Políticas públicas para inovação: um estudo da metodologia de gestão da inovação na indústria em Alagoas

Danielle Ferreira Melo, Luciana Peixoto Santa Rita, Reynaldo Rubem Ferreira Junior, Josealdo Tonholo, Eliana Maria de Oliveira Sá

Resumo


A importância direcionada ao tema da gestão da inovação cresce no âmbito do desenvolvimento das políticas públicas. Este estudo tem como objetivo geral analisar a relação entre o uso de instrumentos de políticas públicas de inovação e a Gestão da Inovação (GI) no setor industrial do estado de Alagoas. Especificamente, almeja analisar o desempenho das indústrias em relação ao desenvolvimento de uma metodologia de GI, examinar a maturidade de empresas industriais quanto às práticas de GI e mapear os instrumentos de políticas públicas acessados por essas indústrias. Dessa forma, utilizou-se, quanto aos objetivos, a pesquisa exploratória e descritiva, com a abordagem qualiquantitativa. Trata-se de um estudo realizado com  19 (dezenove) indústrias participantes do projeto de GI, tendo como unidades de investigação indústrias. Sobre os resultados encontrados, a participação no projeto e a metodologia de GI utilizada possibilitou novas práticas nas unidades estudadas. Identificou-se que há uma relação indireta entre o acesso aos instrumentos de políticas públicas e a GI nas empresas. Constatou-se, ainda, que o projeto contribuiu para o entendimento da importância da GI.  Por fim, os resultados apontaram que o acesso das indústrias aos instrumentos de políticas públicas, do total das dezenove empresas pesquisadas, é limitado, pois apenas três utilizaram os instrumentos mencionados.


Palavras-chave


Políticas Públicas. Inovação. Gestão da Inovação.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ANDREONI, Antonio. Structural Learning: Embedding Discoveries and the Dynamics of Production. Structural Change and Economic Dynamics, Amsterdã, v. 29, p. 58-74, 2013.

AVELLAR, Ana P. et al. Avaliação de impacto de programas de incentivos fiscais à inovação: um estudo sobre os efeitos do PDTI no Brasil. Economia, Uberlândia, v. 9, n. 1, p. 143-164, 2008.

AVELLAR, Ana P.; BOTELHO, Marisa R. Políticas de apoio à inovação em pequenas empresas: evidências sobre a experiência brasileira recente. Economia e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 2, p. 379-417, ago. 2015.

BARBIERI, J. C.; ÁLVARES, A. C. T. Sixth Generation Innovation Model: Description of a Success Model. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v.13 , n.2 , p.88-112, abr./jun.2016.

BERKHOUT, A. J. et al. Innovating the innovation process. International Journal of Technology Management, Erlangen, v. 34, n. 3-4, p. 390-404, 2006.

BISNETO, José P. M.; LINS, Olga B. S M. Gestão da inovação: uma aproximação conceitual. Revista Brasileira de Gestão e Inovação, Cruz das Almas, v. 3, n. 2, p. 86-109, 2015.

BORRÁS, Susana; EDQUIST, Charles. The Choice of Innovation Policy Instruments. Technological Forecasting and Social Change, Frederiksberg, v. 80, n. 8, p. 1513-1522, 2013.

BRASIL. Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, [2004] Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm. Acesso em: 5 jun. 2018.

BRASIL. Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação e altera a Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004, a Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980, a Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, a Lei nº 12.462, de 4 de agosto de 2011, a Lei nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993, a Lei nº 8.958, de 20 de dezembro de 1994, a Lei nº 8.010, de 29 de março de 1990, a Lei nº 8.032, de 12 de abril de 1990, e a Lei nº 12.772, de 28 de dezembro de 2012, nos termos da Emenda Constitucional nº 85, de 26 de fevereiro de 2015. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm. Acesso em: 5 jun. 2018.

CALANTONE, R. J.; CAVUSGIL, S. T.; ZHAO, Y. Learning orientation, firm innovation capability, and firm performance. Industrial Marketing Management, East Lansing, vol. 31, n. 6, p. 515–524, 2002.

CASTELA, Bernardo M. S.; FERREIRA, Fernando. A. F.; FERREIRA, João J. M.; MARQUES, Carla S. E. Assessing theinnovation capability of small-and medium-sized enterprises using anon-parametric and integrative approach. Management Decision, Lisbon, vol. 56, n. 6, p. 1365-1383, 2018.

CANONGIA, Claudia et al. Foresight, inteligência competitiva e gestão do conhecimento:

instrumentos para a gestão da inovação. Gestão e Produção, São Carlos, v. 11, n. 2, p. 231-238, ago. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/gp/v11n2/a09v11n2.pdf. Acesso em: 24 jul. 2018.

CLARK, K. B.; WHEELWRIGHT, S. C. Revolutionizing Product Development: Quantum Leaps in Speed, Efficiency, and Quality, New York, 1992.

CNI. Cartilha: gestão da inovação. Brasília: CNI, MEI, 2010. Disponível em: http://www.ipdeletron.org.br/wwwroot/pdf-publicacoes/8/cartilha_gestao_inovacao_cni.pdf. Acesso em: 30 jul. 2018.

