Valoração de Propriedade Intelectual para a Negociação e Transferência da Tecnologia: O caso NIT/IFBA

Ana Rita Fonsêca Ferreira, André Luis Rocha de Souza, Cristiane Freire Silvão, Erica Ferreira Marques, Juliano Almeida de Faria, Núbia Moura Ribeiro

Resumo


Nesta pesquisa, buscou-se analisar os métodos de valoração de patentes discutidos pela literatura e valorar a patente de defumador de pescados (MU 8802959-0) do Núcleo de Inovação Tecnológica do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia – NIT/IFBA. Para tanto, os procedimentos metodológicos adotados consistiram em pesquisa exploratória, de natureza bibliográfica, documental, baseada em artigos, dissertações, teses, relatórios técnicos e sites institucionais. A abordagem empregada na pesquisa foi a de pesquisa qualitativa, com análise de dados qualitativo e quantitativo. Quanto aos dados, foram coletados dados secundários utilizados que foram obtidos a partir do documento de patente e por meio de observação direta realizada no NIT/IFBA. Como resultados observou-se que o método alternativo de valoração, que leva em consideração a característica do ativo, bem como o Nível de Prontidão Tecnológica (NPT) e variáveis econômicas, mostrou-se mais favorável para a valoração da patente de defumador de pescados do NIT/IFBA, quando comparado com as abordagens tradicionais, a exemplo do método de Fluxo de Caixa Descontado (FCD), opções reais e abordagem de custos. Ademais, o método alternativo considera, também, as particularidades e a dinâmica dos NITs, além de requerer dados que são acessíveis aos Núcleos e apresentar flexibilidade, podendo ser adaptada de acordo com as características da patente.


Palavras-chave


Propriedade Intelectual. Transferência de tecnologia. Nível de Prontidão Tecnológica. Valoração. Núcleo de Inovação Tecnológica.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ADRIANO, E.; ANTUNES, M. T. P. Proposta para mensuração de patentes. Revista de Administração Contemporânea. Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 125-141, 2017.

ALBINO, J. da S. Marco jurídico-institucional para gestão de transferência e tecnologia para os núcleos de inovação tecnológica: Estudo de caso da Universidade do Estado de Santa Catarina e Universidade do Estado de Mato Grosso. 2016. 358 p. Tese (Doutorado em Direito) – Universidade Federal de Santa Catarina. Santa Catarina, 2016.

AMORIM, G. M.; PIRES, E. A.; SANTOS, F. L. Desafios na transferência de tecnologia Universidade-Empresa: um relato de experiência do núcleo de transferência de tecnologia da UFRB. Cadernos de Prospecção. Salvador, v. 12, n. 1, p. 59-78, 2019. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/nit/article/view/27265/16962. Acesso em: 28 mai. 2019.

AMPARO, K. K. S.; RIBEIRO, M.C. O.; GUARIEIRO, L. L. N. Estudo de caso utilizando mapeamento de prospecção tecnológica como principal ferramenta de busca científica. Perspectivas em Ciência da Informação. Minas Gerais. v.17, n.4, p.195-209, 2012.

ANDRADE, H. S.; GATTO, C.V.C.; MORAES, R.A.C.; BORGES, S.M.; FREITAS, C.M. Técnicas de prospecção e maturidade tecnológica para suportar atividades de P & D. Espacios, v. 39, n. 8, p. 12, 2018.

BORSATTO JR, J. L.; CORREIA, E. F.; GIMENES, R. M. T. Avaliação de Empresas pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado: o caso de uma indústria de ração animal e soluções em homeopatia. Revista Contabilidade Vista & Revista. v. 26, n. 2, p. 90-113, maio/ago. 2015. ISSN 0103-734X, Universidade Federal de Minas Gerais, 93 Belo Horizonte.

BRASIL. Lei nº. 10.973 de 02 de dezembro de 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Lei/L10.973.htm. Acesso em: 13 set. 2018.

______. Lei nº. 13.243, de 11 de janeiro de 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/lei/l13243.htm. Acesso em: 13 set. 2018.

