Revisitando as Quatro Faces da Gestão de Recursos Humanos: estudo em empresas no Brasil

Vera L. Cançado, Maraí Vendramine, Elizângela de Jesus Oliveira

Resumo


Esse artigo teve como objetivo identificar de que forma a GRH vem atuando em empresas no Brasil, na percepção de seus clientes internos. Utilizou-se o modelo das Quatro Faces da GRH, caracterizadas como o executor, construtor, parceiro de mudança e navegador. Foi realizada pesquisa descritiva, tipo survey, aplicando-se questionário à amostra de 332 empregados de empresas localizadas no Brasil. Os dados foram analisados por meio de estatística uni e multivariada. Os resultados indicaram avaliação média na qualidade da GRH, tendo sobressaído a face da GRH executor, o que indica uma atuação funcionalista, centrada nas atividades operacionais e desconectadas entre si e/ou da estratégia da organização. Destacou-se também a face do construtor que, do mesmo modo revela uma atuação centrada nas funções de RH. A comparação com pesquisa realizada nos anos de 2010, evidencia-se não ter havido alteração na performance da GRH em empresas no Brasil. Esses resultados ainda possibilitaram confirmar que o construto constituído pelas quatro faces permite avaliar a qualidade da GRH bem como descrever e analisar a atuação da GRH em diferentes empresas.


Palavras-chave


Gestão de Recursos Humanos. Gestão de Pessoas. Recursos Humanos. Quatro Faces da GRH.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Almeida, E. S., Costa, D. V. F., Altaf, J. G., Castro, D. R., & Troccoli, I. R. (2013). Gestão de pessoas como estratégia: um estudo de caso em uma empresa de telefonia de Juiz de Fora. Revista de Carreiras e Pessoas, 3(2), 54-70.

Andrade, S. M. (2012). Alinhamento entre a Estratégia de Gestão de Pessoas e a Estratégia Inovação: Um estudo de empresas inovadoras. Anais do XV SEMEAD - Seminários em Administração, São Paulo, SP, Brasil, 15.

Antunes, M. T. P., & Martins, E. (2007). Gerenciando o Capital Intelectual: uma proposta baseada na Controladoria de Grandes Empresas. Revista Eletrônica de Administração, 55(7), 1-22.

Becker, B. E., Huselid, M. A., & Ulrich, D. (2001). Gestão estratégica de pessoas com scorecard: Interligando pessoas, estratégia e performance. Rio de Janeiro: Elsevier.

Bosquetti, M. A. (2009). Gestão de pessoas, estratégia e performance organizacional: Um estudo internacional de multicasos (Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil).

Boxall, P., Purcell, J., & Wright, P. M. (2007). Human Resource Management: scope, analysis and significance. The Handbook of Human Resource Management, 1(16), 2-15.

Castro, P. M. (2008). Prazer e sofrimento no trabalho: A vivência de profissionais de recursos humanos. (Dissertação de Mestrado), Faculdade Novos Horizontes, Belo Horizonte.

Cesar, A. M. R. V. C. (2015). Medidas de desempenho da área de recursos humanos e seu relacionamento com indicadores de desempenho econômico. REGE, 22 (1), 97-114.

Coda, R., Cesar, A. M. R. V. C., Bido, D. S., & Louffat, E. (2009). Strategic HR? A study of the perceived role of HRM Departments in Brazil and Peru. Brazilian Administrative Review, 6(1), 15-33. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1590/S180776922009000100003.

Collis, J. C., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em Administração, (2. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Contijo, A. C., Godinho, L. A. C., Matos, R. N., & Almeida, R. M. (2004). Recursos humanos: uma visão estratégica estudo de caso na Empresa Beta. Revista de Administração da UFLA, 6(1), 119-131.

Denisi, A. S., Wilson, M. S., & Biteman, J. (2014). Research and Practice in HRM: a historical perspective. Human Resource Management Review, 24(3), pp. 219-231.

Dutra, J. S., & Hipólito, J. A. M. (2012). Remuneração e Recompensas. Rio de Janeiro: Elsevier.

Dutra, J. S. (2002). Gestão de Pessoas: Modelos, Processos, Tendências e Perspectivas. São Paulo: Atlas.

