Logística reversa de pneus inservíveis: diagnóstico situacional com aplicação de matriz de indicadores de sustentabilidade nos municípios de Belém e Ananindeua, Pará

Paulo Vitor dos Santos Gonçalves, Paulo Amador Tavares, Norma Ely Santos Beltrão, Hélio Raymundo Ferreira Filho

Resumo


No estado do Pará, os municípios de Belém e Ananindeua destacam-se pela elevada concentração de veículos e consequentemente pela quantidade de pneus inservíveis produzidos. O presente artigo teve por objetivo elaborar o diagnóstico situacional do cenário da logística reversa de pneus inservíveis nos municípios de Belém-PA e Ananindeua-PA e aplicar uma matriz Pressão-Estado-Impacto-Resposta (PEIR). A metodologia foi desenvolvida através de entrevistas não estruturadas com os principais elos responsáveis pela logística reversa nos municípios estudados, dentre eles: revendedores de pneus, borracharias e secretarias municipais de meio ambiente. Identificou-se a ocorrência de pressões sobre o meio ambiente na área de estudo por causa dos pneus inservíveis. Foram identificados impactos, como enchentes, poluição do ar, água e solo, além de redução de matéria-prima proveniente de logística reversa. O estudo identificou duas situações distintas para os municípios em estudo quanto ao cenário da logística reversa dos pneus inservíveis. No primeiro, Ananindeua, verificou-se a presença do sistema de gestão dos resíduos de pneus que recebe e faz a coleta dos pneus inservíveis e permite ao consumidor final que destine corretamente o pneu usado no Ecoponto presente no município. No segundo, Belém, a resposta do poder público foi considerada como ineficiente, pois não existe um Ecoponto para coleta de pneus inservíveis no município. Conclui-se que a metodologia PEIR elaborou respostas para a gestão municipal com potencial para alterar o quadro de impactos ambientais causados pela coleta, disposição e tratamento irregular dos pneus inservíveis, assim como formas de aperfeiçoar o processo da logística reversa dos pneus usados.


Palavras-chave


PEIR. Política Ambiental. Resíduos Sólidos.

Texto completo:

PDF html

Referências


ABRELPE. Panorama dos resíduos sólidos no Brasil. Brasil: Grappa Editora e Comunicação, 2015. Disponível em: http://www.abrelpe.org.br/Panorama/panorama2015.pdf. Acesso em: 28 fev. 2017.

ANIP. Produção na indústria brasileira e reciclagem de pneus. [2017]. Disponível em: http://www.anip.com.br. Acesso em: 27 fev. 2017.

BARTHOLOMEU, D. B.; BRANCO, J. E. H.; CAIXETA FILHO, J. V.; PINHEIRO, M. A. A Logística reversa: o caso da destinação de pneus inservíveis no Brasil. In: ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO EMPRESARIAL E MEIO AMBIENTE (ENGEMA), 12, 2010, São Paulo. Anais do XII ENGEMA. São Paulo: ENGEMA, 2010.

BAUER, J. M. et al. Destinação de pneus usados servíveis e inservíveis: dois estudos de caso. REGET, v. 19, n. 2, p. 1292-1302, 2015.

BERNARDO, M.; LIMA, R. S. Planejamento e implantação de um programa de coleta seletiva: utilização de um sistema de informação geográfica na elaboração das rotas. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 9, n. suppl 1, p. 385–395, 2017.

BRASIL. Lei nº. 12.305 de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional dos Resíduos Sólidos e dá outras providências. 2010. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em: 27 fev. 2017.

CONAMA. Resolução nº. 416 de 30 de setembro de 2009. Dispõe sobre a prevenção à degradação ambiental causada por pneus inservíveis e dá outras providências. 2009. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=616. Acesso em: 27 fev. 2017.

CONAMA. Resolução n.º 258, de 26 de agosto de 1999. Considera que os pneumáticos inservíveis abandonados ou dispostos inadequadamente constituem passivo ambiental e dá outras providências. 1999. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res99/res25899.html. Acesso em 27 de fev. 2017.

CORRÊA, J. A. J.; COSTA, A. C. L.; PEREIRA, I. C. N. Associação entre a precipitação pluviométrica e a incidência de dengue em sete municípios do Estado do Pará. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 9, n. 7, p. 2264-2276, 2016.

COUTO, M. C. L.; LANGE, L. C. Análise dos sistemas de logística reversa no Brasil. Engenharia Sanitária e Ambiental, v. 22, n. 5, p. 889–898, 2017.

