Avaliação de Desempenho de Parques Tecnológicos: Proposta a Partir de um Estudo no TECNOPUC

Naiane de Lurdes Santana, Peter Bent Hansen

Resumo


Os parques tecnológicos vêm sendo considerados como valiosos instrumentos de promoção de diversos objetivos sociais e econômicos, cumprindo funções de suporte à integração entre agentes sociais. Considerando-se os ambientes dos parques, é relevante que se verifique a sua real efetividade como instrumentos de desenvolvimento tecnológico, competitivo e social. Assim, o objetivo deste trabalho é propor um sistema de indicadores que possibilite a avaliação de desempenho de parques tecnológicos, em especial os brasileiros. Esse sistema de indicadores foi desenvolvido com base em um estudo realizado no TECNOPUC (Parque Científico e Tecnológico da PUCRS) considerando a percepção dos seus principais stakeholders. Foram realizadas treze entrevistas com stakeholders (universidade, governo e empresas) atuantes e representantes no contexto dos parques no Rio Grande do Sul / Brasil, especificamente o TECNOPUC. Por meio das entrevistas foram identificados 10 objetivos estratégicos – associados a 4 dimensões (tecnológica, social, acadêmica e econômica) – e 29 indicadores considerados relevantes para avaliação de desempenho de parques científicos e tecnológicos. Esta pesquisa contribui para a identificação de dimensões que compilam os pontos essenciais de mensuração do desempenho de parques diante de uma estrutura de tríplice hélice que inclui universidade, governo e empresas.


Palavras-chave


Avaliação de desempenho; parques científicos e tecnológicos; Stakeholders; Tecnopuc.

Texto completo:

PDF

Referências


Abdalla, M. M., Calvosa, M. V. D., & Batista, L. G. (2009). Hélice Tríplice no Brasil: um ensaio teórico acerca dos benefícios da entrada da universidade nas parcerias estatais. Revista Cadernos de Administração da Faculdade Salesiana Maria Auxiliadora, 1(3).

ABDI - Associação Brasileira de Desenvolvimento Industrial. (2008). Parques tecnológicos no Brasil: Estudo, análise e proposições. Brasília: ABDI/ANPROTEC.

Atrasas, A. L., de Souza Dias, J. M. C., de Sousa Leite, L. A., & Brasília, D. F. (2003). Parques tecnológicos e incubadoras de empresas: fatores de desenvolvimento tecnológico e regional em Portugal e Espanha. Relatório de Viagem Internacional.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Campanella, F., Della Peruta, M.R, & Del Giudice, M. (2014). Creating conditions for innovative performance of science parks in Europe. Journal of Intellectual Capital, 15(4), 576-596.

Carpinetti, L. C., Galdámez, E. V. C., & Gerolamo, M. C. (2007). A measurement system for managing performance of industrial clusters: A conceptual model and research cases. Paper presented at 14th International EurOMA Conference, Ankara, Turkey.

Chan, K. Y. A., Oerlemans, L. A., & Pretorius, M. W. (2011). Innovation outcomes of South African new technology-based firms: A contribution to the debate on the performance of science park firms. South African Journal of Economic and Management Sciences, 14(4), 361-378.

Chikán, A. (2008) National and firm competitiveness: a general research model. Competitiveness Review: An International Business Journal Incorporating Journal of Global Competitiveness, 18(1/2).

Chiochetta, J. C. (2010). Proposta de um modelo de governança para parques tecnológicos (Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul). Recuperado de: http://www.producao.ufrgs.br/arquivos/publicacoes/348_TESE%20-%20CHIOCHETTA-JC%20-%20HOMOLOGA%C3%87%C3%83O%20-%20revista%2014-01.pdf

Eler, E. O. & Andalecio, A. M. L. (2015). Indicadores de inovação: Estudo comparativo entre o Brasil e os demais países dos BRICS. GEINTEC: Gestão, Inovação e Tecnologias, 5(1), 1683-1702.

Esposto, K. F., Gerolamo, M. C., & Rentes, A. F (2002). Sistema de medição de desempenho: Uma proposta conceitual. Artigo apresentado no 22º Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Curitiba, Brasil.

Etzkowitz, H. (2009). Hélice Tríplice: Universidade, indústria e governo: Inovação em movimento. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Etzkowitz, H., & Leydesdorff, L. (1995). The Triple Helix of university-industry-government relations: A laboratory for knowledge based economic development. EASST Review, 14(1), 14-19.

Etzkowitz, H., & Leydesdorff, L. (1997). Universities and the Global Economy: A triple helix of university–industry–government relations. London: Cassell Academy.

