Gerência em ação: singularidades e dilemas do trabalho gerencial. Rio de Janeiro: Editora FGV, 29-65.

Cohen-Charash, Y., & Spector, P. E. (2001). The role of justice in organizations: A meta-analysis. Organizational behavior and human decision processes, 86(2), 278-321. https://doi.org/10.1006/obhd.2001.2958

Colquitt, J. A. (2001). On the dimensionality of organizational justice: a construct validation of a measure. Journal of applied psychology, 86(3), 386.

Cooper, C. L.; Sloan, S.; William, S. (1988). Occupational stress indicator - management guide. London: Windsor.

Correia, P. M. A. R., Mendes, I. D. O., & Silva, S. R. D. S. R. M. D. (2019). A perceção de justiça na avaliação do desempenho na Administração Pública e a produtividade. Sociologia, 37, 31-50. http://dx.doi.org/10.21747/08723419/soc37a2

Cropanzano, R., Bowen, D. E., & Gilliland, S. W. (2007). The management of organizational justice. Academy of management perspectives, 21(4), 34-48. https://doi.org/10.5465/amp.2007.27895338

Da Rocha, A. C., Ceretta, G. F., & Andretto, V. P. (2016). Análise da percepção de justiça no trabalho: o caso de uma instituição pública. Navus-Revista de Gestão e Tecnologia, 6(3), 97-110.

da Silva Schuster, M., da Veiga Dias, V., & Battistella, L. F. (2015). Burnout e justiça organizacional: Um estudo em servidores públicos federais. Revista de Administração IMED, 4(3), 330-342. https://doi.org/10.18256/2237-7956/raimed.v4n3p330-342

Dal Corso, L., De Carlo, A., Carluccio, F., Girardi, D., & Falco, A. (2019). An Opportunity to Grow or a Label? Performance Appraisal Justice and Performance Appraisal Satisfaction to Increase Teachers' Well-Being. Frontiers in Psychology, 10, 2361-2361. https://doi.org/10.3389/fpsyg.2019.02361

Edwards, J. R., & Rothbard, N. P. (2000). Mechanisms linking work and family: Clarifying the relationship between work and family constructs. Academy of management review, 25(1), 178-199. https://doi.org/10.5465/amr.2000.2791609

Elovainio, M., Kivimäki, M., & Vahtera, J. (2002). Organizational justice: evidence of a new psychosocial predictor of health. American journal of public health, 92(1), 105-108.

Ferreira, J. M. P., Paiva, K. C. M. D., Santos, J. N., & Dutra, M. R. S. (2018). Estresse, retaliação e percepção de injustiça nas organizações: proposição de modelo teórico integrativo. Cadernos EBAPE. BR, 16(4), 774-787. https://doi.org/10.1590/1679-395167310

Fornell, C., & Larcker, D. F. (1981). Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of marketing research, 18(1), 39-50. https://doi.org/10.1177/002224378101800104

Garcia, P. S. D., Macadar, M. A., & Luciano, E. M. (2018). A influência da injustiça organizacional na motivação para a prática de crimes cibernéticos. JISTEM-Journal of Information Systems and Technology Management, 15. https://doi.org/10.4301/s1807-1775201815002

Ghislieri, C., Martini, M., Gatti, P., & Colombo, L. (2011). The “bright side” of the work-family interface: A brief work-family enrichment scale in a sample of health professionals. TPM–Testing, Psychometrics, Methodology in Applied Psychology, 18(4), 211-230.

Greenberg, J. (1982). Approaching equity and avoiding inequity in groups and organizations. In Equity and justice in social behavior (pp. 389-435). Academic Press. https://doi.org/10.1016/B978-0-12-299580-4.50017-3

Greenberg, J. (1993). The intellectual adolescence of organizational justice: You've come a long way, maybe. Social Justice Research, 6(1), 135-148. https://doi.org/10.1007/BF01048736

Greenberg, J. (1993). The social side of fairness: Interpersonal and informational classes of organizational justice. lustice_in_the_workplace i–Approaching_fairness_in human resource management. Hillsdale, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.

