Gestão da Inovação Tecnológica no Exército Brasileiro: estudo de caso do projeto COBRA

Jaisler Gonçalves Arantes, Rodrigo Franklin Frogeri, Pedro dos Santos Portugal Júnior

Resumo


O Exército Brasileiro (EB) vem buscando se atualizar tecnologicamente diante das inovações de Materiais de Emprego Militar (MEM) ocorridas nas últimas décadas. Em virtude das missões que o EB participou como integrante das Forças de Paz das Nações Unidas e a realização de atividades conjuntas com militares de outros países, observou-se uma considerável defasagem dos Materiais de Emprego Militar no EB. O Projeto Combatente Brasileiro (COBRA) foi criado pelo Exército Brasileiro com o objetivo de agilizar o processo de adoção de novas tecnologias, o desenvolvimento de novos uniformes, armamentos e equipamentos individuais ao combatente brasileiro. Nesse contexto, este estudo tem como objetivo compreender e analisar a gestão da inovação tecnológica no projeto COBRA do Exército Brasileiro. Este intento foi conseguido a partir de uma abordagem qualitativa realizada por meio de um estudo de caso, epistemologia interpretativista e lógica indutiva. Realizou-se entrevistas semiestruturadas com responsáveis por todo o gerenciamento físico, financeiro, aquisições e distribuição das entregas do projeto COBRA. Os resultados evidenciaram um alinhamento entre as práticas de gestão da inovação adotadas no projeto e a literatura. Destacou-se das análises que a inobservância de um plano de inovação associado a políticas de Pesquisa e Desenvolvimento é a principal fraqueza das práticas de gestão da inovação praticadas pelo EB.


Palavras-chave


Exército Brasileiro. Projeto COBRA. Inovação Tecnológica. Gestão da inovação.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRANDÃO, Soraya Monteiro; FARIA, Maria De Fátima Bruno. Inovação no setor público: análise da produção científica em periódicos nacionais e internacionais da área de administração. Revista de Administração Pública - RAP, v. 47, n. 1, p. 227-248, 2013.

BRASIL. Estado-Maior do Exército (EME). Portaria nº 220-EME, de 16 de setembro de 2015. Diretriz de Implantação do Projeto Combatente Brasileiro (PrjCOBRA). Brasília: EME, 2015.

BRASIL. Estado-Maior do Exército (EME). Portaria nº 156-eme de 13 de agosto de 2018. Compreensão das Operações (COMOP) nº 03/2018, do Sistema Combatente Brasileiro (COBRA) - EB10-IG-01.002. Brasília: EME, 2018.

CARVALHO, Hélio Gomes de; REIS, Dalcio Roberto dos; CAVALCANTE, Márcia Beatriz. Gestão da Inovação. Curitiba, PR: Aymará Educação, 2011.

CASSIOLATO, José Eduardo; LASTRES, Helena Maria Martins. Sistemas de inovação e desenvolvimento: as implicações de política. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 1, p. 34–45, 2005.

CHIBÁS, F. O.; PANTALEÓN, E. M.; ROCHA, T. A. Gestão da inovação e da criatividade hoje: apontes e reflexões. HOLOS, v. 3, p. 15-26, 2013.

DINIZ, Célia Regina; SILVA, Iolanda Barbosa da. Tipos de métodos e sua aplicação. 21. ed. Campina Grande, Natal: UEPB/UFRN - EDUEP, 2008.

DONATO, José Varela; KUBO, Edson Keyso de Miranda; DOMINGUES, Carlos Roberto. Conflitos e obstáculos operacionais em gestão de projetos inovadores: um estudo empírico. Revista de Administração da UFSM, v. 6, n. 4, p. 740–759, 2013.

DOSI, Giovani. Sources, Procedures and Microeconomics Effects of Innovation. Journal of Economic Literature, v. 26, n. 3, p. 1120-1171, 1987.

