Estudo sobre as relações entre gerenciamento de riscos em projetos, gestão do conhecimento e tomada de decisões

Napolitano Rodrigues Napolitano, Marcelo Albano, Marcos Antonio Gaspar, Renato José Sassi

Resumo


Muitas organizações são constantemente estimuladas a inovar em seus processos, produtos e serviços, diferenciando-se da concorrência para conquistar a preferência dos clientes. Uma das formas de inovar é a consecução de projetos que buscam renovar-se frente ao mercado. Não obstante, a gestão desses projetos é necessária para o desenvolvimento de conhecimentos que possam ser utilizados na gestão dos riscos em projetos desenvolvidos pelas empresas. Nesse contexto apresentado, formulou-se a seguinte questão de pesquisa: Quais as relações teóricas entre os processos de gerenciamento de riscos em projetos, da gestão do conhecimento e da tomada de decisão? E, no intuito de responder tal questão, estabeleceu-se o objetivo que foi analisar as relações teóricas entre o gerenciamento de riscos em projetos, gestão do conhecimento e a tomada de decisões, por meio da análise da produção acadêmica sobre estes três elementos. Para tanto, foi realizada uma pesquisa aplicada de caráter exploratório. Em primeiro lugar foram analisadas as estruturas dos três construtos propostos pelos principais autores, para identificar as relações entre elementos constituintes. Em uma segunda etapa, foi realizado um estudo bibliométrico para confirmar as relações identificadas na produção acadêmica. Como resultado, identificaram-se relações teóricas reunidas em um modelo conceitual que apresenta as principais variáveis e respectivos componentes da temática pesquisada. Além disso, o modelo proposto também agrupa as variáveis e respectivos componentes, proporcionando uma visão abrangente das inter-relações existentes entre os temas enfocados, até então independentes entre si, verificou-se também que existem poucas pesquisas sobre o tema, sendo uma problemática que merece atenção de trabalhos futuros.


Palavras-chave


Gerenciamento de Projetos; Gerenciamento de Riscos em Projetos; Gestão do Conhecimento; Tomada de Decisão; Análise Bibliométrica.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Aria, M., & Cuccurullo, C. (2017). Bibliometrix: An R-tool for comprehensive science mapping analysis. Journal of Informetrics, 11(4), 959-975.

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of management, 17(1), p. 99-120.

Bernoulli, D. (1954). Specimen theoriae novae de mensura sortis, (Sommers, L., Trad.). Econometrica, 22, p. 23-36.

Brereton, P., Kitchenham, B. A., Budgen, D., Turner, M., & Khalil, M. (2007). Lessons from applying the systematic literature review process within the software engineering domain. Journal of systems and software, 80(4), 571-583.

Cagliano, A. C., Grimaldi, S., & Rafele, C. (2015). Choosing project risk management techniques. A theoretical framework. Journal of Risk Research, 18(2), 232-248.

Carvalho, M. M.; Rabechini Junior, R. (2015). Impact of risk management on project performance: the importance of soft skills. International Journal of Production Research, 53(2), p. 321-340.

Centobelli, P., Cerchione, R., Esposito, E. (2017). Efficiency and effectiveness of knowledge management systems in SMEs. Production Planning & Control, 30(9), p. 779-791.

Ceptureanu, S. I., Ceptureanu, E. G., Olaru, M., Popescu, D. I. (2018). An exploratory study on knowledge management process barriers in the oil industry. Energies, 11(8), p. 1-15.

Conrow, E. H. (2003). Effective risk management: Some keys to success (2nd. ed.). Reston, Virginia: American Institute of Aeronautics and Astronautics, Inc.

Cooper, D., Grey, S., Raymond, G., Walker, P. (2005). Project management guidelines: Managing risk in large projects and complex procurements. Chinchester, West Sussex, England: John Wiley & Sons ltd.

Da Silva Nascimento, L., De Sousa Júnior, J. H. (2019). Relacionando capital intelectual, gestão do conhecimento e sustentabilidade: um modelo conceitual. Navus-Revista de Gestão e Tecnologia, 9(2), 92-104.

Dalkir, K. (2017). Knowledge management in theory and practice (3rd. ed.). Routledge.

Dean Jr., J.; Sharfman, M. (1993). Procedural rationality in the decision-making process. Journal of Management Studies, 30(4), p. 587-610.

Dean Jr., J.; Sharfman, M. (1996). Does decision process matter? A study of strategic decision-making effectiveness. Academy of Management Journal, 39(2), p. 368-392.

Eisenhardt, K. M. (1989). Making fast strategic decisions in high-velocity environments. Academy of Management Journal, 32(3), p. 543-576.

Eisenhardt, K. M., Santos, F. M. (2006).Knowledge-based view of the firm: a new theory of strategy? In: Petigrew. A., Thomas, H.; Whittington, R. (eds.). Handbook of strategy and management. New York: Sage.

Fioravanti, V. S. L., & Macau, F. R. (2017). Um modelo conceitual para o processo de transferência do conhecimento em cluster. Navus: Revista de Gestão e Tecnologia, 7(1), 111-134.