Etzkowitz, H., & Leydesdorff, L. (2000). The dynamics of innovation: From National System and “Mode 2” to a Triple Helix of University industry government relation. Research Policy, 29(2), 109-123.

Fernandes, S. C. R. (2014) Avaliação de parques tecnológicos: Uma proposta de modelo para parques de 3º geração (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro). Recuperado de http://www.coppead.ufrj.br/upload/publicacoes/Sheila_Fernandes.pdf

Galdámez, E. V. C.; Carpinetti, L. C. R.; & Gerolamo, M. C. (2009). Proposta de um sistema de avaliação do desempenho para arranjos produtivos locais. Revista Gestão & Produção, 16(1).

Giugliani, E., Selig, P. M., & dos Santos, N. (2012). Modelo de governança para parques científicos e tecnológicos: Análise e contexto. Trabalho apresentado no 22º Seminário Nacional de Parques Tecnológicos e Incubadoras de Empresas e XX Workshop Anprotec, Foz do Iguaçu, Paraná.

Guerra, A. F., Figueiredo, M. L., & Ruscheinsky, A. (2015). Ambiente e sustentabilidade no sistema nacional de ciência, tecnologia e inovação do Brasil. Revista Iberoamericana Universitaria en Ambiente, Sociedad y Sustentabilidad, 1(1), 125-138.

IASP – International Association of Science Parks. Science Park. IASP International Board, Fev., 2002. Disponível em: http://www.iasp.ws/publico/index.jsp?enl=1.

Jung Neto, R. J. & de Paula, E. A. W. (2009). Indicadores de avaliação de desempenho para o Parque Científico e Tecnológico da PUCRS–TECNOPUC, na percepção de seus principais “stakeholders”. Trabalho apresentado no 3º Fórum Global de Inovação e Empreendedorismo, Florianópolis, Santa Catarina.

Kiyan, F. M. (2001). Proposta para o desenvolvimento de indicadores de desempenho como suporte estratégico (Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo). Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/18/18140/tde-02082002-075900/pt-br.php

Lima, R. H. P., Marinho, C. A., & Carpinetti, L. C. R. (2011). Minimizando as barreiras para a medição de desempenho em arranjos produtivos locais: O caso do Sertãozinho. Revista Brasileira de Estratégia, 4(2).

Massey, D., Quintas, P., & Wield, D. (1992). High-Tech Fantasies: Science parks in society. London: Routledge.

Mazzarolo, C. F. (2010). Estratégia de apoio à inovação em tecnologias da informação no parque tecnológico Capital Digital (Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília). Recuperado de http://repositorio.unb.br/handle/10482/8259

MDIC (2004). O Futuro da Indústria de software: A perspectiva do Brasil. Brasília: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Medori, D. & Steeple, D. (2000) A framework for auditing and enhancing performance measurement systems. International Journal of Operations & Production Management, 20(5), 520-533.

Moura, E. (1994). As sete ferramentas gerenciais da qualidade: Implementação e melhoria contínua com maior eficácia. São Paulo, MAKRON Books.

Neves, J. L. (1996). Pesquisa qualitativa: características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisa em Administração, 1(3).

Parung, J., & Bititci, U. S. (2006). A conceptual metric for managing collaborative networks. Journal of Modelling in Management, 2(1), 116-136.

Ribeiro, M. L., Botelho, S.S.C., & Duarte Filho, N. (2012). Avaliando a estratégia do Parque Tecnológico Oceantec a partir da utilização da ferramenta Estrategigrama. Trabalho apresentado no Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Rio de Janeiro.

Spinola, M. M., & Pessôa, M. S. P. (1997). Tecnologia da Informação. In Contador, J. C. (Coord.), Gestão de operações. São Paulo: Edgar Blücher.

Spolidoro, R., & Audy, J. (2008). Parque Científico e Tecnológico da PUCRS. Porto Alegre: Edipucrs.

Steiner, J. E., Cassim, M. B., & Robazzi, A.C. (2008). Parques tecnológicos: Ambientes de inovação. São Paulo: Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo.

Tezza, R., Bornia, A. C., & Vey, I. H. (2010). Sistemas de medição de desempenho: Uma revisão e classificação da literatura. Gestão & Produção, 17(1), 75-93.

Vedovello, C. (2000). Aspectos relevantes de parques tecnológicos e incubadores de empresas. Revista do BNDES, 7(14).

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: Planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman.

Zouain, D. M. & Plonski, G. A. (2006) Parques tecnológicos: planejamento e gestão. Brasília: Anprotec/Sebrae.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2016.v6n4.p72-87.414

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.