CNI. Desempenho do Brasil no índice global de inovação 2011-2017. Brasília: CNI, 2017. Disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/publicacoes/2017/8/desempenho-do-brasil-no-indice-global-de-inovacao-2011-2017/. Acesso em: 9 set. 2018.

CNI. O marco legal e os gargalos da Lei nº 13.243 de 2016. Brasília: CNI, 2018. Disponível em: http://www.portaldaindustria.com.br/publicacoes/2018/3/o-estado-da-inovacao-no-brasil-mei-2018-marco-legal-de-inovacao/. Acesso em: 8 set. 2018.

COADA, Alex et al. Innovation and industrial dynamics. Structural Change and Economic Dynamics, Lima, v. 50, p. 126-131, 2019.

COOPER, R. G. Third-Generation New Product Processes. Journal of Product Innovation Management, v. 11, p. 3-14, 1994.

COOPER, R. G. Perspective: The Stage-Gate (R) idea-tolaunch process-update, what’s new, and NexGen systems. Journal of Product Innovation Management, v. 25, n. 3, p. 213-232, 2008.

DANCEY, Christine P.; REIDY, John. Estatística sem matemática para psicologia. Porto Alegre: Penso, ed. 5, 2013.

DE MARTINO, M.; MAGNOTTI, F. The innovation capacity of small food firmsin Italy. European Journal of Innovation Management, vol. 21, n.3, p. 362–383, 2018.

DICKEL, Deise G.; MOURA, Gilnei L. Organizational performance evaluation in intangible criteria: a model based on knowledge management and innovation management. RAI Revista de Administração e Inovação, v. 13, n. 3, p. 211-220, 2016.

DOSI, Giovanni et al. Innovation and the evolution of firms. In: DOSI, Giovanni et al. Technical change and economic theory. Laboratory of Economics and Management (LEM), Pisa, Italy: Sant'Anna School of Advanced Studies, 1988. p. 219-308.

DOCHERTY, Michel. Primer on open innovation: principles and practice. PDMA Visions, v. 30, n. 2, p. 13-17, 2006.

DUTTA, Soumitra; LANVIN, Bruno; WUNSCH-VINCENT, Sacha. The global innovation index 2015: effective innovation policies for development. Genebra: Cornell Wuniversity, Insead e Wipo, 2015.

EDMONDSON, Duncan L.; KERN, Florian; ROGGE, Karoline S. The co-evolution of policy mixes and socio-technical systems: towards a conceptual framework of policy mix feedback in sustainability transitions. Research Policy, v. 48, n. 10, mar. 2018.

FINEP. Fundos setoriais: O que são fundos setoriais. [2018]. Disponível em: http://www.finep.gov.br/a-finep-externo/fontes-de-recurso/fundos-setoriais/o-que-sao-fundos-setoriais. Acesso em: 10 set. 2018.

FREITAS FILHO, Fernando Luiz. Gestão da inovação: teoria e prática para implantação. Santa Catarina: Editora Atlas SA, 2013.

FREITAS FILHO, Fernando Luiz; CAMPOS, Thaise; SOUZA, João Artur de. Avaliação do grau de inovação do processo de gestão de pessoas em uma empresa fabricante de eletrodomésticos. Strategic Design Research Journal, Santa Catarina, v. 8, n. 2, 2015.

FREEMAN, C, Technology policy and economic performance: lessons from Japan, London: Pinter, 1987.

GOMES, Vanessa C. et al. Os fundos setoriais e a redefiniçao do modelo de promoção de ciência, tecnologia e inovação no Brasil: uma análise à luz do CT-Agro. Rev. Adm., São Paulo, v. 50, n. 3, p. 353-368, 2015.

JAUMOTTE, Florence; PAIN, Nigel. An overview of public policies to support innovation. Organisation for Economic Co-operation and Development, Paris, n. 456, 2005.

HAIR JR, Joseph et al. Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HANSEN, M. T.; BIRKINSHAW, J. The innovation value chain. Harvard Business Review, v. 85, n. 6, p. 121-130, 2007.

INSTITUTO EUVALDO LODI DE SANTA CATARINA. A metodologia NUGIN de Gestão da Inovação. [2011]. Disponível em: https://www.unochapeco.edu.br/static/data/portal/downloads/1071.pdf. Acesso em: 1 set. 2019.

KANNEBLEY JR, Sergio; PORTO, Geciane. Incentivos fiscais à pesquisa, desenvolvimento e inovação no Brasil: uma avaliação das políticas recentes. São Paulo: Banco Interamericano de Desenvolvimento, 2012.

KERNA, Florian; ROGGE, Karoline; HOWLETTD, Michael. Policy mixes for sustainability transitions: New approaches and insightsthrough bridging innovation and policy studies. Research Policy, v. 48, n. 10, jul. 2019.

LAWSON, B.; SAMSON, D. Developing innovation capability inorganisations: a dynamic capabilities approach. International Journal of Innovation Management, v. 5, n. 3, p. 377–400, 2001.