ETZKOWITZ, Henry; LEYDESDORFF, Loet. The dynamics of innovation: from National Systems and Mode 2 to a Triple Helix of university – industry – government relations. Research policy, v. 29, p. 109–123, 2000.

ETZKOWITZ, Henry; ZHOU, Chunyan. Triple Helix twins: innovation and sustainability. Science and Public Policy, v. 33, n. 26, p. 77–83, 2006.

FERNANDES, Ligia L. et al. The triple helix approach in the defence industry: a case study at the Brazilian Army. World Review of Science, Technology and Sustainable Development, v. 16, n. 1, 2020.

FROGERI, Rodrigo Franklin; VASCONCELOS, Silmar; FRANÇA, Janaina Soares Silva Pereira; PARDINI, Daniel Jardim; FERREIRA, Daniela Assis Alves. Aprendizagem Organizacional, Gestão do Conhecimento e Capacidades Dinâmicas: proposta de um modelo teórico relacional. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 9, n. 2, p. 24–39, 2019.

GUERRA, Wilson Barbosa. A influência dos avanços tecnológicos no poder naval brasileiro no século XXI. Revista Escola de Guerra Naval, v. 21, n.1, p. 283-298, 2015.

GODOY, Arilda Schmidt. Pesquisa qualitativa. Revista de Administração de Empresas (RAE), São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29, maio/jun, 1995.

KOCH, Per; HAUKNES, Johan. Innovation in the Public Sector. Oslo, Norway: [s.n.], 2005. Disponível em: https://nifu.brage.unit.no/nifu-xmlui/bitstream/handle/11250/226573/d20-innovation.pdf?sequence=1. Acesso em: 20 out. 2020.

LIMA, Flávio da Costa.: O processo decisório para obtenção de materiais de emprego militar no Exército Brasileiro. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2007.

LESKE, Ariela D. C. Interação, inovação e incentivos na indústria de defesa brasileira. Revista Política Hoje, v. 24, n. 1, p. 33-55, 2013.

MANZINI, E. J. A entrevista na pesquisa social. Didática, São Paulo, v. 26/27, p. 149-158, 1990/1991.

RAMALHO, Tarso Souza et al. Analysis of the innovation value chain in strategic projects of the Brazilian Army. Revista de Gestão, v. 26, n. 4, p. 409–428, 2019.

SOARES, Alessandra do Valle Abrahão. Inovação no setor público: obstáculos e alternativas. Revista de Gestão Pública. v. 1, n. 1, jan./jul., p. 101-113. 2018. Disponível em: http://www.egov.df.gov.br/wp-content/uploads/2018/07/revista-1.pdf . Acesso em: 11 nov. 2019.

OCDE. Organização para Cooperação Econômica e Desenvolvimento. Manual de Oslo. Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Brasília: Finep, 2005.

POTTS, Jason. The innovation deficit in public services: the curious problem of too much efficiency and not enough waste and failure. Innovation. Management, Policy & Practice Journal, v. 11, p. 34-43, 2009.

SCHUMPETER Joseph. Alois. Business Cycles. New York: McGraw-Hill, 1939.

SILVA, Edna Lúcia da. E; MENEZES, Estera M. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 3. ed. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 2001.

SILVA, Débora Oliveira da; BAGNO, Raoni Barros; SALERNO, Mario Sergio. Modelos para a gestão da inovação : revisão e análise da literatura. Production, v. 24, n. 2, p. 477-490, 2013.

SIMANTOB, Roberta; LIPPI, Moyses. Guia Valor Econômico de Inovação nas Empresas. 1. ed. São Paulo: Editora Globo, 2003.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

WEBER, Ron. The rhetoric of positivism versus interpretivism: a personal view. MIS Quarterly, v. 28, n. 1, p. 3-12, 2004.

ZOUAIN, Débora Moraes. Gestão de instituições de pesquisa. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2001.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-18.1255

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.