Inclusão da Diversidade na Força de Trabalho das Instituições de Ensino Superior

Bruna Ariane Rizzi, Daniela Siqueira Colet

Resumo


Este artigo buscou analisar as práticas de gestão de pessoas voltadas para a inclusão da diversidade na força de trabalho das instituições de ensino superior comunitárias (IESC), no estado do Rio Grande do Sul. Visando atender ao objetivo delineado, realizou-se um estudo de caso múltiplo em onze IESC, caracterizando-se como uma pesquisa qualitativa, de natureza exploratória e descritiva. Os dados foram coletados por meio de questionário semiestruturado e analisados por meio de análise de conteúdo. Os resultados revelam que as IESC pesquisadas reconhecem a importância da diversidade nas equipes de trabalho. Além disso, de acordo com os dados obtidos, as instituições procuram oferecer tratamento igual para todos os perfis de pessoas, em todas as ações de gestão de pessoas, o que se configura em um fator relevante para oportunizar igualdade de acesso a oportunidades e desenvolvimento. No entanto, constatou-se que as práticas de gestão de pessoas com foco específico na inclusão da diversidade estão direcionadas apenas para as pessoas com deficiência. Isso significa que a diversidade consta como um tema relevante para as IESC investigadas e que, por outro lado, precisa ser priorizada a ponto de se traduzir em políticas e práticas plurais e ampliadas, efetivamente implementadas, de forma a impactar positivamente no enfrentamento das desigualdades constatadas nesse campo.


Palavras-chave


Diversidade. Inclusão. Políticas e práticas de gestão de pessoas

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ALVES, M.; GALEÃO-SILVA, L. A crítica da gestão da diversidade nas organizações. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 44, n. 3, p. 20-29, jul./set. 2004.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

BITENCOURT, C. et al. (org.). Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

BOND, M. A.; HAYNES, M. C. Workplace diversity: a social-ecological framework and policy implications. Social Issues and Policy Review, v. 8, n. 1, p. 167-201, 2014.

BRASIL. Constituição. República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 03 abr. 2019.

BRASIL. Lei n. 8.213. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/. Acesso em: 03 abr. 2019.

CARDOSO, L. R. Avaliando sistemas de remuneração baseados em habilidades e competências: a visão dos profissionais de gestão de pessoas. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 8, n. 21, p. 13-23, mar./jun. 2006.

CARVALHO-FREITAS, M. N. Inserção e Gestão do Trabalho de Pessoas com Deficiência: um estudo de caso. Revista de Administração Contemporânea , Curitiba, v. 13, edição especial, p. 121-138, jun. 2009.

CHIZZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

CHUNG, Y. B. Work discrimination and coping strategies: conceptual frameworks for counseling lesbian, gay, and bisexual clientes. The career development quarterly, v. 50, n. 1, p.33-44, dec. 2011.

FLEURY, M. T. L. Gerenciando a Diversidade Cultural: Experiência de Empresas Brasileiras. Revista de Administração de Empresas, v. 40, n. 3, p. 18-25, jul, -set 2000.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Trad. Joice Elias Costa. 3. ed. São Paulo: Artmed, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa, 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIL. A. C. Gestão de pessoas: enfoque nos papéis profissionais. São Paulo: Atlas, 2014.

INSTITUTO ETHOS de Empresas e Responsabilidade Social. Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas. São Paulo, Instituto, 2015.

INSTITUTO ETHOS de Empresas e Responsabilidade Social. Práticas empresariais de responsabilidade social: Como as Empresas podem (e devem) valorizar a Diversidade. São Paulo: Instituto Ethos, 2000. Disponível em https://www3.ethos.org.br/wp-content/uploads/2012/12/30.pdf: Acesso em: 28 mar. 2020.

IRIGARAY, H. A. R. A diversidade nas organizações brasileiras: um estudo sobre orientação sexual e ambiente de trabalho. Tese (Doutorado) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas, São Paulo, 2008.

IRIGARAY, H. A. R.; FREITAS, M. E. Estratégia de sobrevivência dos gays no ambiente de trabalho. Psicologia Política, v. 13, n. 26, p. 75-92, jan./abr. 2013.

JABBOUR, C. J. C.; GORDONO, C.S; OLIVEIRA, J.H. C.; MARTINEZ, C.; BATTISTELLE, R. A. G. Diversity management: Challenges, benefits, and the role of human resource management in Brazilian organizations. Equality, Diversity and Inclusion, v. 30, n.1, p.58-74, dec. 2011.

KLARSFELD, A.; BOOYSEN, L.; KUVAAS, B. Comparative equality and diversity: Main findings and research gaps. Cross Cultural & Strategic Management, v. 23, n. 3, p. 394-412, aug. 2016.

KREITZ, P. Best practices for managing organizational diversity. Journal of Academic Librarianship, v. 34, n. 2, pp. 101-120, 2008.