______. Decreto n. 9.283, de 7 de fevereiro de 2019. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/decreto/d9283.htm. Acesso em: 09 nov. 2019.

CABRERA, E. A. M.; ARELLANO, A. A. Dificultades de la valoración de tecnologías en el ámbito universitario. In: Contaduría y Administración 64(1). 2019, pp. 1-17

CHIESA, V.; GILARDONI, E.; MANZINI, R.; PIZZURNO, E.. Determining the value of intangible Assets – A study and na empirical aplication. In: International Journal of Innovation and Technology Management. V. 5. N. 1. 2008. pp. 123-147.

CLOSS, L.; FERREIRA, G.; SAMPAIO, C.; PERIN, M. Intervenientes na transferência de tecnologia Universidade-Empresa: o caso PUCRS. Revista de Administração Contemporânea, v. 16, n. 1, 2012. P. 59-78.

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE (CFC). NBC TG 04 (R4) – ATIVO INTANGÍVEL. 2017a. Disponível em: http://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?codigo=2017/NBCTG04(R4). Acesso em: 21 set. 2018.

______. NBC TSP 08 – Ativo Intangível. 2017b. Disponível em: http://www2.cfc.org.br/sisweb/sre/detalhes_sre.aspx?Codigo=2017/NBCTSP08&arquivo=NBCTSP08.docx. Acesso em: 26 mar.2019.

COUTO JÚNIOR, C. G.; GALDI, F. C. Avaliação de empresas por múltiplos aplicados em empresas agrupadas com análise de cluster. In: Revista de Administração da Mackenszie. V. 13, N. 5. São Paulo. Set./Out. 2012. p. 135-170.

DE MARCO, A.; SCELLATO, G.; UGHETTO, E.; CAVIGGIOLI, F. Global markets for technology: Evidence from patent transactions. Elsevier. V.46. 2017. p. 1644 – 1654.

DESIDÉRIO, P. H. M., ZILBER, M. A. Barreiras no processo de transferência tecnológica entre agências de inovação e empresas: observações em universidades públicas e privadas. Revista Gestão & Tecnologia. Pedro Leopoldo, v.14, n.2, p. 99-124, 2014.

DOMINGOS, L. W. S. et al. Comparação entre o Método “Tira” de Transferência de Tecnologia e a Gestão dessa Transferência Realizada nas Universidades USP e Unicamp. Cadernos de Prospecção, Salvador, Bahia, v. 11, n. 5, p 1305-1317, dez. 2018.

FANTI, L. D.; DIAS, T. S.; LUCENA, L. P.; REIS, R. A. D. O Uso das Técnicas de Valor Presente Líquido, Taxa de Interna de Retorno e Payback Descontado: um Estudo de Viabilidade de Investimentos no Grupo Breda Ltda. Desafio Online, v. 3, n. 2, p. 1141-1157, 2015. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver/38292/o-uso-das-tecnicas-de-valor-presente-liquido--taxa-de-interna-de-retorno-e-payback-descontado--um-estudo-de-viabilidade-de-investimentos-no-grupo-breda-ltda/. Acesso em: 10 maio 2018.

FERNANDES, L. H. S.; SILVA, A. S.; BARROS JÚNIOR, J. P. Aplicação de opções reais na valoração de uma patente para diagnosticar a dengue. Revista Gestão Industrial, Ponta Grossa, v.7, n.2, p.112-134, 2011.

FERREIRA, A. R. F. Valoração de propriedade intelectual para a negociação e transferência de tecnologia: um estudo aplicado sobre metodologias para a valoração de patentes – o caso NIT/IFBA. Dissertação (Mestrado em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para Inovação) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia. Salvador, 2019.

FERREIRA, C. L. D.; GHESTI, G. F.; BRAGA, P. R. S. Desafios para o processo de transferência de tecnologia na Universidade de Brasília. In: Cadernos de Prospecção. V. 10. N. 3. jul./set. 2017. pp. 341-355.

