Análise dos investimentos na capacidade de inovar nos indicadores de risco das empresas brasileiras

Vitor Novelini Belotti, David Ferreira Lopes Santos

Resumo


O investimento na capacidade de inovar tem se tornado uma estratégia recorrente por empresas que buscam liderar o mercado em que atuam. Entretanto, todo investimento também é composto pelo risco, que tende a direcionar e auxiliar os interessados em seu possível retorno. Assumir riscos e mensurar as incertezas decorrentes das decisões tomadas é uma tarefa própria ao investidor, que se guiará através de indicadores para tomar a decisão considerada correta em determinado momento. O objetivo deste trabalho é avaliar o impacto dos investimentos na capacidade de inovar nos indicadores de risco das 146 maiores empresas brasileiras listadas na B3 (Brasil – Bolsa - Balcão), no período de 2012 a 2015, período caracterizado por fortes questões políticas e econômicas. A partir de uma abordagem quantitativa, composta por indicadores de inovação e de risco, e com base no modelo de regressão linear com dados em painel, verificou-se que as variáveis não seguem um padrão linear, ora apresentando determinada relação, seja ela positiva ou negativa, ora o contrário. O fato pode ser decorrente da dispersão dos dados analisados ou das contingências presentes no ambiente em que cada empresa está inserida, visto que o período analisado foi de grande instabilidade política e econômica, influenciando negativamente no cenário organizacional.


Palavras-chave


Investimento em Inovação. Finanças de longo prazo. Desempenho econômico-financeiro. Regressão com dados em painel.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


AMORIM, A. L. C.; LIMA, I. S.; MURCIA, F. D.-R. Análise da relação entre as informações contábeis e o risco sistemático no mercado brasileiro. Revista de Contabilidade e Finanças - USP, São Paulo, v. 23, n. 60, p. 199-211, set./dez. 2012.

ARAÚJO, E. A. T.; OLIVEIRA, V. D. C.; SILVA, W. A. C. CAPM em estudos brasileiros: uma análise da pesquisa. Revista de Contabilidade e Organizações - USP, Ribeirão Preto, v. 6, n. 15, p. 95-122, 2012.

BAÑOS-CABALLERO, S.; GARCÍA-TERUEL, P.; MARTÍNEZ-SOLANO, P. Working capital management, corporate perfomance and financial constraints. Journal of Business Research, v. 67, p. 322-328, 2014.

BARNEY, J.; WRIGHT, M.; KETCHEN Jr, D. J. The resource-based view of the firm: Ten years after 1991. Journal of Management, v. 27, p. 625-641, 2001.

BASSO, L. F. C.; KIMURA, H. O conceito de risco na Visão Baseada em Recursos (RBV): Uma análise exploratória. Revista de Administração do Mackenzie, São Paulo, v. 11, n. 5, p. 82-105, 2010.

BESANKO, D. et al. A Economia da estratégia. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

BOWERS, J.; KHORAKIAN, A. Integrating risk management in the innovation project. European Journal of Innovation Management, v. 17, n. 1, p. 25-40, 2014.

CASSOL, A.; ZAPALAI, J.; CINTRA, R. F. Capacidade absortiva como propulsora da inovação em empresas incubadas de Santa Catarina. Revista de Ciências Administrativas, Fortaleza, v. 23, n. 1, p. 9-41, jan./abr. 2017.

CARVALHO, V. G. Influência das Informações Tributárias na Previsão dos Analistas Financeiros do Mercado de Capitais Brasileiro. 2015. 202 f. Tese (Doutor em Ciências Contábeis). – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Programa Multiinstitucional e InterRegional de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Natal, 2015.

COELHO, A. C. F.; CAMARA, S. F.; BRASIL, A. A coevolução das capacidades tecnológicas entre empresas multinacionais (MNE) e pequenas e médias empresas (PME) de tecnologia da informação e comunicação (TIC) em redes de tecnologia e inovação. Revista Ciências Administrativas, Fortaleza, v. 20, n. 2, p. 558-583, jul./dez. 2014.

CROSSAN, M. M.; APAYDIN, M. A multi-dimensional framework of organizational innovation: A systematic review of the literature. Journal of Management Studies, v. 47, n. 6, p. 1154-1179, 2010.

DAMODARAN, A. Avaliação de investimentos: Ferramentas e técnicas para a determinação do valor de qualquer ativo. 2. ed. Rio de Janeiro: QualityMark, 2010.

DANTHINE, J. P.; DONALDSON, J. B. Intermediate financial theory. 2nd. ed. San Diego: Elsevier, 2005.

ETGES, A. P. B. S.; CORTIMIGLIA, M. N. A systematic review of risk management in innovation-oriented firms. Journal of Risk Research, v. 22, n. 3, p. 364-381, 2019.

GODIN, B. A conceptual history of innovation. In: BATHELT, H.; COHENDET, P.; HENN, S.; SIMON, L. (org.). The elgar companion to innovation and knowledge creation. Cheltenham: Edward Elgar Publishing, 2017. p. 25-32.

GUJARATI, D. Econometria básica. São Paulo: Campus, 2006.

HAIR JR., J. F. et al. Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HSIAO, C. Analysis of panel data. Cambridge: Cambridge University Press, 1986.

