O Impacto da Governança Corporativa Eletrônica na Gestão do Conhecimento

Denise de Cuffa, Carine Zago, Paula Regina Zarelli, Gilmar Ribeiro de Mello

Resumo


A criação contínua de novos conhecimentos passou a ser fundamental para a sustentabilidade competitiva das organizações, de modo que o desenvolvimento da tecnologia da informação tem possibilitado às organizações ampliarem o conhecimento individual em nível organizacional. Diante deste contexto, o presente estudo teve objetivo de verificar o impacto do IGCE (Índice de Governança Corporativa Eletrônica) na gestão do conhecimento com vistas a analisar se está voltado para o conhecimento na gestão corporativa. Para isso, utilizou-se a abordagem de estudo quantitativo devido ao uso de tratamento estatístico para a análise dos dados, a partir da regressão linear simples. A unidade de análise correspondeu às 62 empresas componentes do Ibovespa.  Quanto à coleta dos dados, a mesma está estruturada em duas etapas: (1) atualização do IGCE2015 desenvolvido por Zago (2014), visando avaliar a eficiência dos websites das empresas, e (2) identificar se as práticas do IGCE impactam nas práticas baseadas no modelo de gestão do conhecimento proposto por Probst, Raub e Romhardt (2002), sendo utilizado o questionário adaptado de Gonçalves (2010) e Santos e Silva (2013). Assim, conclui-se que as práticas de governança corporativa eletrônica apresentam impacto positivo nas práticas de gestão do conhecimento baseadas no modelo de Probst, Raub e Romhardt (2002), uma vez que quanto mais e melhores as práticas de governança corporativa eletrônica melhor serão as iniciativas de gestão do conhecimento.


Palavras-chave


gestão do conhecimento; governança corporativa eletrônica; gestão da informação; Ibovespa.

Texto completo:

PDF

Referências


BM&FBovespa. (2015). Índice Bovespa – IBOVESPA. Recuperado de http://www.bmfbovespa.com.br/indices/ResumoIndice.aspx?Indice=IBOVESPA&Idioma=pt-BR.

Cavalcante, J. N. (2011). Análise das práticas de Gestão do Conhecimento em uma empresa de serviços de assessoria e educação profissional. Qualit@s Revista Eletrônica,12(2).

Cervo, A. L., Bervian, P. A, & Silva, R. (2007). Metodologia Científica. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Chan, A. W. H., & Cheung, H. Y. (2011). Cultural dimensions, ethical sensitivity, and corporate governance. Journal of Business Ethics, 110(1), 45-49.

Cianconi, R. (2003). Gestão do conhecimento: Visão de indivíduos e organizações no Brasil (Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio de Janeiro). Recuperado de http://www.uff.br/ppgci/editais/tese%20regina%20cianconi.pdf

Davenport, T.H., & Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial: Como as organizações gerenciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus.

Dias, C. A. (2001). Portal corporativo: Conceitos e características. Revista Ciência da Informação, 30(1), 50-60.

Durst, S., & Edvardsson, I. R. (2012). Knowledge management in SMEs: A literature review. Journal of Knowledge Management, 16(6), 879-903.

Gonçalves, S. F. R. (2010). Gestão do conhecimento: Análise de práticas e ferramentas no âmbito da administração tributária de Minas Gerais (Dissertação de Mestrado, Faculdades Pedro Leopoldo).

IBGC – Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2009). Código das melhores práticas de governança corporativa (3 ed.). São Paulo, IBGC.

________. Propósitos e valores. (2010). Recuperado de http://www.ibgc.org.br/Secao.aspx?CodSecao=3

Jambeiro, O., Sobreira, R., & Macambira, L. (2012).Informação, participação cívica e da gestão pública:Análise dos websites das capitais brasileiras.Revista de economía política de las tecnologias de la información y de la comunicación,14(1).

Lopes, E. C. (2014). Construção de conhecimento em governança corporativa: Estudo sobre a criação de valor para tomada de decisão de investidores no mercado de capitais(Tese de Doutorado, Universidade Estadual Paulista).

Macagnan, C. B., & Lindemann, A. (2009). Gestão da informação e o processo de negociação bancária. JISTEM – J. Inf. Syst. Technology Management(Online), 6(1), 93-110.

Machado, A. C. (2011). Comunicação para prevenção de danos ao consumidor com o uso da internet (Dissertação de Mestrado, Universidade Municipal de São Caetano do Sul).

Molina, L. G. (2008). Portais corporativos: Tecnologia da informação e comunicação aplicadas à gestão da informação e do conhecimento em empresas de Tecnologia da informação (Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquista Filho).

Nonaka, I., & Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: Como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus.

OECD – Organisation for Economic Co-Operation and Development Statistics. (2003). Mensuring knowledge management in the business sector: The first steps. Canada: OECD/Minister of Industry.

Paula, D. R., & Cianconi, R. B. (2007). Práticas de gestão do conhecimento: Caso dos sítios associados ao portal corporativo da FIOCRUZ. Perspectivas em Ciência da Informação, 12(2), 49-63.

Pereira, R. P. (2007). As trocas informacionais e a produção do conhecimento: Um estudo sobre as interações nos ambientes das ONGs (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Minas Gerais).

Probst, G., Raub, S., & Romhardt, K. (2002). Gestão do conhecimento: Os elementos construtivos do sucesso. Porto Alegre: Bookman.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: Métodos e técnicas(3 ed.).São Paulo: Atlas.

Rhoads, E. P. (2006). Knowledge management in U.S. Federal Agencies: The catalyst for E-government transformation (Doctoral Thesis, Washington University).

Santos, A. L., & Silva, S. C. (2013). Desenvolvimento e aplicação de um modelo de gestão do conhecimento para um núcleo de inovação tecnológica. Anais SIMTEC – Simpósio Internacional de Inovação Tecnológica, 1(1), 354-365.

Schons, C. H., & Costa, M. D. (2008). Portais corporativos no apoio à criação de conhecimento organizacional: Uma abordagem teórica. Revista de Ciência da Informação, 9(3).

Souza, A.M., &Kurtz, D. J. (2014). Análise de modelos para a gestão do conhecimento organizacional: O caso serviço social da indústria – SESI/PE. International Journal of Knowledge Engineering Management,3(6), 64-88.

Takeuchi, H., &Nonaka, I. (2008). Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman.

Toledo, A. M. (2002). Portais corporativos: Uma ferramenta estratégica de apoio à gestão do conhecimento (Monografia de Especialização, Universidade Federal do Rio de Janeiro).

Zago, C. & Mello, G. R. (2012). Índice de Governança Corporativa Eletrônica – IGCE.Trabalho apresentado no Primeiro Congresso Nacional de Pesquisa em Ciências Sociais Aplicadas, Francisco Beltrão, Brasil.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2016.v6n4.p98-107.421

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.