O capital nostálgico em webseries: o caso Stranger Things

Caroline Von Mühlen, Mauricio Barth, Gustavo Roese Sanfelice

Resumo


O apelo à nostalgia é um recurso mercadológico rentável na atualidade; evidência disso é a série Stranger Things, criada por Matt e Ross Duffer e lançada em 2016. Sendo assim, o presente estudo tem como objetivo geral analisar, dos pontos de vista denotado e conotado, o capital nostálgico presente na série em questão. Para isso, foram capturados, do episódio piloto, keyframes, conforme critério de contribuição dos mesmos para com a pesquisa, ou seja, a viabilidade de uma análise de cunho imagético. Tal análise baseou-se na Retórica da Imagem de Roland Barthes (1964), através da qual foi possível explorar as alusões à nostalgia presentes na narrativa. Ao final do presente estudo, as análises detalhadas dos keyframes permitiram o conhecimento dos fatores que conferem o capital nostálgico à série, assim como os mecanismos através dos quais o espectador os assimila.


Palavras-chave


Nostalgia. Séries. Imagem.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


AERAPHE, Guto. Webséries - Criação e Desenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora Ciência Moderna, 2013.

ALTAFINI, Thiago; GAMO, Alessandro. Web-séries no contexto dos universos narrativos expandidos. Revista GEMInIS, São Carlos, SP, ano 1, n. 1, p. 43-52, 2010.

BARTHES, Roland. O óbvio e o obtuso: ensaios sobre fotografia, cinema, teatro e música. Rio de Janeiro, RJ: Nova Fronteira, 1990.

CAYUELA, Oscar Malfitano et al. Neuromarketing: para recobrar a confiança com os clientes. Rio de Janeiro, RJ: Qualitymark, 2011.

CASTELLANO, M; MEIMARIDIS, M. Netflix, discursos de distinção e os novos modelos de produção televisiva. Contemporânea-Revista de Comunicação e Cultura, Salvador, v. 14, n. 2, p. 193-209, 2016.

CASTELLANO, Mayka; MEIMARIDIS, Melina. Produção televisiva e instrumentalização da nostalgia: o caso Netflix. Revista GEMInIS, São Carlos, UFSCar, v. 8, n. 1, p. 60-86, jan./abr. 2017.

D’ASTOUS, A.; CHARTIER, F. A study of factors affecting consumer evaluations and memory of product placements in movies. Journal of Current Issues and Research in Advertising, v. 22, p. 31-40, 2000.

FIGUEIRÓ, Belisa. Circulação em VOD: Uma análise do ambiente europeu e da regulamentação francesa. Revista GEMInIS, São Carlos, UFSCar, v. 8, n. 1, p. 21-37, abr. 2017.

FURMAN, O. et al. They Saw a Movie: Long-Term Memory for an Extended Audiovisual Narrative. Learning & Memory, v. 14, n. 6, p. 457-467, 2007.

HAWKINS, Del L. et al. Comportamento do consumidor: construindo a estratégia de marketing. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier, 2007.

HERGESEL, João Paulo. A websérie enquanto processo comunicacional no contexto da cultura da convergência e os alicerces midiáticos necessários para sua roteirização. REU, Sorocaba, v. 41, n. 1, p. 59-78, jun. 2015.

JENKINS, Henry. Cultura da Convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

KOTLER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Marketing essencial: conceitos, estratégias e casos. 5. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2013.

LADEIRA, J. M. Imitação do excesso: televisão, streaming e o Brasil. Rio de Janeiro: Folio Digital - Letra e Imagem, 2016.

LINDSTROM, Martin. A lógica do consumo: verdades e mentiras sobre por que compramos. Rio de Janeiro: HarperCollins Brasil, 2016.

MACHADO, Arlindo. Fim da televisão? Revista Famecos - Mídia e Tecnologia, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 88-97, abr. 2011.

MOOK, A. T.; MITCHEL, A. D. The Role of Audiovisual Integration in the Perception of Attractiveness. Evolutionary Behavioral Sciences, v. 13, n. 1, p. 1-15, 2019.

MORALES MORANTE, Fernando; HERNÁNDEZ, Paula. La webserie: convergencias y divergencias de un formato emergente de la narrativa en Red. Revista Comunicación, Sevilla, v. 1, n. 10, p. 140-149, 2012.

NIEMEYER, K. Media and nostalgia: yearning for the past, present and future. London: Palgrave Macmillan, 2014.

PETER, J. Paul; OLSON, Jerry C. Comportamento do consumidor e estratégia de marketing. 8. ed. São Paulo, SP: Mc Graw Hill, 2009.

POVEDA, D.; MORGADE, M. Changing Digital Media Environments and Youth Audiovisual Productions: A Comparison of Two Collaborative Research Experiences with South Madrid Adolescents. Young, v. 26, p. 34S-555, Sept. 2018.

PRADEEP, A. K. O cérebro consumista: conheça os segredos mais bem guardados para vender a mente subconsciente. 1. ed. São Paulo, SP: Cultrix, 2012. 296 p.

RIBEIRO, Tadeu. Capital nostálgico e o fenômeno Stranger Things. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 40., 2017, Curitiba, PR. Anais do 40º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Curitiba, PR: Universidade Positivo, 2017. p. 1-15.

RICHERI; GIUSEPPE. A indústria audiovisual e os fatores estruturais da crise televisiva. Matrizes, São Paulo, Universidade de São Paulo, v. 11, n. 1, p. 13-24, abr. 2017.

SOLOMON, Michel R. O comportamento do consumidor: comprando, possuindo e sendo. 9. ed. Porto Alegre, RS: Bookman, 2011.

STAROBINSKI, Jean. A tinta da melancolia: uma história cultural da tristeza. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

TRYON, Chuck. On-Demand Culture: Digital Delivery and the Future of Movies. Camden: Rutgers UP Print, 2013.

VIEIRA, Soraya M. F.; SILVA, Liliane M. de O.; CHINELATO, Sabrina. Estratégias e correntes de fluxos em espaços híbridos: a web e a tv. Revista GEMInIS, v. 7, n. 2, p. 26-42, dez. 2016.

WOLK, Alan. Over the top: como a internet está mudando a indústria da televisão (aos poucos, mas definitivamente). São Paulo: Nobel, 2016.

YANG, M.; ROSKOS-EWOLDSEN, D. R. The effectiveness of brand placements in the movies: Levels of placements, explicit and implicit memory, and brand-choice behavior. Journal of Communication, v. 57, n. 3, p. 469-489, 2007.

ZURAWICKI, L. Neuromarketing: exploring the brain of the consumer. New York: Springer, 2010.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2019.v9n4.p245-263.937

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.