Competitividade estratégica no setor de meios de hospedagem catarinense: um estudo exploratório

Einstein Randal Pereira Gomes

Resumo


O contexto dinâmico dos meios de hospedagem se caracteriza pela constante atualização de produtos e serviços e por mudanças frequentes nas preferências manifestadas por seus clientes, com alto impacto do ambiente macroeconômico e institucional, bem como de fatores, tais como a sazonalidade em negócios que devem primar pela padronização temporal de sua oferta. Em virtude das crescentes demandas no fluxo de pessoas e capitais ao redor do globo, o setor de meios de hospedagem passou a demandar expressivos níveis de profissionalização, de tal forma que, no escopo deste artigo, pretendeu-se realizar um estudo exploratório do perfil dos meios de hospedagem em Santa Catarina, considerado como o melhor destino turístico do Brasil, investigando-se como se configura o contexto competitivo atual. Metodologicamente, o estudo se orientou por uma pesquisa bibliográfica inicial, secundada por análise exploratória quantitativa a partir dos dados do sistema Cadastur, que é provido pelo Ministério do Turismo do Brasil, em parceria com os órgãos oficiais de turismo. Ao final, mais que os números resultantes, a factibilidade do estudo deveu-se à necessidade premente da realização de estudos temporalmente regulares, tanto no sentido de traçar panoramas crescentes da realidade encontrada nos meios de hospedagem, quanto de sensibilizar os atores institucionais da importância da compreensão do ambiente estratégico em que atuam.


Palavras-chave


Competitividade. Turismo. Meios de hospedagem. Cadastur.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DE HOTÉIS (ABIH) – Santa Catarina. Conheça a ABIH. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2015.

BENI, Mário Carlos. Análise Estrutural do Turismo. 10. ed. São Paulo: Ed. Senac, 2004.

BRASIL. Ministério do Turismo. Estudos da Competitividade do Turismo Brasileiro: análise dos determinantes da oferta no setor de turismo. Brasília: Ministério do Turismo, 2006. Disponível em: . Acesso em: 14 jul. 2015.

BRASIL é o 41º maior destino turístico do mundo, diz consultoria. [2010]. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2016.

BRASIL. Ministério do Turismo. Sobre o Cadastur. Disponível em: . Acesso em: 03 out. 2016.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Decreto-Lei n. 7381, de 2 de dezembro de 2010. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2015.

CAMPOS, Luiz Cláudio de A. Menescal; GONÇALVES, Maria Helena Barreto. Introdução a Turismo e Hotelaria. Rio de Janeiro: Senac/DN, 1988.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DO COMÉRCIO (CNC). Breve história do turismo e da hotelaria. Rio de Janeiro: CNC, 2005.

D’AVENI, Richard A. Hipercompetição: Estratégias para dominar a dinâmica do mercado. Rio de Janeiro: Campus, 1995.

FLORIPA CONVENTION & VISITORS BUREAU (FCVB). Home. Disponível em: < http://floripaconvention.com.br/>. Acesso em: 13 ago. 2015.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2010.

GRAY, David E. Pesquisa no mundo real. 2. ed. Porto Alegre, RS: Penso, 2012.

HARBISON, John R.; PEKAR Jr., Peter. Alianças estratégicas: quando a parceria é a alma do negócio e caminho para o sucesso. São Paulo: Futura, 1999.

KOTLER, Philip; KARTAJAYA, Hermawan; SETIAWAN, Iwan. Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier, 2010.

KOTLER, Philip; KELLER, Kevin Lane. Administração de marketing. 14. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2012.

LOZANO, Javier; GOMEZ, Carlos; MAQUIEIRA, Javier Rey. An Analysis of the Evolution of Tourism Destinations from the Point of View of the Economic Growth Theory. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2015.

MARTINS, Gilberto de Andrade; THEÓPHILO, Carlos Renato. Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. 2. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2009.

MAXIMIANO, Antônio Cesar Amaru. Introdução à Administração. São Paulo: Atlas, 2004.

MCDANIEL, Carl D; GATES, R. Pesquisa de Marketing. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

MELLO, Gustavo; GOLDENSTEIN, Marcelo. Perspectivas da Hotelaria no Brasil. [2011]. Disponível em:. Acesso em: 03 out.2016.

MINTZBERG, H. Estrutura e dinâmica das organizações. 2. ed. Porto, Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1999.

MONTGOMERY, Cynthia; PORTER, Michael. Estratégia a busca da vantagem competitiva. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

NAKANE, A. M.; VIEIRA, F.C.G.; FURTADO, S.M. Turismo, hotelaria e eventos: a arte e a técnica profissional do setor. Santa Cruz do Rio Pardo: Viena, 2013.

OLIVEIRA, Murilo de Alencar Souza; ROSSETTO, Adriana Marques; Modelo Integrado de Sustentabilidade e Competitividade em Meios de Hospedagem. Disponível em: . Acesso em: 11 abr. 2015.

ROTAS capixabas. Cadastur: é ou não é um bom negócio? [2011]. Disponível em: . Acesso em: 08 ago. 2015.

SANTA CATARINA (Estado). Santa Catarina é destaque pela sétima vez como Melhor Destino Turístico do Brasil. Disponível em: . Acesso em: 15 jul. 2015.

SERRA, Fernando Ribeiro et al. Gestão Estratégica: conceitos e casos. São Paulo: Atlas, 2014.

SILVA, Jaqueline dos S.; SONAGLIO, Kerlei E. Análise das metodologias de planejamento e organização do turismo segundo os principais autores brasileiros. Revista Iberoamericana de Turismo, v. 3, n. 2, p. 62-83, 2014. Disponível em: . Acesso em: 11 abr. 2015.

VAN BELLEN, H. M. Indicadores de sustentabilidade: uma análise comparativa. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

VERGARA, Sylvia Constant. Métodos de pesquisa em administração. 5. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2012.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2016.v6n5.p77-92.439

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.