Matriz tecnológica do setor de máquinas e equipamentos no estado de Santa Catarina: uma análise a partir de elementos neoschumpeterianos

William José Borges, Alexandre Zammar, Daiane Aparecida de Melo Heinzen, Maria Eduarda Formigari, Gustavo Luiz Monteiro, Guilherme Martins Mernick

Resumo


Levando-se em consideração a dimensão que as máquinas e equipamentos alcançaram mundialmente e a importância deste setor para o estado de Santa Catarina, a presente pesquisa busca caracterizar a matriz tecnológica do setor industrial de máquinas e equipamentos, realizando um recorte temporal no ano de 2019. A amostra se deu por representatividade, dividindo o território catarinense em 6 mesorregiões (Metropolitana, Norte, Oeste, Planalto Serrano, Sul e Vale do Itajaí). Buscou-se descrever as perspectivas dos entrevistados no contexto da inovação e desenvolvimento tecnológico. A abordagem permitiu coletar múltiplas fontes de evidências e descrever o processo de desenvolvimento da inovação em Santa Catarina, formando assim um rico arcabouço de informações. A pesquisa contou com 7 microempresas, 8 empresas pequenas, 6 empresas médias e 6 empresas grandes, totalizando 27 entrevistas semiestruturadas com agentes-chave. Concluiu-se que na maioria dos casos, ocorre uma ação reativa quando da busca e seleção de inovação, observou-se ainda, que há relação entre a formação do colaborador e a função exercida dentro da organização. Quanto às rotinas, conclui-se que tanto as formais quanto as informais objetivam institucionalizar o conhecimento, perpetuar ações que geram benefícios à empresa, prospectar ações de busca e seleção e fortalecer a melhoria contínua. De forma complementar, a existência de 5 tipos de parcerias externas dentro do ecossistema analisado, sendo elas: clientes, fornecedores, entidades que promovem especialização da mão de obra e assessoria, universidades e entidades que fornecem crédito.


Palavras-chave


Inovação. Setor Industrial de Máquinas e Equipamentos. Desenvolvimento.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


AGHION, Philippe et al. The effects of entry on incumbent innovation and productivity. The Review of Economics and Statistics, v. 91, n. 1, p. 20-32, 2009.

ALMUDI, Isabel et al. Absorptive capacity of demand in sports innovation. Economics of Innovation and New Technology, v. 27, n. 4, p. 328-342, 2018.

BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Editora Vozes Limitada, 2017.

BEN YAHMED, Sarra; DOUGHERTY, Sean. Domestic regulation, import penetration and firm-level productivity growth. The Journal of International Trade & Economic Development, v. 26, n. 4, p. 385-409, 2017.

BEKHET, Hussain Ali; LATIF, Nurul Wahilah Abdul. The impact of technological innovation and governance institution quality on Malaysia's sustainable growth: Evidence from a dynamic relationship. Technology in Society, v. 54, p. 27-40, 2018.

BERGEK, Anna et al. Technological innovation systems in contexts: Conceptualizing contextual structures and interaction dynamics. Environmental Innovation and Societal Transitions, v. 16, p. 51-64, 2015.

BODROŽIĆ, Zlatko; ADLER, Paul S. The evolution of management models: A neo-Schumpeterian theory. Administrative Science Quarterly, v. 63, n. 1, p. 85-129, 2018

BORGES, William Jose; CARIO, Silvio Antônio Ferraz; SOUZA, Jose Paulo de. Análise da conformação da trajetória tecnológica de máquinas e equipamentos agrícolas, a partir da perspectiva teórica neo-schumpeteriana. Revista Economia Ensaios, Uberlandia, v. 33, n. 1, p. 158-187, 2018.

CARLSSON, Benny; STANKIEWICZ, Rikard. On the nature, function and composition of technological systems. Journal of evolutionary economics, v. 1, n. 2, p. 93-118, 1991.

