Felicidade no Trabalho: uma comparação com os resultados da pesquisa Guia Você S/A

Elizangela de Jesus Oliveira, Dagmar Silva Pinto de Castro, Móises Coelho, Rute Holanda Lopes, Darly Andrade

Resumo


A felicidade no trabalho, neste estudo, é discutida a partir três dimensões do bem-estar: BEP, BES e BET. Optou-se por utilizar o termo felicidade em detrimento do bem-estar, uma vez que denota uma dimensão mais subjetiva do trabalhador. Buscou-se considerar os aspectos da visão eudaimônica (BEP) e hedônica (BES) e sua relação com o trabalho (BET), para caracterizar o campo científico da felicidade. Objetivo desse estudo é comparar os resultados de uma pesquisa realizada por meio de um questionário de autopreenchimento, em escala Likert de cinco pontos, composto das escalas EBET (PASCHOAL; TAMAYO, 2008) e BET (SIQUEIRA, 1995; SIQUEIRA et al, 2008), respectivamente validadas com os resultados do Índice de Felicidade no Trabalho (IFT) do Guia Exame Você S/A (2016).Os dados da pesquisa secundária utilizou uma amostra composta de 121 respondentes do total de 190 empregados predominantemente do sexo masculino, casados, entre 25 e 35 anos, com ensino médio completo. No que diz respeito às comparações dos achados deste estudo com os índices apresentados pelo Guia Você S/A., a maior parte dos resultados desta pesquisa se equiparou aos do Guia Você S/A (2016). Confirmou-se, ainda a necessidade de a empresa investir na estruturação de uma área de gestão de pessoas, o que já vem sendo motivo de ações de implantação por parte da Distribuidora.


Palavras-chave


Felicidade no Trabalho. Dimensões do Bem-estar. Bem-estar psicológico. Bem-estar subjetivo. Bem-estar no Trabalho.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


AHUVIA, A. et al. Happiness: an interactionist perspective. International Journal of Wellbeing, [S. l.], v. 5, n. 1, p. 1-18, 2015.

ALBURQUERQUE, A.S.; TRÓCCOLI, B.T. Desenvolvimento de uma escala de bem-estar subjetivo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 20, n. 2, p. 153-164, 2004.

AMARAL, D.J.; SIQUEIRA, M.M.M. Relações entre percepção da estrutura organizacional e bem-estar de profissionais de uma em processo de privatizatição. In: CONGRESSO NACIONAL DE PSICOLOGIA DA SAÚDE., 5., 2004, Lisboa. Atas [...]. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004. p. 671-677.

BARBOSA, T.S. Os impactos do balanço emocional, otimismo e percepções de suportes sobre bem-estar no trabalho de agentes comunitários de saúde. Dissertação (mestrado) – Universidade Metodista de São Paulo São Paulo, 2010. 109 p.

DIAS, A. L.; VARELA, M.; COSTA J. L. Excelência organizacional. Lisboa: Bnomics, 2013.

CARRILLO, S. et al. El papel de la dimensión colectiva en el estudio de la felicidad. Revista Colombiana de Psicología, [S.l], v. 26, n. 1, p. 115-129, 2017.

CHIUZI, R.M. As dimensões da organização e seus impactos sobre o bem-estar dos trabalhadores. 2006. Dissertação (mestrado) – Universidade Metodista de São Paulo , São Bernardo do Campo, 2006.

COVACS, J.M.L. Bem-estar no trabalho: o impacto dos valores organizacionais, percepção de suporte organizacional e percepção de justiça. Dissertação (mestrado) - Universidade Metodista de São Paulo. São Bernardo do Campo, 2006.

CSIKSZENTMIHALYI, M. A psicologia da felicidade. São Paulo: Saraiva, 1992.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Implications of a systems perspective for the study of creativity. In: STERNBERG, R. J. (Ed.). Handbook of creativity. Cambridge: Cambridge University Press, 1999. p. 313-335.

DIENER, E. Subjective well-being. Psychological Bulletin, [S. l.], v. 95, p. 542-575, 1984.

DIENER, E.; OISHI, S.; TAY, L. Advances in subjective well-being research. Nature Human Behaviour, [S.l.], v. 2, n. 4, p. 253-260, 2018. Disponível em: doi:10.1038/s41562-018-0307-6. Acesso em: 30 out. 2018.

FREDRICKSON, B.L. et al. Hostility predicts magnitude and duration of blood pressure response to anger. Journal of Behavioral Medicine, n. 23, p. 229-243, 2000.

FREDRICKSON, B.L. The role of positive emotions in positive psychology: the broaden-and-build of positive emotions. American Psychologist, v. 56, n. 3, p. 218-226, Mar. 2001.

FREDRICKSON, B.L. What good are positive emotions? Review of General Psychology, v. 2, p. 300-319, 1998.

