Valoração de ativos intangíveis com opções reais: estudo de caso em uma transferência de tecnologia da Universidade Federal de Minas Gerais

Gabriel Augusto de Carvalho, Hudson Fernandes Amaral, Pedro Oliveira de Sena Batista, João Eduardo Ribeiro

Resumo


O objetivo deste estudo consistiu em analisar comparativamente os resultados da valoração de ativos intangíveis pela abordagem das opções reais, baseado no modelo de Black e Scholes, com o método do fluxo de caixa descontado, no contexto de um software desenvolvido na Universidade Federal de Minas Gerais. As flexibilidades consideradas no desenvolvimento do trabalho foram a opção de abandono e a opção de prorrogação do contrato de licenciamento. Os resultados mostraram que o modelo das opções reais se adapta melhor a esse cenário, pois incorpora ao valor final do ativo as opções presentes desde o momento da Pesquisa e Desenvolvimento até o fim do licenciamento e proteção da tecnologia. O valor esperado sob a ótica das opções reais foi estatisticamente superior ao do fluxo de caixa tradicional. Esse resultado mostrou que as contingências relativas ao caso de estudo são relevantes e com isso devem ser consideradas no processo de valoração. A maior proximidade desse valor com a realidade representa benefícios tanto para a universidade quanto para a empresa. Ademais, é importante ressaltar que uma tecnologia protegida é capaz de criar uma grande vantagem competitiva e que os ganhos com sua exploração podem ir muito além dos financeiros.


Palavras-chave


Transferência de Tecnologia; Opções Reais; Ativos Intangíveis; Pesquisa e Desenvolvimento.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Amaral, H. F., Iquiapaza, R. A., Correia, L. F., Amaral, G. H. O., & Vieira, M. V. (2014). Avaliação de ativos intangíveis: modelos alternativos para determinação do valor de patentes. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, 4 (1), 123-143.

Brasil. Lei nº 10.973 de 02 de dezembro de 2004. (2004). Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. Brasília, 2004. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.973.htm >. Acesso em: 12 mai. 2016.

Bicalho, T. A. O. (2011). Transformações empreendedoras no sistema universitário brasileiro: estudo de caso da UFMG. 237 p. Dissertação (Mestrado em Administração) - Centro de Pós-Graduação e Pesquisas em Administração da Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal de Minas Gerais.

Black, F., & Scholes, M. (1973). The pricing of options and corporate liabilities. Journal of Political Economy, 3, 637-654.

Bogdan, B. E., & Villiger, R. (2007). Valuation in life science: A Practical Guide. New York: Springer, 200p.

Borsatto Junior, J. L., Correia, E. F., & Gimenes, R. M. T. (2015). Avaliação de empresas pelo método do fluxo de caixa descontado: o caso de uma indústria de ração animal e soluções em homeopatia. Revista Contabilidade Vista & Revista, 26 (2), 90-113.

Bussab, W. O., & Morettin, P. A. (2010). Estatística básica. 6a Edição. São Paulo: Editora Saraiva.

Castro, A. L. (2000). Avaliação de investimentos de capital em projetos de geração termoelétrica no setor elétrico brasileiro usando a teoria das opções reais. Dissertação (Mestrado em Administração), Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Cerbasi, G. P. (2003). Metodologias para determinação do valor das empresas: uma aplicação no setor de geração de energia hidrelétrica. 129 p. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

Chesbrough, H. W. (2003). Open innovation: the new imperative for creating and profiting from technology. Boston: Havard Business School Press.

Closs, L., Ferreira, G. C., Sampaio, C. H., & Perin, M. G. (2012). A transferência de tecnologia universidade-empresa no contexto brasileiro: uma revisão de estudos científicos publicados entre os anos 2005 e 2009. Gestão & Produção, 19, 419-432.

Coordenadoria de Transferência e Inovação Tecnológica, CTIT. (2016). Impactos. Disponível em . Acesso em: 04 de novembro de 2016.

Cox, J., Ross, S., & Rubistein, M. (1979). Option pricing: a simplified approach. Journal of financial economics, 7, 229-263.

Damodaran, A. (2002). A face oculta da avaliação. São Paulo: Makron Books.

Damodaran, A. (2007). Avaliação de empresas. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Dixit, A., Pindyck, R. (1995). The options approach to capital investment. Harvard Business Review, 105-118.

Faria, B. R. (2014). Avaliação de patentes por abordagens financeiras baseadas em opções reais: estudo de caso de inovações geradas na UFMG. 180 p. Dissertação (Mestrado em Administração)- Centro de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Galdi, F. C., Teixeira, A. J. C., & Lopes, A. B. (2008). Análise empírica de modelos de valuation no ambiente brasileiro: fluxo de caixa descontado versus modelo de Ohlson (Riv). Revista Contabilidade & Finanças, 19 (47), 31-43.

Garnica, L. A. (2007). Transferência de tecnologia e gestão da propriedade intelectual em universidades públicas no estado de São Paulo. 203 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Exatas e da Terra) – Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Gonçalves, C., & Meirelles, A. (2004). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas.