LIN, H. F. Knowledge sharing and firm innovation capability: An empiricalstudy. International Journal of Manpower, v. 28, n. 3-4, p. 315–332, 2007.

LIYANAGE, Shantha; GREENFIELD, Paul F; DON, Robert. Towards a fourth generation R&D management model-research networks in knowledge management. International journal of technology management, v. 18, n. 3-4, p. 372-393, 1999.

LUNDVALL, B. A. National systems of innovation: towards a theory of innovation and interactive learning. London: Pinter, 1992.

KAHN, Kennethe B. Understanding innovation. Business Horizons, v. 61, n. 3, p. 453-460, 2018.

MCTIC. Estratégia nacional de ciência, tecnologia e inovação 2016-2022. Brasília: MCTIC, 2016.

MILLER, William L. Innovation for Business Growth. Research-Technology Management, vol. 44, n. 5, p. 26-41, 2001.

NEGRI, Fernanda. Por uma nova geração de políticas de inovação no Brasil. In: TURCHI, Lenita Maria; MORAIS, José Mauro. Políticas de Apoio à Inovação Tecnológica no Brasil: avanços recentes, limitações e propostas de ações. Brasília: Ipea, 2017. p. 25-46.

NELSON, R. National Innovation Systems: A Comparative Analysis, New York: Oxford University Press, 1993.

OECD. OECD Science, Technology and Innovation Outlook 2016. Paris: OECD Publishing, 2016.

PARANHOS, Julia; CATALDO, Bruna; PINTO, Ana Carolina A. Criação, institucionalização e funcionamento dos núcleos de inovação tecnológica no brasil: características e desafios. Revista Eletrônica de Administração, v. 24, n. 2, p. 253-280, 2018.

PALADINO, G. Introdução. In: FAYET, E. A. (org.). Gerenciar a inovação: um desafio para as empresas. Curitiba: IEL (PR), 2010. cap. 1.

PRODANOV, Cleber C.; FREITAS, Ernani C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Rio Grande do Sul: Editora Feevale, 2013. 277 p.

ROGGE, K.S.; REICHARDT, K. Policy mixes for sustainability transitions: an extended concept and framework for analysis. Research Policy, v. 45, n. 8, p. 1620-1635, 2016.

SALERNO, Mario S.; KUBOTA, Luis C. Estado e inovação. In: SALERNO, Mario S.; KUBOTA, Luis C. Políticas de inventivo à inovação tecnológica no país. Brasília: Ipea, 2008. p. 13-64.

SANTA RITA, Luciana, P.; FERREIRA JUNIOR. F, J; SÁ, Eliana, M. O. Estimativa do índice de competitividade da indústria: o caso de Alagoas. RAI - Revista de Administração e Inovação, v. 10, n. 4, p. 136-163, 2013.

SCHUMPETER, A Joseph. Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural, 1982.

SAUNILA, Minna. Innovation capability in SMEs: A systematic review of the literature. Journal of Innovation & Knowledge, 2019.

SCHOT, J.; STEINMUELLER, W. E. Three frames for innovation policy: R&D, systems of innovation and transformative change. Research Policy, v. 47, n. 9, p. 1554-1567, 2018.

TEZA, Pierry et al. Ideias para a inovação: um mapeamento sistemático da literatura. Gest. Prod., São Carlos, v. 23, n. 1, p. 60-83, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/gp/v23n1/en_0104-530X-gp-0104-530X1454-14.pdf. Acesso em: 12 mar. 2018.

TIDD, Joe; BESSANT, John. Gestão da inovação. Porto Alegre: Bookman, 2015, ed. 5.

TIDD, Joe; BESSANT, John; PAVITT, Keith. Managing innovation integrating technological, market and organizational change. England: John Wiley and Sons Ltd, 2008.

TIGRE, P. B. Gestão da Inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, 2006.

TURCHI, Lenita M.; MORAIS, José M. Políticas de apoio à inovação tecnológica no Brasil: avanços recentes, limitações e propostas de ações. Brasília: Ipea, 2017.

ZAWISLAK, P. A. et al. Types of innovation in low-technology firms of emerging markets: an empirical study in Brazilian Industry. Revista de Administração e Inovação, 10, n. 1, p. 212-231, 2013.

ZEN, Aurora Carneiro et al. Rota da inovação: uma proposta de metodologia de gestão da inovação. Revista de administração contemporânea. vol. 21, n. 6, p. 875-892, 2017.

ZHENG, Y., LIU, J.; GEORGE, G. The dynamic impact of innovative capabilityand inter-firm network on firm valuation: A longitudinal study ofbiotechnology start-ups. Journal of Business Venturing, v. 25, n. 6, p. 593–609, 2010.

WIECZOREK, Anna J.; HEKKERT, Marko P. Systemic instruments for systemic innovation problems: a framework for policy makers and innovation scholars. Science and Public Policy, v. 39, n. 1, p. 74-87, 2012.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-20.1152

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.