GULYANI, G.; SHARMA, T. Total rewards components and work happiness in new ventures: the mediating role of work engagement. 2018. Disponível em: https://www.emeraldinsight.com/doi/abs/10.1108/EBHRM-12-2017-0063. Acesso em: 31 out. 2018.

GOVAERTS, N.; KYNDT, E.; DOCHY, F. The influence of specific supervisor support types on transfer of training: examining the mediating effect of training retention. Vocations and Learning, [S.l.], v. 11, n. 2, p. 265-288, 2018. Disponível em: doi:10.1007/s12186-017-9190-y. Acesso em: 30 out. 2018.

HAIR JR., J.F. et al. Análise de dados multivariados. 6. ed. Upper Saddle River: Prentice-Hall, 2009.

HILLS, P; ARGYLE, M. Emotional stability as a major dimension of happiness. Pers Individ Dif., [S.l.], v. 31, n. 8, p. 1357-1364, 2001. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/247167115_Emotional_Stability_as_a_Major_Dimension_of_Happiness. Acesso em: 02 maio 2018.

JOY, M. M. High involvement work processes: implications for employee withdrawal behaviors. In: JOY, M. M. (Ed.). Multidisciplinary perspectives on human capital and information technology professionals. [S.l.]: IGI Global, 2018. p. 308-323. Disponível em: https://www.igi-global.com/chapter/high-involvement-work-processes/198263. Acesso em: 30 out. 2018.

KETS DE VRIES, M. F. R. Creating authentizotic organizations: Well-functioning individuals in vibrant companies. Human Relations, [S.l.], v. 54, n. 1, p. 101-111, 2011.

LODAHL, T.M.; KEJNER, M. The definition and measurement of job involvement. Journal of Apply psychology, v. 49, p. 23-33; 1965.

LYUBOMIRSKY, S.; ABBE, A. Positive psychology’s legs. Psychological Inquiry, [S. l.], v. 14, n. 2, p. 132-136, 2003.

MALVEZZI, S. Psicologia organizacional e do trabalho: uma identidade em construção (Tese de livre docência não publicada) - Instituto de Psicologia de São Paulo, São Paulo, 2006.

MATHENY, G. Money not key to happiness, survey finds. The Physician Executive, USA, p. 14-15, 2008.

MOWDAY, R. T.; STEERS, R. M.; PORTER, L.W. The measurement or organizational commitment. Journal of Vocational Behavior, [S.l.], v. 14, p. 224-247, 1979.

OERLEMANS, W. G. M.; BAKKER, A. B. Motivating job characteristics and happiness at work: a multilevel perspective. Journal of Applied Psychology, [S.l.], 2018. Disponível em: doi:10.1037/apl0000318. Acesso em: 30 out. 2018.

OLIVEIRA, E. J. et al. Felicidade no trabalho: o (in)mensurável bem-estar de cada dia. 2016. Disponível em: http://www.anpad.org.br/~anpad/pesquisa_resultado.php. Acesso em: 21 mar. 2018.

PAN, S. et al. The relationships among leisure involvement, organizational commitment and well-being: viewpoints from sport fans in asia. Sustainability, Switzerland, v. 10, n. 3, 2018. Disponível em: doi:10.3390/su10030740. Acesso em: 30 out. 2018.

PALOMERA, R. Educando para la felicidad. In: FERNÁNDEZ-ABASCAL, E. G. (Ed.). Emociones positivas. Madrid: Pirámide, 2009. p. 247-273.

PASCHOAL, T. Bem-estar no trabalho: relações com suporte organizacional, prioridades axiológicas e oportunidades de alcance de valores pessoais no trabalho. Tese (doutorado). UnB-Instituto de Psicologia, Brasília, 2008.

PASCHOAL, T.; TAMAYO, A. Construção e validação da escala de bem-estar no trabalho. Aval Psicol., v. 7, n. 1, p. 11-22, 2008. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712008000100004 . Acesso em: 20 mar. 2018.

PASCHOAL, T.; TORRES, C.; PORTO, J. B. Felicidade no trabalho: relações com suporte organizacional e suporte social. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 14, n. 6, art. 4, p. 1054-1072, 2010.

PINCHEIRA, F. J. D.; GARCES, M. E. C. Effects of organizational climate and psychosocial risks on happiness at work. Contaduria y Administracion, [S.l.], v. 63, n. 4, p. 1-14, 2018. Disponível em: doi:10.22201/fca.24488410e.2018.1142. Acesso em: 30 out. 2018.

RYAN, M.R.; DECI, E.L. On happiness and human potentials: a review of research on hedonic and eudaimonic well-being. Annual Review of Psycology, v. 52, p. 141-166, 2001. Disponível em: http://www.uic.edu/classes/psych/Health/Readings/ Ryan,%20Happiness%20-%20well%20being,%20AnnRevPsy,%202001.pdf. Acesso em: 13 nov. 2017.