ILEVBARE, I. M.; PROBERT, D.; PHAAL, R. Towards risk-aware e roadmapping: Influencing factors and pratical measures. Technovation, v. 34, n. 8, p. 399-409, 2014.

JAFARI, M.; CHADEGANI, A. A.; BIGLARI, V. Effective risk management and company’s performance: Investment in innovations and intellectual capital using behavioral and practical approach. Journal of Economics and International Finance, v. 3, n. 15, p. 780-786, 2011.

JIMÉNEZ-JIMÉNEZ, D.; SANZ-VALLE, R. Innovation, organizational learning, and performance. Journal of Business Research, v. 64, n. 4, p. 408-417 2011.

MARCELINO-SÁBADA, S. et al. Project risk management methodology for small firms. International Journal of Project Management, v. 32, n. 2, p. 327-340, 2014.

MARTIN, N. C.; SANTOS, L. R. D.; DIAS FILHO, J. M. Governança empresarial, riscos e controles internos: a emergência de um novo modelo de controladoria. Revista Contabilidade & Finanças - USP, São Paulo, v. 1, n. 34, p. 7-22, 2004.

MATTA, V. E. D.; OLIVA, F. L.; VASCONCELLOS, E. P. G. D. Identificação e tratamento de riscos no lançamento de um novo produto no mercado aeroespacial. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 1-19, 2015.

MENEZES, U. G. D. et al. Gestão da inovação para o desenvolvimento sustentável: Comportamento e reflexões sobre a indústria química. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 8, n. 4, p. 88-116, 2011.

MEROÑO-CERDÁN, A. L.; LÓPEZ-NICOLÁS, C.; MOLINA-CASTILLO, F. J. Risk aversion, innovation and performance in family firms. Economics of Innovation and New Technology, v. 27, n. 2, p. 189-203, 2018.

MIORANDO, R. F.; RIBEIRO, J. L. D.; CORTIMIGLIA, M. N. An economic-probabilistic model for risk analysis in technological innovation projects. Technovation, v. 34, n. 8, p. 485-498, 2014.

OCDE. Manual de Oslo: Proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. 3. ed. Brasília: FINEP, 2005.

OSORIO, F.; DUPONT, L.; CAMARGO, M.; PALOMINOS, P.; PEÑA, J. I.; ALFARO, M. Design and management of innovation laboratories: Toward a performance assessment tool. Creativity and Innovation Management, v. 28, n. 1, p. 82-100, 2019.

PANG, C.; WANG, Q.; LI, Y.; DUAN, G. Integrative capability, business model innovation and performance: Contingent effect of business strategy. European Journal of Innovation Management, v. 22. n. 3, p. 541-561, 2019.

PRAJOGO, D. I. The strategic fit between innovation strategies and business environment in delivering business performance. International Journal of Production Economics, v. 171, p. 241–249, 2016.

RAMOS, A.; ZILBER, S. N. O Impacto do investimento na capacidade inovadora da empresa. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 303-325, 2015.

SANTOS, D. F. L. et al. Innovation efforts and performances of Brazilian firms. Journal of Business Research, v. 67, n. 4, p. 527-535, abril 2014.

SANTOS, D. F. L.; BASSO, L. F. C.; KIMURA, H. A Estrutura da Capacidade de Inovar das Empresas Brasileiras: uma proposta de construto. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 9, n. 3, p. 103-128, 2012.

SANTOS, D. F. L.; BASSO, L. F. C.; KIMURA, H. The trajectory of the ability to innovate and the financial performance of the Brazilian industry. Technological Forecasting And Social Change, v. 127, p. 258-270, 2018.

SANTOS, M.; SILVA, M. Teoria de precificação por arbitragem: um estudo empírico no setor bancário brasileiro. Revista FAE, Curitiba v. 12, n. 1, p. 55-67, 2009.

SANTOS, J. O. D.; FONTES, R. J. D. S. Análise da relação entre o coeficiente beta, o índice de alavancagem d/e e a taxa de retorno de ações ordinárias de uma amostra de empresas listadas no Ibovespa. Revista Contabilidade Vista & Revista, Belo Horizonte, v. 22, n. 4, p. 173-197, 2011.

SCHUMPETER, J. A. The explanation of the business cycle. Economica, v. 21, p. 286-311, 1927.

SHAFIQUE, M. Thinking inside the box? Intellectual structure of the knowledge base of innovation research (1988–2008). Strategic Management Journal, v. 34, p. 62–93, 2013.

SILVA, F. B.; SANTOS, D. F. L.; RODRIGUES, S. V. Desempenho comparativo das ações de empresas com governança corporativa entre os setores bancário e industrial. Revista do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, Natal, v. 8, n. 2, p. 48-65, 2016.

THEISS, V. et al. Ranking do Índice Brasil de Inovação (IBI) nas atividades industriais e extrativas da região sul do Brasil. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 11, n. 3, p. 79-100, 2014.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2015

WU, D. D. et al. Modeling Technological innovation risks of an entrepreneurial team using system dynamics: An agent-based perspective. Techonological Forecasting and Social Change, v. 77, n. 6, p. 857-869, 2010.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-16.991

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.