Esteves, T. P., & Caetano, A. (2010). Práticas de Gestão de Recursos humanos e Resultados Organizacionais: estudos, controvérsias teóricas e metodológicas. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, 10(2), 159-176.

Estivalete, V. F. B., Löbler, M. L., Visentini, M. S., & Andrade, T. (2012). O Perfil da Área de Recursos Humanos de uma Empresa Brasileira Internacionalizada sob a Perspectiva de seus Colaboradores. Revista Gestão e Planejamento, 12(3), 594-614.

Evans, P., Pucik, V., & Barsoux, J. (2002). The Global Challenge: Frameworks for International Human Resource Management. New York: McGraw-Hill.

Evans, P. A. L., & Farquhar, A. (1989). Case series - Marks & Spencer (A) and (B). Fontainebleau: INSEAD.

Elvira, M., & Davila, A. (2005). Emergent Directions for Human Resource Management Research in Latin America. International Journal of Human Resource Management, 16(12), 2265-2282. Recuperado de http://dx.doi.org/10.1080/09585190500358703

Fischer, A. L., & Albuquerque, L. (2001). Tendências que Orientam as Decisões dos Formadores de Opinião em Gestão de Pessoas no Brasil – RH 2010. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Campinas, SP, Brasil.

Fitz-Enz, J. (2001). Retorno do investimento em capital humano: Medindo valor econômico do desempenho dos funcionários. São Paulo: Makron Book.

Fonseca, E. L. (2007). Gestão de pessoas na Gerdau: Um estudo de caso (Dissertação de Mestrado), Fundação Pedro Leopoldo, Pedro Leopoldo.

Gelabert, C. M., & Martinez, A. A. (2012). Contribución de La Gestión de Recursos Humanos a La Gestión del Conocimiento. Revista Estudos Gerenciales, 28(123), 133-148.

Glanz, E. F., & Bailey L. K. (1993). Benchmarking. Human Resource Management, 31(1/2), 9-20.

Godard, J., & Delaney J. T. (2000). Reflections on the ‘high performance’ paradigm’s implications for industrial relations as a field. Industrial and labor Relations Review, 53(3), 482-502.

Hair, J., Black, B., Babin, B., Anderson, R. E., & Tathan, R. L. (2009). Análise Multivariada de Dados (6a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Ivancevich, J. M. (2007). Human Resource Management (10th ed.). New York: McGraw-Hill.

Khilji, S. E., & Wang, X. (2006). Intended and implemented HRM: the missing linchpin in strategic human resource management research. The International Journal of Human Resource Management, 7(17), 1171-1189.

Lacombe, B. M. B. (2006). Avaliação e mensuração de resultados em gestão de pessoas e a relação com o desempenho organizacional: Um estudo com as maiores empresas brasileiras. São Paulo: Fundação Getúlio Vargas.

Lacombe, B. M. B., & Chu, R. A. (2008). Políticas e Práticas de Gestão de Pessoas: as abordagens estratégica e institucional. Revista de Administração de Empresas, 48(1), 25-35.

Lucas, A. C. (2013). A Administração que Queremos: o futuro da Administração na visão do jovem profissional. Revista Brasileira de Administração Científica, 4(3), 35-48.

Mascarenhas, A O. Gestão Estratégica de Pessoas. São Paulo: Cengage Learning, 2008

Mascarenhas, A. O., Vasconcelos, F. C., & Vasconcelos, I. F. G. (2005). Impactos da Tecnologia na Gestão de Pessoas – um Estudo de Caso. RAC, 9(1), 125-147. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rac/v9n1/v9n1a07.pdf.

Matoso, J. O., Coraiola, D. M., & Roglio, K. D. (2016). Gestão de Recursos Humanos na Administração Pública: um estudo de caso no governo estadual de Mato Grosso. Gestão & Regionalidade, 32(95), 34-51. Recuperado de http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_gestao/article/view/2638/1941.

Moura, A. L. N. (2014). Por fora, bela viola! Por dentro, pão bolorento? Analisando o discurso e a prática de RH no setor público federal brasileiro à luz da Teoria Institucional (Tese de Doutorado), Universidade Federal de Pernambuco, Pernambuco, Brasil).

