Estratégias para a retomada do desenvolvimento no ciclo de vida de uma empresa de tecnologia da informação

Andrea Cristina Deis Rodrigues, Adilson Caldeira

Resumo


O texto relata a intervenção realizada em uma empresa de serviços em tecnologia da informação. O objetivo do trabalho foi reconfigurar o modelo de negócio para criar valor para os clientes e, também, para os sócios gestores do empreendimento. Procurou-se reverter a tendência de declínio no ciclo de vida da empresa. O trabalho, de caráter intervencionista, segue os procedimentos metodológicos para trabalhos práticos e aplicados propostos por Marcondes, Miguel, Franklin e Perez (2017), que tem por foco a proposição de soluções de problemas e identificação de oportunidades. Em comparação ao panorama inicial, que revelava ineficiência nos processos de comunicação, gerenciamento dos contratos, integração entre áreas, controle de desempenho e de satisfação dos clientes, foi transformado a partir do delineamento de um novo modelo de negócio, considerando as necessidades dos clientes e as condições para ampliar a oferta de valor. Dentre os resultados, destaca-se o despertar da consciência dos gestores para a demanda por recursos, atividades-chave e parcerias estratégicas, o que transformou a capacidade de atendimento ao mercado com autossuficiência econômica e financeira. Ao compartilhar a descrição das soluções encontradas para lidar com elementos como a complexidade relativa à incerteza que cerca o processo decisório, a necessidade de mudar o comportamento de pessoas, a resistência à mudança, os obstáculos de comunicação, espera-se contribuir para o desenvolvimento de outros negócios e também à sociedade em geral, pela consequente ampliação da oferta de empregos e satisfação de necessidades da comunidade.


Palavras-chave


Modelo de negócio. Criação de valor. Desenvolvimento de negócios.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ABES. Associação Brasileira das Empresas de Software. (2017). Recuperado em 12 dez. 2017 de http://www.abessoftware.com.br/dados-do-setor/estudo-2016--dados-2015.

Aken, J. E. van, Berends, H. & Bij, H. van der (2012). Problem-solving in organizations. New York: Cambridge University Press.

Auzair, S.M.; Langfield-Smith, K. (2005). The effect of service process type, business strategy and life cycle stage on bureaucratic MCS in service organizations. Management Accounting Research, 16(4), p. 399-421.

Barreto, D. R., Peba, F. C., Calciolari, A. R. & Almeida, L. S. (2018). Identificação de Riscos Inerentes A Produção De Petróleo Em Águas Profundas Através Da Análise Swot. Revista de Trabalhos Acadêmicos Lusófona, 1(1).

Biancolino, C. A., Kniess, C. T., Maccari, E. A., & Rabechini Jr., R. (2012). Protocolo para elaboração de relatos de produção técnica. Revista de Gestão e Projetos, 3(2), p. 294-307.

Brozovic, D., Nordin, F. and Kindström, D. (2016). Service flexibility: conceptualizing value creation in service. Journal of Service Theory and Practice, 26(6), p. 868-888.

Correia, R. B., Gomes, S. M. S., Bruni, A. L., & Albuquerque, K. S. L. S. (2019). Um estudo empírico sobre ciclo de vida e estágios organizacionais. Revista de Administração e Contabilidade da FAT, 8(2).

Dávila, T. (2005). An exploratory study on the emergence of management control systems: formalizing human resources in small growing firms. Accounting, Organizations and Society, 30(3), p. 223-248.

Frezatti, F., Relvas, T. R. S., Nascimento, A. R., Junqueira, E. R., & Bido, D. S. (2010). Perfil de planejamento e ciclo de vida organizacional nas empresas brasileiras. Revista de Administração, 45(4), 383-399.

Granlund, M.; Taipaleenmäki, J. (2005). Management control and controllership in new economy: firms – a life cycle perspective. Management Accounting Research, 16(1), p. 21-57.

Gronhaug, K.; Olson, O. (1999). Action research and knowledge creation: merits and challenges. Qualitative Market Research: An International Journal, 2(1), p. 6–14.

Ishikawa, K. (1993). Controle de qualidade total à maneira japonesa. Rio de Janeiro: Campus.

Johnson, G., Scholes, K., & Whittington, R. (2007). Explorando a estratégia corporativa: textos e casos. Porto Alegre: Bookman.