FERREIRA, M.C.; LUIZ; G.V. Prontidão para tecnologia de pequenos e médios empresários. Revista de Administração da UEG, v.7, n.2 maio/ago. 2016

FUJINO, A.; STAL, E. Gestão da propriedade intelectual na universidade pública brasileira: diretrizes para licenciamento e comercialização. In: Revista de Negócios, v. 12, n. 1, p. 104–120, jan./mar. 2007.

GARNICA, L.A.; TORKOMIAN, A.L.V. Gestão de tecnologia em universidades: uma análise do patenteamento e dos fatores de dificuldade e de apoio à transferência de tecnologia no Estado de São Paulo. Gest. Prod., São Carlos, v. 16, n. 4, p. 624-638, out./dez. 2009.

GUIMARÃES, Y. B.T.; KNIESS, C. T.; MACCARI, E. A.; QUONIAN. L. Valoração de patentes: o caso do núcleo de inovação tecnológica de uma instituição de pesquisa brasileira. Revista Exacta, São Paulo, v. 12, n. 2, p. 161-172, 2014.

GUIMARÃES, Y. B.T. Valoração de Patentes em Universidades Públicas do Estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Nove de Julho. São Paulo, 2013.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). Perguntas frequentes – Patente, 2019. Disponível em: . Acesso em: 25 mar.2019.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA – IFBA. Política de Inovação do IFBA: Aprovada pela Resolução/CONSEPE no. 64, de 17 de outubro de 2019. Disponível em: https://portal.ifba.edu.br/prpgi/noticias/2019/pdf/politica-inovacao-ifba.pdf. Acesso em: 12 nov. 2019.

______. Política de Propriedade Intelectual, Transferência de Tecnologia e Inovação no âmbito do IFBA: Resolução/CONSUP nº 39, de 29/07/2013, Disponível em: https://portal.ifba.edu.br/institucional/consup/resolucoes-2016/resol-no-39.pdf/@@download/file/RESOLU%C3%87%C3%83O%20N%C2%BA%2039.pdf. Acesso em: 10 set. 2019.

ISHII, Y. Valuation of Intellectual Property. Japan Patent Office, Asia - Pacific Industrial Property Center, Japan Institute for Promoting Invention and Innovation, 2017. Disponível em: https://www.jpo.go.jp/torikumi_e/kokusai_e/training/textbook/pdf/Valuation_of_Intellectual_Property.pdf. Acesso em: 10 maio. 2018.

KHOURY, S.; DANIELE, J. Y.; GERMERAAD, P. Selection and Application of Intellectual Property Valuation Methods in Portfolio Management and Value Extraction. les Nouvelles, p. 77-86, September 2001.

LEAL, R. B.; SANTOS, D. F. L. Metodologias para valoração de empresas agroindustriais. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, Salvador, v. 7, n. 3, p. 340-361, set./dez. 2017.

MARTINS, E. Contabilidade de Custos. 11. ed. São Paulo: Atlas, 2018.

MENEZES, C. C. N. M. et al. Prospecção Tecnológica no Brasil: Um mapeamento da propriedade industrial nos Institutos Federais de Educação. Cadernos de Prospecção, Salvador, v. 8, n. 1, p. 19-26, 2015. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/nit/article/view/11587/pdf_85. Acesso em: 26 mar. 2019.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO E COMUNICAÇÃO (MCTIC). Política de propriedade intelectual das instituições científicas e tecnológicas do Brasil: relatório formict 2016. 2017. Disponível em: https://www.mctic.gov.br/mctic/export/sites/institucional/tecnologia/propriedade_intelectual/arquivos/Relatorio-Formict-Ano-Base-2016.pdf. Acesso em: 14 abr. 2019.

MORESI, E. A. D.; BARBOSA, J. A.; BRAGA FILHO, M. O. Modelos para analisar níveis de prontidão de inovação. In: CONFERENCIA IBEROAMERICANA DE COMPLEJIDAD, INFORMÁTICA Y CIBERNÉTICA, 7., 2017, Orlando, FL, USA. Proceedings […]. Orlando: CICIC, 2017. p. 78-81.