Greenhaus, J. H., & Beutell, N. J. (1985). Sources of conflict between work and family roles. Academy of management review, 10(1), 76-88. https://doi.org/10.5465/amr.1985.4277352

Gu, F., Nolan, J., & Rowley, C. (2020). Organizational justice in Chinese banks: understanding the variable influence of guanxi on perceptions of fairness in performance appraisal. Asia Pacific Business Review, 26(2), 169-189. https://doi.org/10.1080/13602381.2019.1700622

Hair Jr, J. F., Gabriel, M. L. D. D. S., & Patel, V. K. (2014). Modelagem de Equações Estruturais Baseada em Covariância (CB-SEM) com o AMOS: Orientações sobre a sua aplicação como uma Ferramenta de Pesquisa de Marketing. Revista Brasileira de Marketing, 13(2), 44-55.

HAIR, J. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração, 2005.

Hair, J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2010). Análise multivariada de dados. Bookman Editora.

Hartman, S. J., Yrle, A. C., & Galle, W. P. (1999). Procedural and distributive justice: Examining equity in a university setting. Journal of Business Ethics, 20(4), 337-352. https://doi.org/10.1023/A:1006102216883

Höffe, O. (2003). O que é justiça? (Vol. 155). Edipucrs.

Homans, G. C. (1961). Social Behavior: Its Elementary Forms Harcourt. Brace & World, New York.

Judge, T. A., & Colquitt, J. A. (2004). Organizational justice and stress: the mediating role of work-family conflict. Journal of applied psychology, 89(3), 395.

Kline, R. B (2005). Principles and practice of structural equation modeling. New York: The Guilford Press.

Lim, B. T., & Loosemore, M. (2017). The effect of inter-organizational justice perceptions on organizational citizenship behaviors in construction projects. International Journal of Project Management, 35(2), 95-106. https://doi.org/10.1016/j.ijproman.2016.10.016

Lind, E. A., & Tyler, T. R. (1988). The social psychology of procedural justice. New York: PlenumLocke, EA, & Schweiger, DM (1979) Participation in decision-making: One more look. Research in Organizational Behavior, 32(1), 265-339.

Maffia, L. N., & Pereira, L. Z. (2014). Estresse no trabalho: estudo com gestores públicos do estado de minas gerais. REAd. Revista Eletrônica de Administração (Porto Alegre), 20(3), 658-680.

Maissiat, G. D. S., Lautert, L., Pai, D. D., & Tavares, J. P. (2015). Contexto de trabalho, prazer e sofrimento na atenção básica em saúde. Revista Gaúcha de Enfermagem, 36(2), 42-49. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2015.02.51128

Marôco, J. (2010). Análise de Equações Estruturais: Fundamentos teóricos, software & Aplicações. ReportNumber, Lda.

Marôco, J. (2011). Análise estatística com o SPSS Statistics [Statistical analysis with SPSS Statistics]. Pero Pinheiro, Portugal: ReportNumber.

Mendonça, H., & Mendes, A. M. (2005). Experiências de injustiça, sofrimento e retaliação no contexto de uma organização pública do estado de Goiás. Psicologia em estudo, 10(3), 489-498. https://doi.org/10.1590/S1413-73722005000300017

Merton, R. K. (1957). The role-set: Problems in sociological theory. The British Journal of Sociology, 8(2), 106-120.

Molino, M., Bakker, A. B., & Ghislieri, C. (2016). The role of workaholism in the job demands-resources model. Anxiety, Stress, & Coping, 29(4), 400-414. https://doi.org/10.1080/10615806.2015.1070833

Monteiro, A. C. F., & Mourão, L. (2016). Resiliência e justiça organizacional como antecedentes da percepção de desenvolvimento profissional. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(1). https://doi.org/10.1590/0102-37722016012402111121

Monteiro, R., & Daniel, F. (2017). The Influence of Organizational Reconciliation Policies and Culture on Workers Stress Perceptions. Brazilian Administration Review 14(3), 1-13.