DEMAJOROVIC, J.; AUGUSTO, E. E. F.; SOUZA, M. T. S. Logística reversa de REEE em países em desenvolvimento: desafios e perspectivas para o modelo brasileiro. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 119-138, abr./jun. 2016.

DENATRAN. Frota de veículos 2018. [2018]. Disponível em: http://www.denatran.gov.br/estatistica/237-frota-veiculos. Acesso em: 08 jun. 2018.

DHOUIB, D. An extension of MACBETH method for a fuzzy environment to analyze alternatives in reverse logistics for automobile tire wastes, Omega, v. 42, n. 1, p. 25–32, 2014.

EHARA, M. et al. Addressing maladaptive coping strategies of local communities to changes in ecosystem servisse provisions using the DPSIR framework. Ecological Economics, v. 149, p. 226-238, 2018.

FAGUNDES, L. D.; AMORIM, E. S.; LIMA, R. S. Action Research in Reverse Logistics for End-Of-Life Tire Recycling, Systemic Practice and Action Research, v. 30, n. 5, p. 553–568, 2017.

FAUSTINO, O. W. C.; LEITE, E. F. Desenvolvimento sustentável e o fenômeno do empreendedorismo com pneus inservíveis: um estudo de caso na “pneu verde”. Holos, Natal, v. 30, n. 5, p. 344-360, 2014.

FLORIANI, M. A.; FURLANETTO, V. C.; SEHNEM, S. Descarte sustentável de pneus inservíveis. Navus, Florianópolis, v. 6, n. 2, p. 37-51, abr./jun. 2016.

FONSECA, E. C. C. et al. Proposta de mapa de processos de logística reversa de pós-consumo sob a ótica da política nacional de resíduos sólidos. GEPROS, v. 12, n. 1, p. 83-89, 2017.

GOBBI, N. C. et al. Management of plastic wastes at Brazilian ports and diagnosis of their generation, Marine Pollution Bulletin, v. 124, n. 1, p. 67–73, 2017.

GODOY, M. R. B. Dificuldades para aplicar a Lei da Política Nacional dos Resíduos Sólidos no Brasil. Caderno da Geografia, Belo Horizonte, v. 23, n. 39, p. 1-12, 2013.

GOVINDAN, K.; BOUZON, M. From a literature review to a multi-perspective framework for reverse logistics barriers and drivers, Journal of Cleaner Production, v. 187, p. 318–337, 2018.

GUIMARÃES, M. F. R. et al. Indicadores ambientais para o estudo da erosão marginal no Rio São Francisco. Caminhos da Geografia, Uberlândia, v. 11, n. 34, p. 84-92, jun. 2010.

HOORNWEG, D.; BHADA-TATA, P.; KENNEDY, C. Environment: Waste production must peak this century. Nature, v. 502, n. 7473, p. 615–617, 2013.

IBAMA. Relatório de Pneumáticos 2017. [2017]. Disponível em: http://ibama.gov.br/phocadownload/pneus/relatoriopneumaticos/ibama-relatorio-pneumaticos-2017.pdf Acesso em: 27 fev. 2017.

IBÁÑEZ-FORÉS, V. et al. Influence of implementing selective collection on municipal waste management systems in developing countries: A Brazilian case study. Resources, Conservation and Recycling, v. 134, p. 100–111, 2018.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. Rio de Janeiro: IBGE; 2010. Disponível em: http://censo2010.ibge.gov.br/resultados.html. Acesso em: 09 set. 2017.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estimativas da população residente no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE; 2017. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/populacao/9103-estimativas-de-populacao.html. Acesso em: 09 jun. 2018.

LAGARINHOS, C. A. F. Reciclagem de pneus: análise do impacto da legislação ambiental através da logística reversa. 2011. 291 p. Tese (Doutorado em Engenharia) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

LAGARINHOS, C. A. F.; TENÓRIO, J. A. S. Logística reversa dos pneus usados no Brasil. Polímeros: Ciência e Tecnologia, São Carlos, v. 23, n. 1, p. 49-58, 2013.

LEITE, P. R. Logística reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Saraiva, 2017.

LEWISON, R. L. et al. How the DPSIR framework can be used for structuring problems and facilitating empirical research in coastal systems. Environmental Science & Policy, v. 56, p. 110–119, 2016.