Johnson, M. W., Kagermann, H., & Christensen, C. M. (2015). Reinvente seu modelo de negócios. Harvard Business Review. Recuperado em 01 abr. 2019 de http://hbrbr.uol.com.br/reinvente-seu-modelo-de-negocios/

Jönsson, S.; Lukka, K. (2007). There and back again: doing interventionist search in management accounting. In: Chapman, C. S.; Hopwood, A. G & Shields, M. D. (Eds.). Handbook of Management Accounting Research. 1(1), pp. 373-397.

Keller, A., & Ludwig, H. (2003). O framework WSLA: Especificando e monitorando acordos de nível de serviço para serviços da web. Revista de Rede e Gestão de Sistemas, 11(1), p. 57-81.

Kim, W. C., & Mauborgne, R. (2005). A estratégia do Oceano Azul: como criar novos mercados e tornar a concorrência irrelevante. Rio de Janeiro: Elsevier.

Lester, D.; Parnell, J.A.; Carraher, S. (2003). Organizational life cycle: a five-stage empirical scale. The International Journal of Organizational Analysis, Oct-Dec 2003, 11 (4), pp.339-354.

Marcondes, R. C., Miguel, L. A. P., Franklin, M. A., & Perez, G. (2017). Metodologia para elaboração de trabalhos práticos e aplicados: administração e contabilidade. São Paulo: Editora Mackenzie.

Mayer, K. (2009). Construct validity and other empirical issues in transaction cost economics research. In: Bergh, D. & Ketchen, D. (Ed.) Research Methodology in Strategy and Management (Research Methodology in Strategy and Management, Vol. 5). Bingley: Emerald Group Publishing Limited, p. 213-236.

Moreira, L. V. M., & Frezatti, F. (2019). O papel do sistema de controle Gerencial na transição entre estágios do ciclo de vida organizacional em uma empresa Familiar. Revista Universo Contábil, 15(1), 65-84.

Osterwalder, A., & Pigneur, Y. (2010). Business model generation: inovação em modelos de negócios. Rio de Janeiro: Alta Books.

Oyadomari, J. C. T.; Silva, P. L.; Mendonça Neto, O. R., & Rícino, E. L. (2014). Pesquisa intervencionista: um ensaio sobre as oportunidades e riscos para pesquisa brasileira em contabilidade gerencial. Advances in Scientific and Applied Accounting, 7(2), p. 244-265.

Porter, M. E., & Kramer, M. R. (2009). Estratégia e Sociedade: o vínculo entre vantagem competitiva e responsabilidade social nas empresas. In: Porter, M. E. Competição. Rio de Janeiro: Campus/Elsevier, pp. 437-510.

Rauen, F. J. (2015). Roteiros de iniciação científica: os primeiros passos da pesquisa científica desde a concepção até a produção e a apresentação. Palhoça: Editora Unisul.

Ribeiro, R. V. (2016). Estratégia empresarial e de recursos humanos. Curitiba: IESDE Brasil S. A.

Sarto, V. H. R., & Almeida, L. T. (2015). A teoria de custos de transação: uma análise a partir das críticas evolucionistas. Revista Iniciativa Econômica, 2(1). pp25.

Shervani, T.A.; Frazier, G & Challagalla, G. (2007). The moderating influence of firm market power on the transaction cost economics model: an empirical test in a forward channel integration context. Strategic Management Journal, 28(1), p. 635-52.

Simon, H. A. (1957). Models of man: social and rational; mathematical essays on rational human behavior in society setting. New York: John Wiley & Sons.

Stone, M., Aravopoulou, E., Evans, G., Aldhaen, E. and Parnell, B. (2019). From information mismanagement to misinformation – the dark side of information management, The Bottom Line, 32(1), p. 47-70.

Suárez-Barraza, M. and Rodríguez-González, F. (2019). Cornerstone root causes through the analysis of the Ishikawa diagram, is it possible to find them? A first research approach. International Journal of Quality and Service Sciences, 11(2), p. 302-316.

Suomala, P.; Lylyvrjänäinen, J. (2010). Interventionist management accounting research: lessons learned. Research Executive Summaries, 6(1), p. 1-9.

Vandenbosch, B. (2003). Designing solutions for your business problems: a structured process for managers and consultants. San Francisco: Jossey-Bass.

Westin, O.; Roberts, H. I. (2010). Interventionist research – the puberty years: an introduction to the special issue. Qualitative Research in Accounting & Management, 7(1), p. 5-12.

Williamson, O. (1991). Comparative economic organization: The analysis of discrete structural alternatives. Administrative Science Quarterly, Ann Harbor, 36(1), p. 269-296.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-15.1225

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.