Aprendizagem informal: ex-técnicos administrativos x novos gerentes municipais

Adriana Ventola Marra, Riane Rodrigues Lima Silva, Samara de Menezes Lara

Resumo


Objetivou-se neste artigo compreender como técnicos administrativos da administração municipal aprendem a ser gerentes.O referencial teórico foi construído a partir de dois eixos principais: gerente e aprendizagem informal. No aspecto metodológico, utilizou-se uma pesquisa qualitativa descritiva, sendo entrevistados 10 novos gestores de farmácia municipais. A análise de dados se deu por análise de conteúdo, a partir das categorias temáticas propostas por Hill (1993): aprendendo o que significa ser gerente, desenvolvendo o julgamento interpessoal, adquirindo o autoconhecimento, lidando com as tensões e emoções, e gerenciando a transformação. Nos resultados, verificou-se que os novos gerentes aprenderam a função gerencial, principalmente,  através do processo de aprendizagem informal. Os seguintes fatores de maior relevância foram observados no processo de aprendizagem informal: experiências anteriores, experiências do dia a dia, reflexão das ações, autoanálise, interação e colaboração em grupo.


Palavras-chave


administração pública; função gerencial; aprendizagem.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Amaral, R. C. G., & Oliveira, L. B. (2017). Os Desafios da Primeira Gestão: Uma Pesquisa com Jovens Gestores. Revista de Administração Contemporânea, 21(3), 373-392.

Antonello, C. (2004). Alternativas de Articulação Entre Programas de Formação Gerencial e as Práticas de Trabalho: uma contribuição no Desenvolvimento de Competências(Tese de doutorado). Escola de Administração - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo Lisboa: Edições 70.

Bear, D. J., Tompson, H. B., Morrison, C. L., Vickers, M., Paradise, A., Czarnowsky, M., Soyars, M. and King, K. (2008), Tapping the Potential of Informal Learning. An ASTD Research Study (Alexandria, VA: American Society for Training and Development).

Becker, K. & Bish, A. (2017) Management development experiences and expectations: informal vs formal learning, Education + Training, 59(6), 565-578.

Bresser-Pereira, L. C. (1998). A reforma do estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, (45), 49-95.

Bruning, C., Godri, L., & Takahashi, A. R. W. (2018). Triangulação em Estudos de Caso: Incidência, Apropriações e Mal-Entendidos em Pesquisas da Área de Administração. Administração: Ensino e Pesquisa, 19(2), 277-307.

Ckagnazaroff, I. B. (2002, outubro). Reforma gerencial e o papel do gestor público: ator de mudança ou de resistência?VII Congreso Internacional del CLAD sobre la Reforma del Estado y de La Administración Pública, Lisboa, Portugal.

Closs, L., & Antonello, C. (2014). Aprendizagem de Gestores no Contexto das Transformações Contemporâneas no Mundo do Trabalho. Revista de Ciências da Administração, 0, 149 - 163.

Creswell, J. W. (2007). Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e mistos. (2ª. ed.) Porto Alegre: Artmed.

Davel, E., Melo, M., (2005).Singularidades e transformações no trabalho dos gerentes.In E. Davel & M. C.O.L.Melo (Orgs.),Gerência em Ação (1ªed.,pp. 29-66). Rio de Janeiro: Editora FGV.

Esthér, A. B. (2007).A construção da identidade gerencial dos gestores da alta administração das Universidades Federais em Minas Gerais.(Tese de doutorado).Faculdade de Ciências Econômicas - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG,Brasil.

Esther, A. B. (2012). “A primeira vez a gente nunca esquece”: a experiência subjetiva de se tornar gerente pela primeira vez. Abet, XI(2), 112-132.

Fayol, H. (1989).Administração Industrial e Geral. São Paulo: Atlas.

Godoi,C. K., Melo,R. B., Silva,A. B. (Org.) (2006). Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva.

Godoy, A. S., & D’amelio, M. (2012). Competências gerenciais desenvolvidas por profissionais de diferentes formações. Organizações & Sociedade, 19(63), 621-639.

Goulart, A., Leal, R., & Melo, M. (2018). Passado e presente do conceito da função gerencial: uma análise geracional com mulheres gerentes. Revista Gestão & Tecnologia, 18(3), 205-224.

Hill, L. A. (1993). Novos gerentes: assumindo a nova identidade. São Paulo: Makron.

Hill, L. A., & Lineback, K. (2011). Being the boss. Boston: Harvard Business School Press.

Junquilho, G. S.(2004). Nem “burocrata” nem “novo gerente”: o “caboclo” e os desafios do Plano Diretor de Reforma do Estado no Brasil do real. Revista de Administração Pública, 38(1), 137-156.

Junquilho, G.S.,& Melo, M.C.O.L.(1999, setembro). Traços caboclos, gestão e trabalho gerencial no setor público brasileiro: problematização, evidências e proposta de análise. In: XXIII Encontro da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Foz do Iguaçu, RS, Brasil, XXIII.

Heikkinen, S. (2015).Significant Others: The Role of the Spousse in Women and Men Managers Careers in Finland. (Dissertação de Mestrado).Jyvaskylan Y liopisto, Jyvaskyla, Finlândia.

Lang, J.; Marinho, S. V.; Boff, M. L. (2014) Aprendizagem em ação, competências e a relação com a aprendizagem gerencial. Revista Pretexto, 15 (ne), 67-83.

Marques, A. L. (2011). Gerentes em organizações públicas: características do trabalho e contexto profissional. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia, 4(1), 93-103.

Marra, A. V., Freitas, L. M., Faria, J.C.,Lara, S. M., Silva, D. H. Identidade gerencial dos prefeitos: um estudo a partir das práticas discursivas. Revista ADM.MADE,22(3), 22-37.

Mintzberg, H. (1986). Trabalho do executivo: o folclore e o fato.São Paulo: Nova Cultural.

Noe, R. A., Tews, M. J. and Michel, J. W. (2017), Managers’ informal learning: a trait activation theory perspective. International Journal of Training and Development, 21: 1-17.

Portaria n. 7.115, de 11 de junho de 2015 (2015). Cria, no âmbito da Fundação de Assistência Médica e de Urgência de Contagem – FAMUC, o Comitê Municipal de Gestores das Farmácias Distritais, e estabelece normas gerais e procedimentos para o processamento da Gestão das Farmácias Distritais. Diário Oficial de Contagem - Edição 3643. Contagem, MG.

Taylor, F.W. (1966). Princípios de Administração Científica. São Paulo: Atlas.

Van Noy, M., James, H. and Bedley, C. (2016), Reconceptualizing Learning: A Review of the Literature on Informal Learning (Piscataway, NJ: Education and Employment Research Center, Rutgers University).

Yin, R. (2001). Estudo de caso – planejamento e métodos.Porto Alegre: Bookman.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-14.976

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.