Adoção de inovações em processos de período de crise pelas empresas de Petrolina - PE

Guilherme Alves de Santana, Fabio Mascarenhas Silva, Ednaldo José de Alencar Silva, Lúcia Alves Domingos

Resumo


Este artigo objetiva mapear quais inovações de processos foram implementadas por Micro e Pequenas Empresas (MPEs) de Petrolina, localizadas em Petrolina (Sertão do São Francisco, Pernambuco). Para tanto, esta pesquisa é de natureza básica e exploratória, tendo se baseado em procedimentos bibliográficos e documentais para o levantamento de dados. Ainda foi realizada uma pesquisa de campo em empresas no setor de serviços. O método utilizado foi o quantitativo e os dados foram coletados através da aplicação de questionários focados em inovação e gestão, presencialmente com vinte empresários de diferentes segmentos da região. Os resultados indicam que as ações de inovação executadas nas MPEs contribuíram para superar efeitos da crise político-econômica do período 2015 a 2017. Tais inovações focaram em ações de benchmarking, reestruturação de departamentos, capacitação dos colaboradores, criação de estratégias para venda de produtos, mapeamento dos processos, redução na quantidade de fornecedores, aumento do quadro funcional, melhoria do layout da empresa, terceirização do serviço de entrega, registro de desperdícios, aquisição de softwares gerenciais, gestão eletrônica de documentos e adequação aos aspectos ecológicos. Além disto, a pesquisa in loco possibilitou observar que os empresários possuem uma visão imediatista e uma fragilização dos processos de construção de uma cultura da inovação. 


Palavras-chave


Inovação. Processos. Radar da Inovação.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BASE DE DADOS DO ESTADO – (BDE). Dados gerais das empresas comerciais segundo a divisão de comercio do Pernambuco. Pernambuco, 2017.

BAUER, R.. Gestão da mudança: caos e complexidade nas organizações. São Paulo: Atlas, 1999.

BEZERRA. M. C.. Investimento em Inovação em Períodos de Crise e Recessão em Empresas de Investigação e Desenvolvimento. Dissertação de Mestrado. Departamento de Economia e Gestão - Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Lisboa, 2010.

Bachmann, D. L. e Destefani, J. h. Metodologia para estimar o grau das inovações nas MPE. Curitiba, 2008.

CERVI, E.. Métodos quantitativos nas ciências sociais: uma abordagem alternativa ao fetichismo dos números e ao debate com qualitativas. In: Ayres, J. B. (Org.). Pesquisa Social: reflexões teóricas e metodológicas. Ponta Grossa: Toda Palavra Editora, 2009.

FERNANDES, F.. Em 2015, quase triplicou a taxa de mortalidade de empresas no país. Diário do comércio e negócios. São Paulo, 07 de março de 2016. Disponível em: . Acesso em: 20 de abril de 2017.

FERNANDES, D. R. V.. Comportamento Estratégico e Inovador nas Empresas de materiais de Construção. Caderno de Inovação em Pequenos Negócios. CNPq. v. 3, n. 3 (2015) – Brasília: Sebrae, 2015.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

______. IBGE. Produto Interno Bruto do Brasil, 2015. Disponível em: Acesso em 18 de abril de 2017.

LEITE, M. V. C.. Teoria da demanda Efetiva: Keynes, Kalecki e algumas implicações. III Encontro Internacional da AKB - São Paulo, 2010. 11 de agosto de 2010.

MATTEI, L.; RUCINSKI, R. Impactos da crise econômica sobre a economia catarinense. Geosul, Florianópolis, v. 31, n. 62, p 337-366, jul./dez. 2016.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

MOMPEAN, F. L.. A inovação em processos: uma análise da dimensão processos no comércio varejista do Vale do Itajaí. Cadernos de Inovação em Pequenos Negócios: comércio [recurso eletrônico] / Sebrae, CNPq. v. 2, n. 2 (2014). Dados Eletrônicos Brasília, DF : Sebrae, 2014.

OECD - ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT. Manual de Oslo. Oslo, 2005.

OLIVEIRA, M. F. S. ET AL.. O impacto das práticas inovadoras de micro e pequenos empreendedores na prosperidade de seus negócios. Revista Capital Científico, v. 14, n. 3, Jul/Set. 2016.

PENTEADO, R. F. S.; CARVALHO, H. G.; REIS, D. R.. Estratégias de Gestão para a Inovação Organizacional. Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR), 2010.

POZABON, R. O.; PRATES, A. C.. A crise no governo Dilma: enquadramentos propostos pela Revista Veja. Rev. Estud. Comun., Curitiba, v. 17, n. 42, p. 04-22, jan. /abr. 2016.

PRADELLA. S.. Gestão de Processos: uma Metodologia Redesenhada para a Busca de Maior Eficiência e Eficácia Organizacional. Revista Gestão & Tecnologia, Pedro Leopoldo, v. 13, n. 2, p. 94-121, mai./ago. 2013.

ROMAN. D. J. ET AL. Fatores de competitividade organizacional. Brazilian Business Review, v. 9, n. 1, Vitória-ES, Jan-Mar 2012.

ROSA, O.. Ações avançadas de ambiência inovador: O reflexo dos resultados no grau global de inovação. Caderno de Inovação em Pequenos Negócios, CNPq. v. 3, n. 3 (2015) – Brasília: Sebrae, 2015.

SOUZA (Org.) Manual do Empreendedor: de Micro a pequenas empresas. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2012.

SPEZAMIGLIO, B. S.; GALINA, S. V. R.; CALIA, R. C.. Competitividade, inovação e sustentabilidade: uma interrelação por meio da sistematização da literatura. REAd, Porto Alegre, v. 84, n. 2, maio/Ago. 2016.

STRUCK, J.. O que levou o Brasil à atual crise econômica? Made For Minds. 03.03.2016. Disponível em Acesso em 17. abr. 2017.

TEIXEIRA, P. C. ET AL. Padronização e melhoria de processos produtivos em empresas de panificação: estudo múltiplos de caso. Production, v. 24, n. 2, p. 311-321, 2014.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2018.v8n4.p167-179.734

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.