MORESI, E.; FILHO, M.; BARBOSA, J. A.; JÚNIOR, M.; MORAIS, M.; SANTOS, J.; LOPES, M. C.; JÚNIOR, W. Análise de Níveis de Prontidão: uma Proposta para Empresas Nascentes. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO EM INVESTIGACIÓN CUALITATIVA, v. 4, 2017. Atas do CIAIQ. Salamanca, Espanha: Universidade de Salamanca, 2017. p. 55-64.

MUNIZ, R. M.R. Manual básico: Propriedade intelectual e transferência de tecnologia. 2. ed. Brasília: Centro de apoio ao desenvolvimento tecnológico, 2013. 129 p.

MURPHY, W.J.; ORCUTT, J.L.; REMUS, P.C. Patent Valuation: Improving Decision Making through Analysis. New Jersey: John Wiley & Sons, Inc., 2012. 379p.

PAIVA, P. H. A.; SHIKI, S. F. N. Método de valoração de patentes para o NIT-UFSJ. Conexões, Ciência e Tecnologia, Fortaleza., v. 11., n. 3, p. 84-92, nov. 2017.

PAKES, P. R. et al. A percepção dos Núcleos de Inovação Tecnológica do estado de São Paulo quanto as barreiras à transferência de tecnologia Universidade-Empresa. TECNO-LÓGICA, Santa Cruz do Sul, v. 22, n. 2, p. 120-127, jul./dez. 2018

PARR, R. Royalty Rates for Licensing Intellectual Property. Nova Jersey: John Wiley & Sons. 2007. 240p.

PIEROZAN, L.; BRUCH, K. L. Análise comparativa entre os INSTDA patente de invenção e de modelo de utilidade e formas de proteção correlatadas: desenho industrial, proteção de novas cultivares e topografia de circuitos integrados. In: VIEIRA, Adriana Carvalho Pinto; ZILLI, Júlio Cesar; BRUCH, Kelly Lissandra (Org.). Propriedade intelectual, desenvolvimento e inovação: ambiente institucional e organizações. Criciúma: EDIUNESC, 2017. p. 382-409. DOI: http://dx.doi.org/10.18616/pidi18.

PITA, A. C. Análise do valor e valoração de patentes: método e aplicação no setor petroquímico brasileiro. Monografia (Graduação em Engenharia de Produção) - Escola Politécnica, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2010.

QUINTAL, R. S.; SILVA, B. R. C. S. R. T. Políticas organizacionais de ciência, tecnologia e inovação e gestão da propriedade industrial: uma análise comparativa em Instituições de Pesquisa. Gestão & Produção. São Carlos. v. 21, n. 4, p. 760-780, 2014.

RIBEIRO, D. L.; LINS, S. J. O.; ALMEIDA, S. C. M.; SOUZA, A. L. R.; TELES, E. O. Avaliação de Empresas pelo Método do Fluxo de Caixa Descontado (FCD): Um estudo em uma Startup na área de Biofármacos. In: Cadernos de Prospecção. Salvador, v. 11, n. 3, p. 705-722, 2018. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/nit/article/view/27033. Acesso em: 28 mai. 2019.

RIBEIRO, N. M. Prospecção Tecnológica. vol. 2. Coleção PROFNIT. Salvador: IFBA, 2019.

RODRIGUES, F. C. R.; GAVA, R. Capacidade de Apoio à Inovação dos Institutos Federais e das Universidades Federais no Estado de Minas Gerais: um Estudo Comparativo. REAd. Revista Eletrônica de Administração, v. 22, n. 1, p. 26-51, 2016.

SAITO, M. B. Teoria das opções reais: uma aplicação considerando-se o valor da flexibilidade gerencial a projetos de investimento em inovação tecnológica. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil, 2010.

SANTIAGO, L. P.; MARTINELLI, M. ELOI-SANTOS, D. T. HORTAC, L. H. A framework for assessing a portfolio of technologies for licensing out. Technological Forecasting & Social Change, v. 99, p. 242-251, 2015.

SANTOS, A.S.; SANTOS, W.P.; SUZART, V.P. Processo de Negociação e Transferência Tecnológica em ICT Multicampi. Riga: Novas Edições Acadêmicas, 2018. 48 p.