Moura, A. L. N., & Souza, B. C. (2014). Discurso e Prática na Gestão de Recursos Humanos: um Estudo no Setor Público Federal Brasileiro. Anais EnANPAD – XXXVIII Encontro da Anpad. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Paauwe, J. (2004). HRM and Performance: Achieving long term viability. Oxford: Oxford University Press.

Parolin, S. R. H., Bosquetti, M. A., Albuquerque, L. G., & Santos, D. R. C. (2007). O Papel Estratégico da área de RH no Processo de Mudança Organizacional: um Caso de Sucesso numa Instituição Complexa. Anais do I Encontro de Gestão de Pessoas e relações de Trabalho, Natal, RN, Brasil.

Pate, J. M., & Beaumont, P. B. (2006). The European Low Cost Airline Industry: The Interplay of Business Strategy and Human Resources. European Management Journal, 24(5), 322–329. Recuperado de http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0263237306000569.

Pettigrew, A. M. (1987). Context and action in the transformation of the firm. Journal of Management Studies, 24(6), pp. 649-670.

Pettigrew, A. M. (2011). Cultura das organizações é administrável? In M. T. L. Fleury, & R. M. Fisher (Eds.). Cultura e poder nas organizações (2a ed.). São Paulo: Atlas.

PROGEP/FIA – Programa de Estudos em Gestão de Pessoas/Fundação Instituto de Administração (2011). Pesquisa Delphi RH 2010: edição confirmatória, tendências recentes em gestão de pessoas nas empresas brasileiras. São Paulo: PROGEP/FIA.

Reis, E. (2008). Estatística descritiva. Lisboa: Sílabo.

Rhinow, G. (2001). Inovando e Competindo por meio da Gestão de Pessoas. Revista de Administração de Empresas/EAESP/FGV, 8(1), 2-7. Recuperado de http://rae.fgv.br/rae/vol41-num1-2001/inovando-competindo-por-meio-gestao-pessoas.

Silva, V. C. (2015). Mensuração das práticas de administração de recursos humanos: Um estudo com profissionais de empresas de Sete Lagoas. (Dissertação de Mestrado Profissional em Administração), Fundação Pedro Leopoldo, Pedro Leopoldo, Brasil.

Soares, J. V., Salles, D. M. R., & Souza, S. F. (2017). Maturidade de RH: Analisando a gestão de recursos humanos em hospitais do interior de Minas Gerais com base no modelo das quatro faces de RH. Anais do 6º Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho – EnGPR, Curitiba, PR, Brasil

Tanure, B., Evans, P., & Cançado, V. L. (2010). As Quatro Faces de RH: analisando a performance da gestão de recursos humanos em empresas no Brasil. Revista de Administração Contemporânea, 14(4), 594-614. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rac/v14n4/03

Tanure, B., Evans, P., & Pucik, V. (2007). A Gestão de Pessoas no Brasil: Virtudes e pecados capitais. Rio de Janeiro: Campus.

Tavares, E., Arruda, J., & Costa, M. L. (2010). A Gestão de Pessoas Como Parceira Estratégica da Organização. Anais do V Congresso de Pesquisa e Inovação da Rede Norte Nordeste de Educação Tecnológica, Alagoas, AL, Brasil.

Ulrich, D., Brockbanck, W., Younger, J., & Nyman, M. (2011). Construindo os Recursos Humanos de fora para dentro: A transformação do RH. Porto Alegre: Bookman.

Ulrich, D. (2000). Recursos humanos estratégicos: Novas perspectivas para os profissionais de RH. São Paulo: Futura.

Ulrich, D. (1998). Os campeões de RH: Inovando para obter os melhores resultados. São Paulo: Futura.

Zuppani, T. S., & Fischer, A. L. (2016). Gestão Internacional Comparativa de Recursos Humanos e Gestão de Recursos Humanos no Brasil: uma análise frente aos modelos calculativos e colaborativos. Revista Eletrônica de Negócios Internacionais, 11(2), 49-65. Recuperado de http://internext.espm.br/index.php/internext/article/view/362.

Whitfield, K., & Poole, M. (1997). Organizing employment for high performance: theories, evidence and policy. Organization Studies, 18(5), 745-64.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-14.1251

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.