Diagnóstico da inovação em empresas de tecnologia da informação de um município do sudoeste do Paraná

Rosaine Fiorio Semler, Fernando José Avancini Schenatto

Resumo


O ciclo de vida de produtos e tecnologia tem-se encurtado principalmente devido à alta competitividade do ambiente de negócios e, nesse sentido, a capacidade de lidar com essas dimensões da gestão empresarial é crucial para a competitividade das organizações, principalmente as empresas intensivas em tecnologia, como é o caso da indústria de software. Dessa forma, o objetivo desse estudo é mensurar as dimensões da inovação e estagiar a inovação nas empresas que compõem um núcleo de tecnologia. Sendo assim, tem-se um estudo exploratório, multicascos, com a aplicação de dois questionários sendo o primeiro proposto por Carvalho, Reis e Cavalcante (2011) que visa avaliar maturidade das empresas frente à inovação e o segundo de Scherer e Carlomagno (2009) que analisa as dimensões da inovação, sendo ambos complementares. Como resultados obteve-se quanto aos estágios de inovação que três empresas estão no estágio Disseminação, uma em Inovação como Estratégia; três como Estruturação e três como Parcerias e quanto às dimensões destaca-se funding e processo como deficitárias e como mais desenvolvida a dimensão Estrutura. Para tanto, na intersecção entre os resultados dos dois métodos pode-se estabelecer ações para melhoria da inovação nessas empresas.


Palavras-chave


Inovação. Maturidade da Inovação. Dimensões da Inovação. Empresas de TI.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


BABBIE, E R. Métodos de pesquisas de survey. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 1999.

BALESTRIN, A. A dinâmica da complementariedade de conhecimentos no contexto das redes interorganizacionais. 214f. Tese (Programa de Pós-Graduação em Administração) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

BARBIERI, J. C. (Org.). Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros. Rio de Janeiro: FGV, 2003

BARBIERI, J. C.; ÁLVARES, A. C. Inovações nas Organizações Empresariais. In: BARBIERI, J.C. (Org.). Organizações Inovadoras: estudos e casos brasileiros. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004. p. 41-64.

BACHMANN, D. L.; DESTEFANI, J. H. Proposal for Assessment of Innovation Degree at Small Companies. SEMINÁRIO NACIONAL DE PARQUES TECNOLÓGICOS E INCUBADORAS DE EMPRESAS, 18., Aracaju. Anais... Aracaju: ANPROTEC, 2008.

BNDES. Porte da Empresa. 2011 Disponível em: Acesso em: 13 jan. 2016.

BRESCHI, S.; MALERBA, F. Sectoral Innovation Systems: technological regimes, schumpeterian dynamics, and spacial boundaries. In: EDQUIST, C. (Ed.). Systems of innovation: technologies, institutions, and organizations. London: Pinter, 1997. p. 130-156.

BROUWER E.; KLEINKNECHT A. Measuring the unmeasurable: a country’s non-R&D expenditure on product and service innovation. Research Policy, v. 25, p. 1235-1242, 1997.

CARON, A. Inovação tecnológica em pequenas e médias empresas. Revista FAE BUSINESS, n. 8, p. 25-28, 2004.

CARVALHO, H. G.; REIS, D. R.; CAVALCANTE, M. B. Gestão da Inovação. Curitiba: Aymará, 2011

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA (CNI). Mapa estratégico da indústria 2013-2022. Brasília: CNI, 2013.

CHESBROUGH, H.W. The era of open innovation. MIT Sloan Management Review, v. 44, n. 3, p. 33-41, 2003.

CHESBROUGH, H.W. Open business models: how to thrive in the new innovation landscape. Boston: Harvard Business School Press, 2006.

DUARTE, C. H. C.; BRANCO, C. E. Impactos econômicos e sociais da política setorial brasileira para tecnologias da informação. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 8, n. 15, p. 125-146, 2001

DUARTE, V. C.; FERRAZ FILHO, G. O programa SOFTEX e a construção da indústria de software nacional. Revista Brasileira de Comércio Exterior, Rio de Janeiro, v. 13, n. 56, p. 23-30, 1998.

FRANK, A. G. et al. The effect of innovation activities on innovation outputs in the Brazilian industry: Market-orientation vs. technology-acquisition strategies. Research Policy, v. 45, n. 3, p. 577-592, 2016.

GRILICHES, Z. Patent Statistics an Economic Indicator: Survey part I. NBER Working Paper Series, Working Paper no. 3301, Cambridge: National Bureau of Economic Research, 1990.

GRIZENDI, E. Manual de inovação para empresas brasileiras de TIC: orientações gerais sobre inovação para empresas do setor de tecnologia da informação e comunicação. Rio de Janeiro: Publit, 2012.

INSTITUTO NACIONAL DE EMPREENDEDORISMO E INOVAÇÃO (INEI). Avaliação do Grau de Inovação Organizacional – QDI. Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2016.

JONASH, R. S.; SOMMERLATTE, T. O Valor da Inovação: (the innovation Premium) Como as Empresas Mais Avançadas Atingem Alto desempenho e Lucratividade. Rio de Janeiro: Campus, 2001.

KLEINKNECHT, A. Measuring R&D in small firms: How much we are missing? Journal of Industrial Economics, v. 36, p. 253-256, 1987.