SANTOS, D. T. E.; SANTIAGO. Métodos de valoração de tecnologias. Radar Inovação, p. 2-11, 2008.

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM INDUSTRIAL (SENAI).; DEPARTAMENTO NACIONAL (DN). Guia de Aplicação: metodologia para valoração e negociação de PI. Brasília: SENAI/DN, 2018. 62 p.

SILVA, L. C. S. Modelo de transferência de tecnologia verde por intermédio dos núcleos de inovação tecnológica em institutos de ciência e tecnologia brasileiros. 2016. 146 p. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2016. Disponível em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/143711. Acesso em: 10 jul. 2019.

SILVÃO, C.F. Defumador de Pescados. MU8802959-0. Instituto Nacional de Propriedade Intelectual. 2008.11 p.

SOARES, T.; TORKOMIAN, A.L.V.; NAGANO, M.S.; MOREIRA, F.G.P. O sistema de inovação brasileiro: uma análise crítica e reflexões. Interciência, Caracas, v. 41, n.10, p. 713-721, 2016.

SOLANO, L. J. C.; ARIAS, M. A. J.; ABAUNZA, J.; F.; A. Análisis de metodologias de valoración de tecnologia propuestas em la literatura científica. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE GESTIÓN TECNOLÓGICA Y DE LA INNOVACÍON - COGESTEC, 2016. Anais do COGESTEC, 2016. Bucaramanga, Colombia: Asociación Latino-Iberoamericana de Gestión Tecnológica. p. 1-15.

SOUZA, P.M. Modelos de valoração da propriedade intelectual como indutor de transferência de tecnologia em Universidades Públicas. Dissertação (Mestrado em Ciência da Propriedade Intelectual) - Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão, 2016.

SOUZA, R.O. Valoração de ativos intangíveis: seu papel na transferência de tecnologias e na promoção da inovação tecnológica. Dissertação (Mestrado em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos) - Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: http://tpqb.eq.ufrj.br/download/valoracao-de-ativos-intangiveis.pdf. Acesso em: 14 fev.2018.

SULLIVAN, P.H. Rentabilizar el capital intelec¬tual: Técnicas para optimizar el valor de la innovación. Barcelona: Paidós Empresa, 2001. 519p.

TEIXEIRA, L. P.; MELO, R. A. de C.; SILVA, S. A. da. Avaliação e valoração de novas tecnologias: conceitos e diretrizes básicas para o caso das oportunidades de investimento na Rede Passitec. Planaltina, DF: Embrapa Cerrados, 2010. 38 p. (Embrapa Cerrados. Documentos, 287).

TEODORO, A.F.O. Valoração do processo de obtenção e da aplicação da biorremediação com fungos em ambientes impactados por petróleo. Tese (Doutorado em Energia e Meio Ambiente) - Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2015.

VAZ, V. H. S. et al. A agência especial brasileira e as patentes: uma correlação entre investimentos e depósitos entre 2000-2016. 2018. In: RUSSO, S. L.; SILVA, M. B.; SANTOS, V. M. L. (org.). Propriedade Intelectual e Gestão de Tecnologias. Aracaju: Associação Acadêmica de Propriedade Intelectual, 2018. 340p.

VELHO, S. R. K.; SIMONETTI, M. L.; SOUZA, C. R. P.; IKEGAMI, M. Y. Nível de Maturidade Tecnológica: uma sistemática para ordenar tecnologias. Parcerias Estratégicas, Brasília, DF, v. 22, n. 45, p. 119-140, jul./dez. 2017.

WANG, M. Y. The valuation methods and applications for Academic Technologies Taiwan. In: PORTLAND INTERNATIONAL CONFERENCE ON MANAGEMENT OF ENGINEERING AND TECHNOLOGY (PICMET), 2016, Honolulu, Wakwaii, USA. Proceedings […]. Honolulu: IEE, 2016. p. 1320 – 1327.

WIRTZ, H. Valuation of Intellectual Property: A review of approaches and methods. International Journal of Business and Management, v. 7, n. 9, p. 40-48, 2012.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-23.1046

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.