SALAS-VALLINA, A.; ALEGRE, J. Unselfish leaders? understanding the role of altruistic leadership and organizational learning on happiness at work (HAW). Leadership and Organization Development Journal, [S.l.], v. 39, n. 5, p. 633-649, 2018. Disponível em: doi:10.1108/LODJ-11-2017-0345. Acesso em: 30 out. 2019.

SELIGMAN, M. E.P.; CSIKSZENTMIHALYI, M. Positive psychology: an introduction. American Psychologist, [S.l.], v. 5, n. 1, p. 5-14, 2000.

SILVÉRIO, W.D. Experiências afetivas no contexto organizacional e seu impacto sobre o bem-estar no trabalho. Dissertação (mestrado) – Universidade Metodista de São Paulo, São Paulo, 2008.

SIQUEIRA, M.M.M. Antecedentes e consequentes do comportamento de cidadania organizacional: a análise de um modelo pós-cognitivo. Tese (doutorado) – Universidade de Brasília, Brasília, 1995.

SIQUEIRA, M.M.M. et al. Satisfação no trabalho. In: SIQUEIRA, M.M.M. (org.). Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 265-274.

SIQUEIRA, M. M. M.; PADOVAM, V. A. R. Bases teóricas de bem-estar subjetivo, bem-estar psicológico e bem-estar no trabalho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 24, n. 2, p. 201-209, 2008. Disponível em www.scielo.br/pdf/ptp/v24n2/09.pdf. Acesso em: 12 set. 2019.

SIQUEIRA, M. M. M.; ORENGO, V.; PEIRÓ, J. M. Novas medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, 2014.

SIQUEIRA, M. M. M.; GOMIDE JÚNIOR, S. J. Vínculos do trabalhador com o trabalho e com a organização. In: ZANELLI, J. C.; BORGES-ANDRADE, J. E.; BASTOS, A. V. B. (org.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 300-330.

SIQUEIRA, M. M. M. et al. Satisfação no trabalho. In: SIQUEIRA, M.M.M. (org.). Medidas do comportamento organizacional: ferramentas de diagnóstico e de gestão. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 265-274.

SEWAYBRICKER, L. E. A felicidade na sociedade contemporânea. 2012.162 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) - Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SEWAYBRICKER, L. E. Felicidade: utopia, pluralidade e política (a delimitação da felicidade enquanto objeto para a ciência). 2017. 186 f. Tese (Doutorado em Psicologia). Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

SINGH, S.; AGGARWAL, Y. Happiness at work scale: construction and psychometric validation of a measure using mixed method approach. Journal of Happiness Studies, [S.l.], v. 19, n. 5, p. 1439-1463, 2018. Disponível em: doi:10.1007/s10902-017-9882-x. Acesso em: 30 out. 2018.

SMITH, M. B. et al. Employee involvement climate, task and citizenship performance, and instability as a moderator. International Journal of Human Resource Management, [S.l.], v. 29, n. 4, p. 615-636, 2018. Disponível em: doi:10.1080/09585192.2016.1184175. Acesso em: 30 out. 2018.

SOUSA, J. M.; PORTO, J. B. Happiness at work: organizational values and person-organizational fit impact. Rev. Paidéia, [S.l.], v. 25, n. 61, p.211-220, May/Aug. 2015.SUMÁRIO EXECUTIVO GUIA VOCÊ S/A. As melhores empresas para você trabalhar. São Paulo: Editora Abril, 2012.

VALENTE, L.E. Bem-estar subjetivo e bem-estar no trabalho em profissionais de educação física. Dissertação (mestrado). Faculdade de Psicologia e Fonoaudiologia da Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2007.

WARR, P. Searching for happiness at work. The Psychologist, v. 20, n. 12, p. 20, dez. 2007. Disponível em: http://www.thepsychologist.org.uk/archive/archive_home .cfm?volumeID=20&editionID=154&ArticleID=1278. Acesso em: 10 out. 2017.

WARR, P.; CLAPPERTON, G. The joy of work? Jobs, happiness and you. New York, NY: Routledge, 2010.

WARR, P. Fuentes de felicidad e infelicidad em el trabajo: una perspectiva combinada. Revista de Psicología del Trabajo y de las Organizaciones, [S.l.], v. 9, n. 3, p. 99-106, 2013. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S157659621370015X. Acesso em: 2 maio 2015.

WATERMAN, A.S. Two conceptions of happiness contrasts or personal expressiveness (eudaimonia) an hedonic enjoyment. Journal of Personality and Social Psychology, v. 6, n. 4, p. 678-691, 1993.

WAAL, A. Increasing organisational attractiveness: The role of the HPO and happiness at work frameworks. Journal of Organizational Effectiveness, [S.l.], v. 5, n. 2, p. 124-141, 2018. Disponível em: doi:10.1108/JOEPP-10-2017-0080. Acesso em: 30 out. 2018.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-19.1038

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.