Perfil do núcleo de inovação tecnológica na gestão da inovação: um estudo na Universidade Federal de Alagoas

Maria Cristina Ferreira Silva Pires, Luciana Peixoto Santa Rita, Antônio Carlos Santos Pires

Resumo


O presente trabalho buscou analisar o perfil institucional do Núcleo de Inovação Tecnológica da Universidade Federal de Alagoas com base no Novo Marco Legal de Ciência, Tecnologia e Inovação. Para isso, a pesquisa classifica-se como pesquisa aplicada com enfoque qualitativo e objetivo exploratório. Trata-se de um estudo realizado na Universidade Federal de Alagoas, tendo como Unidade de investigação a Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPEP), por meio do Núcleo de Inovação Tecnológica (NIT). O levantamento dos dados ocorreu por meio de entrevista com gestores do NIT/UFAL, além da análise à Lei nº 13.243/2016, a Resolução nº 15/2008-CONSUNI/UFAL e a Instrução Normativa nº 01/2008-PROPEP/UFAL, o que permitiu apontar o perfil institucional do Núcleo como “perfil legal” e, em poucos casos, como “perfil administrativo”, devido, sobretudo à falta de pessoal para executar outros perfis, como o “voltado aos negócios”. Por fim, devido à criação recente da maioria dos NITs do País e pela recente regulamentação da nova lei da inovação, o presente trabalho tem sua importância assegurada na medida em que aponta referências para a melhoria do processo de gestão da propriedade intelectual da UFAL e de outras ICTs, sobretudo no que se refere à melhoria do potencial dos NITs para que possam empreender ações mais efetivas com foco na transferência de tecnologias para a geração de inovações que impulsionem o desenvolvimento socioeconômico do país.


Palavras-chave


Novo Marco Legal da Inovação. NIT. CIT. Inovação. Universidades.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Alyrio, R. D. (2009). Métodos e técnicas de pesquisa em administração. Rio de Janeiro: Fundação CECIERJ.

Amadei, J. R. P., & Torkomian, A. L. V. (2009). As patentes nas universidades: análise dos depósitos das universidades públicas paulistas (1995-2006). Ciência da Informação, 38(2), 9-18.

Brasil. (2004, 3 de dezembro). Lei n°. 10.973/2004, de 2 dezembro de 2004. Dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo e dá outras providências. (seção 1, pp. 2). Brasília, DF: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil.

Brasil. (2016, 12 de janeiro). Lei nº 13.243/2016, de 11 de janeiro de 2016. Dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação .... (seção 1, pp.1). Brasília, DF: Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil.

Castro, B. S., & de Souza, G. C. (2012). O papel dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) nas universidades brasileiras. LIINC em Revista, 8(1).

Closs, L. Q., & Ferreira, G. C. (2012). A transferência de tecnologia universidade-empresa no contexto brasileiro: uma revisão de estudos científicos publicados entre os anos 2005 e 2009. Gestão e produção. São Carlos, 19(2), p. 419-432.

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado em 13 setembro, 2017, de http://www.planalto.gov. br/ccivil_03/Constituicao.Constituiçao.htm>.

Decreto n. 5.563, de 11 de outubro de 2005. (2005). Regulamenta a Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004, que dispõe sobre incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no ambiente produtivo, e dá outras providências. Brasília. Recuperado em 10 março, 2013, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5563.htm

Decreto n. 91.146, de 15 de março de 1985. (1985, 15 de março). Cria o Ministério da Ciência e Tecnologia e dispõe sobre sua estrutura, transferindo-lhe os órgãos que menciona, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF. Recuperado em 13 setembro, 2017, de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1980-1989/1985-1987/D91146.htm

Emenda Constitucional n. 85, de 26 de fevereiro de 2015 (2015). Recuperado em 23 abril, 2018, de http://www2.camara.leg.br/legin/fed/emecon/2015/emendaconstitucional-85-26-fevereiro-2015-780176-publicacaooriginal-146182-pl.html>.

Etzkowitz, H. (2016). Innovation lodestar: the entrepreneurial university in a stellar knowledge firmament. Technological Forecasting and Social Change, 123, 122-129.

Felipe, E. S., Pinheiro, A. D. O. M., & Rapini, M. S. (2011). A convergência entre a política industrial, de ciência, tecnologia e de inovação: uma perspectiva neoschumpeteriana e a realidade brasileira a partir dos anos 90. Pesquisa & Debate. Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados em Economia Política., 22(2(40)).