Gonçalves, E. D. L., & Ferreira, L. L. (2008). Flexibilidade na utilização de diesel ou biodiesel: uma abordagem via opções reais. Brazilian Business Review, 5 (3), 229-243.

Guimarães, Y. B. T., & Kniess, C. T. (2014). Valoração de patentes: o caso de uma universidade pública do estado de São Paulo. In: Encontro da ANPAD, 38. Rio de Janeiro, 2014.

Hull, J. C. (2005). Fundamentos dos mercados futuros e de opções. 4 ed. São Paulo: Bolsa de Mercadorias & Futuros.

Instituto Nacional da Propriedade Intelectual, INPI. (2012). Estatísticas. Disponível em . Acesso em: 11 de maio de 2016.

Instituto Nacional da Propriedade Intelectual, INPI. (2015). Perguntas Frequentes. Disponível em . Acesso em: 04 de novembro de 2016.

Kayo, E. K. (2002). A estrutura de capital e o risco das empresas tangível e intangível-intensivas: uma contribuição ao estudo de valoração das empresas. São Paulo: USP, 2002, Tese (Doutorado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo.

Kayo, E. K., & Famá, R. (2004). A estrutura de capital e o risco das empresas tangível-intensivas e intangível-intensivas. RAUSP. Revista de Administração, 39 (2), 164-176.

Kim, B., Lim, H., Kim, H., & Hong, T. (2012). Determining the value of governmental subsidies for the installation of clean energy systems using real options. Journal of Construction Engineering and Management, 138 (3), 422-430.

Lev, B. (2001). Intangibles: management, measurement, and reporting. Washington: Brookings.

Madeira, L. M. M. (2015). Gestão do conhecimento e inovação em projetos específicos PD&I com foco em ecoinovação: um estudo comparativo de casos. São Carlos: USP, 81 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo.

Martins, E. (1972). Contribuição à avaliação do ativo intangível. São Paulo: USP, 1972. Tese (Doutorado em Controladoria e Contabilidade) – Faculdade de Economia e Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Oliveira, M. R. A., & Giroletti, D. A. (2013). A transferência de tecnologia da UFMG para uma empresa privada: processo e resultados. In: SINGEP e I S2IS, 2., São Paulo.

O’Sullivan, D. (2008). Applied innovation. Manual da Disciplina de Gestão da Inovação, do MEI, EEng., UMinho.

Pereira, M. F., Melo, P. A., Dalmau, M. B., & Harger, C. A. (2009). Transferência de conhecimentos científicos e tecnológicos da universidade para o segmento empresarial. Revista de Administração e Inovação, 6 (3), 128-144.

Reilly, R. F., & Schweihs, R. P. (1998). Valuing intangible assets. New York: McGraw-Hill.

Rodrigues Júnior, J. M. R., Lobato, A. A., Cedón, B. V., & Silva, J. F. (2000). Produção do conhecimento tecnológico na UFMG. Perspectivas em ciência da informação, 5 (2), 231 – 242.

Roman, V. B., Thiebaut, B. S. L., & Rios, L. E. J. (2015). Gestão de propriedade intelectual em universidades: análise do desempenho da universidade federal de minas gerais no processo de transferência de tecnologia. In: Enegep, 35. Fortaleza.

Santos, E. M., & Pamplona, E. O. (2005). Teoria das Opções Reais: uma atraente opção no processo de análise de investimentos. Revista de Administração, 40 (3), 235-252.

Schmidt, P. E., & Santos, J. L. (2002). Avaliação de ativos intangíveis. São Paulo: Atlas.

Shane, S. A. (2005). Sobre o solo fértil: como identificar grandes oportunidades para empreendimentos em alta tecnologia. Porto Alegre: Bookman.

Souza, R. O. (2009). Valoração de ativos intangíveis: seu papel na transferência de tecnologias e na promoção da inovação tecnológica. 2009. 139 p. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Trigeorgis, L. (1993). Real Options and Interactions with Financial Flexibility. Financial Management, 22 (3), 202-224.

Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

Vasconcellos, E. P. (2015). Valoração de intangíveis no contexto de negociação e transferência de tecnologias desenvolvidas em universidades públicas brasileiras. 2015. 61 p. Dissertação (Mestrado em Inovação Tecnológica e Propriedade Intelectual) – Instituto de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Wang, J., Wang, C. Y., & Wu, C. Y. (2015). A real options framework for R&D planning in technology-based firms. Journal of Engineering and Technology Management, 35, 93-114.

Young, T. (2006). Academic technology transfer. In: AUDY, J.; MOROSINI, M. (Org.). Inovação e empreendedorismo na universidade. Porto Alegre: EDIPUCRS, 320-360.

Zhu, L. (2012). A simulation based real options approach for the investment evaluation of nuclear power. Computers & Industrial Engineering, 63 (3), 585-593.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2019.v9n2.p07-23.740

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.