Ferraresi, A. A., Santos, S. A. dos. (2014). Os impactos da gestão do conhecimento na orientação estratégica, na inovatividade e nos resultados organizacionais: uma survey com empresas instaladas no Brasil. Revista de Administração Mackenzie, 15(2).

Gil, A. C. (2005). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Grant, R. M. (1996). Toward a knowledge‐based theory of the firm. Strategic Management Journal, 17(2), p. 109-122.

Guillemette, M.; Laroche, M.; Cadieux, J. (2014). Defining decision making process performance: Conceptualization and validation of an index. Information & Management, 51(6), p. 618-626.

Heath, C.; Tversky, A. (1991). Preference and belief: Ambiguity and competence in choice under uncertainty. Journal of Risk and Uncertainty, 4(1), p. 5-28.

Ibbs, C. W., & Kwak, Y. H. (2000). Assessing Project management maturity. Project Management Journal, 31(1), 32-43.

Ilevbare, I. M.; Probert, D.; Phaal, R. (2014). Towards risk-aware roadmapping: Influencing factors and practical measures. Technovation, 34(8), p. 399-409.

Johansson, C.; Hicks, B.; Larsson, A.; Bertoni, M. (2011). Knowledge maturity as a means to support decision making during product‐service systems development projects in the aerospace sector. Project Management Journal, 42(2), p. 32-50.

Kerzner, H. (2011). Gerenciamento de projetos - Uma abordagem sistêmica para planejamento, programação e controle (10a.ed., Gama Neto, J. & Prado, J. Trads.) São Paulo, SP, Brasil: Edgard Blucher Ltda.

Keynes, J. M. (1921). A Treatise on Probability. Milton Keynes: Lightining Source.

Knigth, F. H. (1921). Risk, Uncertainty, and Profit. Boston: Hougthon Miffilin & Co.

March, J. G. (1991). How decisions happen in organizations. Human-computer intere action, 6, p. 95-117.

Martins, G. A.; Theóphilo, C. R. (2010). Metodologia da Investigação Cientifica. São Paulo: Atlas.

Nonaka, I.; Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação (2a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Nonaka, I.; Toyama, R. (2007). The knowledge-creating theory revisited: knowledge creation as a synthesizing process. Knowledge Management Research & Practice, 1(1), p. 2-10.

Paré, G., Trudel, M. C., Jaana, M.,Kitsiou, S. (2015). Synthesizing information systems knowledge: A typology of literature reviews. Information & Management, 52(2), 183-199.

Penrose, E. (1959). The theory of the growth of the firm. New York: Oxford University Press.

Peteraf, M. A. (1993). The cornerstones of competitive advantage: A resource‐based view. Strategic Management Journal, 14(3), p. 179-191.

PMI. (2017). Um guia do conhecimento em gerenciamento de projetos - PMBOK GUIDE (6. ed.). Project Management Institute, Inc. Newton Square, PA.

Rabechini Jr, R.; Carvalho, M. M. (2012). Relacionamento entre gerenciamento de risco e sucesso de projetos. Revista Produção, [online].

Rabechini Jr, R.; Carvalho, M. M. (2015). Understanding the impact of project risk management on project performance: an empirical study. Journal of Technology Management & Innovation, 8, p. 6-6.

Radner, R. (1975). Satisficing. Journal of Mathematical Economics, 2, p. 253-262.

Raiffa, H. (1977). Teoria da decisão. São Paulo SP: Editora Vozes/USP.

Ramsey, F. P. (1931). Truth and probability. The foundations of mathematics and other logical essays. Eastford: Martin Fine Books.

Raz, T.; Michael, E. (2001). Use and benefits of tools for project risk management. International Journal of Project Management, 19(1), p. 9-17.

Raz, T., Shenhar, A., Dvir, D. (2002). Risk management, project success and technological uncertainty. R&D Management, 32(2).

Sampieri, R. H.; Collado, C. F.; Lucio, M. P. B. (2013). Metodologia de pesquisa. (5a. ed.). Porto Alegre: AMGH.

Savage, L. J. (1954). The foundations of statistics (3rd. ed.). New York: Dover Publications Inc.

Simon, H. (1955). A Behavioral Model of Rational Choice. The Quarterly Journal of Economics, 1(69), p. 99-118.

Simon, H. A. (1978). Rationality as process and as product of thought. The American economic review, 68(2), p. 1-16.

Wiig, K. (1993). Knowledge management foundations. Arlington, TX: Schema Press.

Wiig, K. M. (2003). A knowledge model for situation-handling. Journal of Knowledge Management, 7(5), p. 6-24.

Williams, T. (1995). A classified bibliography of recent research relating to project risk management. European Journal of Operational Research (85), p. 18-38.

Witte, E. (1972). Field research on complex decision making - the phase theorem. International Studies of Management & Organization, 2(3), p. 156-182.

Zwikael, O.; Ahn, M. (2011). The effectiveness of risk management: an analysis of project risk planning across industries and countries. Risk analysis, 31(1), p. 25-37.

Zwikael, O.; Sadeh, A. (2007). Planning effort as an effective risk management tool. Journal of Operations Management, 25(4), p. 755-767.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-20.1056

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.