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2017). Sinopse Estatística da Educação Superior 2016. Recuperado em 02 abril, 2018, de http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior

Jornal do Brasil. (2018). Marco legal da inovação estreita relação entre instituições científicas e empresas. Recuperado em 04 junho, 2018, de http://www.jb.com.br/ciencia-e-tecnologia/noticias/2018/03/03/marco-legal-da-inovacao-estreita-relacao-entre-instituicoes-cientificas-e-empresas/

Lemos, D. C.; Cário, S. A. F. (2013). A evolução das políticas de ciência e tecnologia no Brasil e a incorporação da inovação. In: Conferência Nacional Lalics. Rio de Janeiro. Recuperado em 29 de junho, 2019, de www.redesist.ie.ufrj.br/lalics/papers/20_A_Evolucao_das_Politicas_de_Ciencia_e_Tecnolo-gia_no_Brasil_e_a_Incorporacao_da_Inovacao.pdf

Lotufo, R. D. A. (2009). A institucionalização de Núcleos de Inovação Tecnológica e a experiência da Inova Unicamp. Transferência de Tecnologia: estratégias para estruturação e gestão dos Núcleos de Inovação Tecnológica. Campinas: Komedi, 41-74.

Malizia, A. I., Sánchez-Barrioluengo, M., Lombera, G., & Castro-Martínez, E. (2013). Análisis de los Mecanismos de Transferencia Tecnológica entre los Sectores Científico-tecnológico y Productivo de Argentina. Journal of technology management & innovation, 8(4), 103-115.

Matias-Pereira, J., & Kruglianskas, I. (2005). Gestão de inovação: a lei de inovação tecnológica como ferramenta de apoio às políticas industrial e tecnológica do Brasil. RAE-eletrônica, 4(2).

Nazareno, C. (2016). As mudanças promovidas pela Lei nº 13.243, de 11 de janeiro de 2016 (novo marco legal de ciência, tecnologia e inovação) e seus impactos no setor. Recuperado em 16 novembro, 2017, de http://bd.camara.gov.br/bd/handle/bdcamara/28439

Negri, F. de. (2017). Por uma nova geração de políticas de inovação no brasil. In: Turchi, L. M.; Morais, J. M. (Orgs.). Políticas de apoio à inovação tecnológica do Brasil: avanços recentes, limitações e propostas de ações. Brasília: Ipea, 25-46.

Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE). (1997). Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação (3. ed.). Rio de Janeiro: OCDE, EUROSTAT, FINEP.

Plonski, G. A. (2005). Bases para um movimento pela inovação tecnológica no Brasil. São Paulo em perspectiva, 19(1), 25-33.

Portal da Indústria. (2017). Brasil fica estagnado no Índice Global de Inovação. Recuperado em 16 novembro, 2017, de http://www.portaldaindustria.com.br/agenciacni/noticias/2017/06/brasil-fica-estagnado-no-indice-global-de-inovacao/

Prodanov, C. C.; Freitas, E. C. de. (2013). Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico]: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico (2. ed.). Novo Hamburgo: Feevale.

Rauen, C. V. (2016). O novo marco legal da inovação no Brasil: o que muda na relação ICT-Empresa?. Recuperado em 16 novembro, 2017, de http://repositorio.ipea.gov.br/handle/11058/6051.

Salerno, M. S., & Daher, T. (2006). Política industrial, tecnológica e de comércio exterior do governo federal (PITCE): balanço e perspectivas. Brasília: Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial.

Santos, M. E. R., Toledo, P. T. M., & Lotufo, R. de A. (Org.). 2009. Transferência de tecnologia: estratégias para a estruturação e gestão de núcleos de inovação tecnológica. Campinas: Komedi.

Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação. (2013). Plano estadual de ciência, tecnologia e inovação de alagoas. Recuperado em 10 setembro, 2017, de http://www.cienciaetecnologia.al.gov.br/documentos

Torkomian, A. L. V. (2009). Panorama dos núcleos de inovação tecnológica no Brasil. Transferência de tecnologia. Campinas: Komedi, 21-37.

Universidade de São Paulo. (2017). Escola Politécnica da Usp; os benefícios das Leis de Inovação. Recuperado em 30 outubro, 2017, de http://www.poli.usp.br/pt/pesquisa/pad-poli-empresas/47-os-beneficios-das-leis-de-inovacao.html

Universidade Federal de Alagoas. (2008). Instrução Normativa 01/2008 - PROPEP/UFAL - Dispõe sobre a propriedade e a gestão de direitos relativos à Propriedade Intelectual e de Inovação no âmbito da Universidade Federal de Alagoas UFAL, delega competências e dá outras providências. Recuperado em 30 outubro, 2017, de https://ufal.br/arquivos/propep/legislacao/nit/instrucao%20normatica%2001-2008-propep%20-%20sobre%20o%20nit.pdf.

Universidade Federal de Alagoas. (2017). Relatórios de Gestão. Recuperado em 30 outubro, 2017, de https://ufal.br/transparencia/relatorios/gestao/2017/prestacao-de-contas-ordinarias-anual_relatorio-de-gestao-2017.pdf/view

Universidade Federal de Alagoas. (2008). Resolução NIT 15/2008 - Aprova a criação do Núcleo de Inovação Tecnológica da Universidade Federal de Alagoas - NIT/UFAL. Recuperado em 30 outubro, 2017, de http://www.ufal.edu.br/transparencia/institucional/conselhos-superiores/consuni/resolucoes/2008/resolucao-no-15-2008-de-10-03-2008/view




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-16.1000

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.