LIMA, V. M.; COSTA, S. M. F.; RIBEIRO, H. Uma contribuição da metodologia Peir para o estudo de uma pequena cidade na Amazônia: Ponta de Pedras, Pará. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 26, n. 4, p. 1071-1086, 2017.

LIU, X. et al. Evaluating the sustainability of marine industrial parks based on the DPSIR framework. Journal of Cleaner Production, v. 188, p. 150-170, 2018.

LUZ, L.; DURANTE, D. A guerra dos pneus: a controvérsia entre Brasil e Comunidades Europeias sobre o comércio internacional de pneus usados. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 27, p. 37-55, jan./jun. 2013.

MALEKMOHAMMADI, B.; JAHANISHAKIB, F. Vulnerability assessment of wetland landscape ecosystem services using driver-pressure-state-impact-response (DPSIR) model. Ecological Indicators, v. 82, p. 293–303, 2017.

MOREIRA, I. F.; GUARNIERI, P. Preferência dos consumidores por empresas que implementam práticas de logística reversa como meio de fidelização: estudo na indústria de cosméticos brasileira, Revista Gestão Industrial, v. 12, n. 4, p. 171-192, 2016.

PEDRAM, A. et al. Integrated forward and reverse supply chain: a tire case study. Waste Management, v. 60, p. 460-470, 2017.

PERIM, T. M. P. et al. Correlações entre transporte e desenvolvimento econômico aplicadas ao turismo: uma análise a partir do município de Caldas Novas/Go – Brasil. Revista Gestão e Planejamento, Salvador, v. 18, p. 256-272, 2017.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. de. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Universidade Feevale, 2013.

PNUMA. Metodologia para a elaboração de relatórios GEO Cidades. Manual de aplicação. México: PNUMA, 2001.

PUPPHACHAI, U.; ZUIDEMA, C. Sustainability indicators: a tool to generate learning and adaptation in sustainable urban development. Ecological Indicators, v. 72, p. 784-793, 2017.

RAMOS-QUINTANA, F. et al. Quantitative-qualitative assessments of environmental causal networks to support the DPSIR framework in the decision-making process. Environmental Impact Assessment Review, v. 69, p. 42-60, 2018.

RECICLANIP. Reciclanip: o ciclo sustentável do pneu. [2017]. Disponível em: http://www.reciclanip.org.br. Acesso em: 13 mar. 2017.

RLEC. What is Reverse Logistics?. [2017]. Disponível em: http://www.rlec.org/glossary.html. Acesso em: 14 set. 2017.

RODRIGUES, S. M.; AOKI, M.; OLIVER, F. C. Diagnóstico situacional de pessoas com deficiência acompanhadas em terapia ocupacional em uma unidade básica de saúde. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, v. 23, n. 4, p. 781–794, 2015.

ROGERS, D. S.; TIBBEN-LEMBKE, R. Going backwards: reverse logistics trends and prac-tices. Reno, NV: Reverse Logistics Executive Council, 1998.

SARMIN, N.S. et al. The DPSIR framework for causes analysis of mangrove deforestation in Johor, Malaysia. Environmental Nanotechnology, Monitoring & Management, v. 6, p. 214–218, 2016.

SCHNEIDER, D. D. et al. Indicadores para serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário voltados às populações vulneráveis. Revista Brasileira de Ciências Ambientais, n. 17, p. 65-76, set. 2010.

SILVA, C.S.S.L.; KOOPMANS, F.F.; DAHER, D.V. O Diagnóstico situacional como ferramenta para o planejamento de ações na Atenção Primária a Saúde. Revista Pró-UniverSUS, v. 7, n. 2, p. 30-33, 2016.

SILVA, S. S. F. et al. Indicador de sustentabilidade pressão – estado – impacto – resposta no diagnóstico do cenário sócio ambiental resultante dos resíduos sólidos urbanos em Cuité, PB. REUNIR, v. 2, n. 3, p. 76-93, 2012.

SOUZA, C. D. R.; D’AGOSTO, M. A. Análise dos custos logísticos aplicada à cadeia logística reversa do pneu inservível. Revista Transportes, Rio de Janeiro, v. 21, n.2, 2013.

SPERANZA, L. G.; MORETTI, R. S. Logística reversa: análise de processos implementados. Oculum ensaios, Campinas, v. 11, n. 2, p. 287-299, 2014.

VERMA, P.; RAGHUBANSHI, A. S. Urban sustainability indicators: challenges and opportunities. Ecological Indicators, v. 93, p. 282-291, 2018.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2019.v9n1.p165-181.806

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.