KLEINKNECHT, A.; REIJNEN, J. O. N. More evidence on the undercounting of small firm R&D. Research Policy, v. 20, p. 579-587, 1991.

KNOX, S. The boardroom agenda: Developing the innovative organization. Corporate Governance, Bradford, UK, v. 2, n. 1, p. 27-36, 2002.

MACKINNON, L. The 7 Dimensions of Innovation . Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2016.

MALERBA, F.; ORSENIGO, L. Technological regimes and firm behaviour. Industrial and corporate change. Oxford University Press, v. 2, n. 1, p. 45-71, 1993.

MARQUES, C. A. N.; SUZUKI, J. A.; FARIA, A. F. Modelo de estudo de viabilidade aplicado a empresas de software. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 30., São Carlos, 2010. Anais... São Paulo: ENANPAD, 2010. p. 12-15.

MOBILIZAÇÃO EMPRESARIAL PELA INOVAÇÃO (MEI). Estratégia e objetivos. 2011. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2016.

MILESI, D.; PETELSKI, N.; VERRE, V. Innovation and appropriation mechanisms: Evidence from Argentine microdata. Technovation, v. 33, n. 2, p. 78-87, 2013.

MIOZZO, M. et al. Innovation collaboration and appropriability by knowledge-intensive business services firms. Research Policy, v. 45, n. 7, p. 1337-1351, 2016.

MIOZZO, M; SOETE, L. Internationalization of Services: A Technological Perspective. Technological Forecasting and Social Change, n. 67, p. 159-185, 2001.

MYTELKA, L. A role for innovation networking in the other two-thirds. Futures, v. 85, n. 1, p. 694-712, 1993.

NAGANO, M. S.; STEFANOVITZ, J. P.; VICK, T. E. Innovation management processes, their internal organizational elements and contextual factors: an investigation in Brazil. Journal of Engineering and Technology Management, v. 33, p. 63-92, 2014.

OCDE. Manual de Oslo - Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. Brasília: FINEP, 2006.

OSENIEKS, J.; BABAUSKA, S. The relevance of innovation management as prerequisite for durable existence of small and medium enterprises. Procedia - Social and Behavioral Sciences, v. 110, p. 82–92, 2014.

PINTEC. Banco de dados da Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica. 2011. Disponível em: Acesso em: 27 jan. 2016.

SAWHNEY, M. et al. The 12 Different Ways for Companies to Innovate. MIT Sloan Management Review, p. 75-81, 2006.

SHAPIRO, S. Innovation: A Blueprint for Surviving and Thriving in an Age of Change. USA: McGraw-Hill Companies, 2001.

SCHENATTO, F. J. A. Estratégia tecnológica para arranjos Produtivos locais: uma metodologia baseada na elaboração de estudos prospectivos. 2012. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

SCHERER, F. O.; CARLOMAGNO, M. S. Gestão da Inovação na Prática: como aplicar conceitos e ferramentas para alavancar a inovação. São Paulo: Atlas, 2009.

SCHUMPETER, J. A. The theory of Economic Developement. Cambridge: Harvard University Press, 1934.

SILVA, C. G.; MELO, L. C. P. Ciência, tecnologia e inovação: desafios para a sociedade brasileira - livro verde. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2001.

SOUZA BERMEJO, P. H. et al. Conceptualizing organizational innovation: The case of the Brazilian software industry. Information & Management, v. 53, n. 4, p. 493-503, jun. 2015.

STEFANOVITZ, J. P.; NAGANO, M. S Gestão da inovação: análise e síntese dos conceitos. Produto & Produção, v. 15, n. 2, p. 11-23, 2014.

STEGLICH, L.R. O desenvolvimento de produtos em uma rede de pequenas e médias empresas: motivações e fatores críticos. 2007, 96f. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Administração) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

SUH, D.; HWANG, J. An analysis of the effect of software intellectual property rights on the performance of software firms in South Korea. Technovation, v. 30, n. 5, p. 376-385, 2010.

TERRA, B. Em Tempos de Rede: A Gestão do Conhecimento para o Desenvolvimento de Regiões. Rio de Janeiro: Interciência, 2006.

TERRA, J. C. C. Gestão do Conhecimento: o grande desafio empresarial. São Paulo: Negócio Editora, 2001.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da Inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Managing innovation, integration technological, market and organizational change. West Sussex: John Wiley & Sons, 2005.

VAN DE VEN, A. H. et al. The Innovation Journey. New York: Oxford University Press, 1999.

VAONA, A.; PIANTA, M. Firm Size and Innovation in European Manufacturing. Small Business Economics, v. 30, p. 283-299, 2008.

VEE, Annette. Carving up the commons: How software patents are impacting our digital composition environments. Computers and Composition, v. 27, n. 3, p. 179-192, 2010.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2000.

VERSCHOORE FILHO, J.; BALESTRIN, A. Competitive factors of cooperation networks: a quantitative study of a southern brazilian case. EUROPEAN GROUP FOR ORGANIZATION STUDIES COLLOQUIUM, 22., 2006. Proceedings…Bergen: [s.n.], 2006.

XAVIER SOBRINHO, G. G. de F. Perfil e perspectivas do trabalho no complexo das tecnologias de informação: a produção de softwares no Rio Grande do Sul. Ensaios FEE, Porto Alegre, v. 21, n. 2, p. 77-109, 2000.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2017.v7n4.p90-104.534

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.