LIMONGI - FRANÇA, A. C . Práticas de recursos humanos PRH: Conceitos, ferramentas e procedimentos. São Paulo: Atlas, 2014.

LIN, L. S.; CHEN, S. J.; HUANG, P. C. High‐commitment human resource practices in a Taiwanese service industry: differentiating effects of demographic and functional diversity. Asia Pacific Jounal of Human Resources, v. 52, n. 1, p. 443-459, 2014.

MACALLI, N. KUABARA, P. S. S. TAKAHASHI, A. L. W. ROGLIO, K. D. BOHES, S. T. M. As práticas de recursos humanos para a gestão da diversidade: a inclusão de deficientes intelectuais em uma federação pública do Brasil. RAM, Rev. Adm. Mackenzie, São Paulo, SP, v. 16, n. 2, p.157-187, mar./abr. 2015.

MASCARENHAS, A. O. Gestão Estratégica de Pessoas. São Paulo: Cengage Learning, 2009.

MAUME, D. J. Can men make time for family? Paid work, care work, work-family reconciliation policies, and gender equality. Social Currents, v. 3, n. 1, p. 43– 63, mar. 2016.

MELO, L. Número de mulheres na chefia cresce a passos lentos no país. [2016]. Disponível em: https://exame.abril.com.br/negocios/numero-de-mulheres-na-chefia-cresce-a-passos-lentos-no-pais/ . Acesso em: 25 mar. 2020.

NKOMO, S. M.; COX Jr., T. Diversidade e identidade nas organizações. In: CLEGG, S. R. et al. Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas, 1999. p. 334-360.

PATRICK, H.A; KUMAR, V.R. Managing Workplace Diversity: Issues and Challenges. SAGE, v. 12, p.1–15, 2012.

PEREIRA, J. B. C.; HANASHIRO, D. M. M. A. Gestão da diversidade: uma questão de valorização ou de dissolução das diferenças? Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 2007.

PEREIRA, J. B. C.; HANASHIRO, D. M. M. Ser ou ser favorável às práticas de diversidade? Eis a questão. Revista de Administração Contemporânea. v.14, n. 4, p. 670-683, jul./ago. 2010.

PEREIRA, C. E. C.; BIZELLI, J. L.; LEITE, L.P. Organizações de ensino superior: inclusão e ambiente de trabalho, Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 138, p.99-115, jan./mar. 2017.

RIBEIRO, I.; ROGLIO, K. D.; PÉCORA-JUNIOR, J. E. Instrumento para identificação das relações entre estratégias competitivas e práticas de gestão de pessoas. Ciências Sociais em Perspectiva, v. 12, n. 22, p. 1-25, 1°semestre. 2013.

ROBBINS, S. P.; DECENZO, D.A., WOLTER, R.M. A nova administração. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

ROBBINS, S. P.; JUDGE, T. A., SOBRAL, F. Comportamento organizacional: teoria e prática no contexto brasileiro. 14. ed. São Paulo: Pearson, 2010.

RYNES, S., L.; GERHART, B.; MINETTE, K. A. The importance of pay in employee motivation: discrepancies between what people say and what they do. Human Resource Management, v. 43, n. 4, p. 381-394, 2004.

SABHARWAL, M. Is Diversity Management Sufficient? Organizational Inclusion to Further Performance. Public Personnel Management, v.43, n.2, p.197–217, 2014.

SANTOS, B. S. Reconhecer para libertar: os caminhos do cosmopolitismo multicultural. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. Introdução: para ampliar o cânone do reconhecimento, da diferença e da igualdade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. p.56.

SANTOS, G. L. D.; GASPAR, F. L.; RODRIGUES, M. B.; BALDISSARELLI, J. M. Management Diversity and Human Resources Policies and Practices in High Education Institutions. Revista de Administração da UFSM, v. 12, n. Edição Especial, p. 1108-1126, 2019.

SCHMIDT, J. P. Universidades comunitárias e terceiro setor: fundamentos comunitaristas da cooperação em políticas públicas. 1. ed. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2017.

SILVA. E. D. A inclusão no âmbito corporativo: Modos de enunciar a diversidade na mídia impressa especializada. Interfaces, v.10, n.3, p.86-104, 2019.

THOMAS Jr., R. R. Beyond race and gender: unleashing the power of your total work force by managing diversity. New York: AMACON, 1991.

TINTI, J. A.; VENELLI-COSTA, L.; VIEIRA, A. M.; CAPPELLOZZA, A. O impacto das políticas e práticas de recursos humanos sobre os comportamentos de cidadania organizacional. Brazilian Business Review, v.14, n.6, p.636-653, 2017.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

WAILES, N.; MICHELSON, G. The transfer of management ideas to a western “periphery”: the case of corporate social responsibility in Australia. International Studies of Management and Organization, v. 38, n. 4, p. 100- 118, 2008.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-19.1282

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.