DOSI, Giovanni. Technological paradigms and technological trajectories: a suggested interpretation of the determinants and directions of technical change. Research policy, v. 11, n. 3, p. 147-162, 1982.

DOSI, Giovanni. Sources, procedures, and microeconomic effects of innovation. Journal of economic literature, v. 26, n. 3, p. 1120-1171, Sept. 1988.

FREEMAN, Christopher; PEREZ, Carlota. Structural crises of adjustment: business cycles. Technical change and economic theory. Londres: Pinter, 1988.

GARCIA, Rosanna; CALANTONE, Roger. A critical look at technological innovation typology and innovativeness terminology: a literature review. Journal of Product Innovation Management: An International Publication of the Product Development & Management Association, v. 19, n. 2, p. 110-132, 2002.

GOMES, Romeu. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 2016. p. 79-108.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Industrial Anual. Rio de Janeiro: IBGE, 2015.

INCE, Huseyin; IMAMOGLU, Salih Zeki; TURKCAN, Hulya. The effect of technological innovation capabilities and absorptive capacity on firm innovativeness: a conceptual framework. Procedia-Social and Behavioral Sciences, v. 235, p. 764-770, 2016.

INPI - INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Indicadores de Propriedade Industrial. Rio de Janeiro: INPI, 2018.

LOPES, Herton Castiglioni. O modelo estrutura-conduta-desempenho e a teoria evolucionária neoschumpeteriana: uma proposta de integração teórica. Revista de Economia Contemporânea, v. 20, n. 2, p. 336-358, 2016.

MALERBA, Franco. Learning by firms and incremental technical change. The economic journal, v. 102, n. 413, p. 845-859, 1992.

MARCONI, Marina de Andrade. Metodologia de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2004.

MARKARD, Jochen. The life cycle of technological innovation systems. Technological Forecasting and Social Change, v. 153, p. 119407, 2018.

MARKARD, Jochen; TRUFFER, Bernhard. Technological innovation systems and the multi-level perspective: Towards an integrated framework. Research policy, v. 37, n. 4, p. 596-615, 2008.

NELSON, R. R.; WINTER, S. G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Campinas: Editora Unicamp, 2005.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. A criação do conhecimento na empresa. São Paulo: Campus, 1997.

OECD. Technology intensity definition. [2011]. Disponível em: https://www.oecd.org/sti/ind/48350231.pdf. Acesso em: 20 jul. 2020.

PRETTO, Nelson. Educação e inovação tecnológica: um olhar sobre as políticas públicas brasileiras. Revista Pedagógica, v. 5, n. 11, p. 65-84, 2018.

ROBERT, Verónica; YOGUEL, Gabriel; LERENA, Octavio. The ontology of complexity and the neo-Schumpeterian evolutionary theory of economic change. Journal of Evolutionary Economics, v. 27, n. 4, p. 761-793, 2017.

TORRECILLAS, Celia; FISCHER, Bruno B.; SÁNCHEZ, Andrea. The dual role of R&D expenditures in European Union’s member states: Short-and long-term prospects. Innovation: The European Journal of Social Science Research, v. 30, n. 4, p. 433-454, 2017.

VALVERDE, Rosembergue. Descontinuidades produtivas e tecnológicas na estrutura industrial da economia brasileira. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 47, n. 4, p. 713-740, 2017.

WANG, Rui et al. (2016). Analysis on the behavior characteristics of technological innovation based on cultural perspective. In: International Conference on Management Science and Engineering (ICMSE), Olten, Suiça, 2016. Proceedings […]. Olten, Suiça: IEEE, 2016. p. 576-581.

WEGRICH, Kai. The blind spots of collaborative innovation. Public Management Review, v. 21, n. 1, p. 12-20, 2019.

Yin, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso Editora, 2016.

ZAWISLAK et al.. Influences of the internal capabilities of firms on their innovation performance: a case study investigation in Brazil. International Journal of Management, v. 30, n. 1, p. 329 - 348, 2013.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-20.1205

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.