Nojani, M. I., Arjmandnia, A. A., Afrooz, G. A., & Rajabi, M. (2012). The study on relationship between organizational justice and job satisfaction in teachers working in general, special and gifted education systems. Procedia-Social and Behavioral Sciences, 46, 2900-2905. https://doi.org/10.1016/j.sbspro.2012.05.586

Oliveira, A. B. S. et al (2003). Métodos e Técnicas de Pesquisa em Contabilidade. São Paulo: Saraiva.

Omar, A. (2006). Justicia organizacional, individualismo-colectivismo y estrés laboral. Psicología y salud, 16(2), 207-217.

Paschoal, T., & Tamayo, Á. (2004). Validação da escala de estresse no trabalho. Estudos de Psicologia (Natal), 9(1), 45-52. https://doi.org/10.1590/S1413-294X2004000100006

Prestes, L. I. N., Mendonça, H., & Ferreira, M. C. (2013). Por que a Percepção de Justiça Organizacional torna os Trabalhadores mais Comprometidos?. Revista Fragmentos de Cultura-Revista Interdisciplinar de Ciências Humanas, 23(3), 319-333. http://dx.doi.org/10.18224/frag.v23i3.2953

Rawls, J. (2008). Uma teoria da justiça. Tradução de Jussara Simões.

Rego, A. (2000). Comportamentos de cidadania organizacional: uma abordagem empírica a alguns dos seus antecedentes e consequências. Comportamento Organizacional e Gestão. v. 6, n. 12, p. 161-197.

Rego, A. (2002). Comprometimento afectivo dos membros organizacionais: o papel das percepções de justiça. Revista de Administração Contemporânea, 6(2), 209-241. https://doi.org/10.1590/S1415-65552002000200012

Rego, A., & Souto, S. (2004). A percepção de justiça como antecedente do comprometimento organizacional: um estudo luso-brasileiro. Revista de administração contemporânea, 8(1), 151-177. https://doi.org/10.1590/S1415-65552004000100008

Rossi A. M.; Perrewé P. L.; Sauter S. L. (Org.) (2005). Stress e qualidade de vida no trabalho. São Paulo: Atlas.

Sadir, M. A., & Lipp, M. E. N. (2009). As fontes de stress no trabalho. Revista de Psicologia da IMED, 1(1), 114-126. https://doi.org/10.18256/2175-5027/psico-imed.v1n1p114-126

Silva, E. P., Minette, L. J., Souza, A. P., Marçal, M. A., & Sanches, A. L. P. (2013). Fatores organizacionais e psicossociais associados ao risco de LER/DORT em operadores de máquinas de colheita florestal. Revista Árvore, 37(5), 889-895. https://doi.org/10.1590/S0100-67622013000500011

Sousa, L. M., Paúl, C., & Queirós, C. (2020). Fadiga por compaixão, burnout e conflito trabalho-família em profissionais de saúde.

Tepper, B. J. (2001). Health consequences of organizational injustice: Tests of main and interactive effects. Organizational behavior and human decision processes, 86(2), 197-215. https://doi.org/10.1006/obhd.2001.2951

Tyler, T. R., Boeckmann, R. J., Smith, H, Huo, A.Y. J. (1997). Social justice in a diverse society. Colorado: Westview Press.

Zille, L. P. (2011). O estresse e os impactos no trabalho na função gerencial: buscando as interfaces da realidade brasileira e portuguesa. In: BARBOSA, A. C.; SILVA, J. R. (Org.). Economia, gestão e saúde. Lisboa: Colibri, p. 137-169.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2021.v11.p01-16.1405

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.