Inovação aberta: estratégia propulsora de valor em empresas de base tecnológica

Renata Souza França, Fabio Correa, Eric de Paula Ferreira, Fabrício Ziviani

Resumo


A inovação torna-se ferramenta para geração de ideias, desenvolvimento do capital intelectual e utilização eficiente de recursos. Entretanto, a realidade é a ausência de recursos que viabilizam o processo de inovação. A inovação aberta é uma proposta para criação de valor organizacional, em que as empresas se apoiam. O objetivo desse estudo é determinar quais os fatores advindos da inovação aberta influenciam as Empresas de Base Tecnológica para a criação de valor. Realizou-se uma pesquisa quantitativa e descritiva, com questionário do tipo survey, a colaboradores de Empresas de Base Tecnológica brasileiras. Os resultados apontaram que as redes de conhecimento e o perfil de inovação são necessários para a definição das práticas de inovação aberta e, os fatores de inovação aberta: estabelecimento de parcerias, desenvolvimento de produtos por licenciamento e patentes, spin in e spin off, corporate venturing e cadeia de valor influenciam significativamente a criação de valor organizacional.


Palavras-chave


Valor. Perfil Inovador. Redes. Conhecimento. Inovação Aberta.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ADES, C. et al. Implementing open innovation: the case of Natura, IBM and Siemens. Journal of Technology Management & Innovation, v, 8, p. 12-25. 2013. Número especial.

ARAÚJO, Roberto Pinto; MOTTIN, Antonio Paulo; REZENDE, José Francisco de Carvalho. Gestão do conhecimento e do capital intelectual: mapeamento da produção acadêmica brasileira de 1997 a 2011 nos encontros da Anpad. Organizações & Sociedade, v. 20, n. 65, 2013.

BALDIN, N., MUNHOZ, E. M. Bagatin. Snowball (Bola de Neve): uma técnica metodológica para pesquisa em educação ambiental comunitária. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, 10., 2011, Curitiba. Anais […]. Curitiba: UFPR, 2011. p. 229-341.

BOCKEN, N. M. P. Sustainable venture capital: catalyst for sustainable start-up success? Journal of Cleaner Production, v, 108, p. 647- 658. 2015

BONNER, Bryan L.; BAUMANN, Michael R. Leveraging member expertise to improve knowledge transfer and demonstrability in groups. Journal of Personality and Social Psychology, v. 102, n. 2, p. 337-350, 2012.

BRITO, Renata Peregrino de; BRITO, Luiz Artur Ledur. Competitive advantage and performance: a value creation approach. Revista de Administração Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 360-380, maio/jun. 2012.

CELADON, Kleber Luís. Knowledge Integration and Open Innovation in the Brazilian Cosmetics Industry. Journal Technology Management e Innovation, v. 9, n. 3, p. 34-50, 2014.

CHANDRA, A.; CHAO, C. Growth and evolution of high-technology business incubation in China. Human Systems Management, v. 30, p. 55-69, 2011.

CHEN, Yufen. A study on the modes of open innovation matched with firms' internal capabilities. In: Proceedings of PICMET'14 Conference: PORTLAND INTERNATIONAL CENTER FOR MANAGEMENT OF ENGINEERING AND TECHNOLOGY; INFRASTRUCTURE AND SERVICE INTEGRATION, 2014, Portland. Proceedings […]. Portland: IEEE, 2014. p. 921-931.

CHEN, C.; HUANG, Y. Creative workforce density, organizational slack, and innovation performance. Journal of Business Research, Taiwan, v. 63, p. 411-417, 2010.

CHEN, Lin et al. Negative samples reduction in cross-company software defects prediction. Information and Software Technology, Macau, v. 62, p. 67–77, 2015.

CHESBROUGH, H. W. The era of open innovation. MIT Sloan Management Review, Boston, v. 44, n. 3, p. 35-41, 2003.

CHESBROUGH, H. W. Open Innovation: the new imperative for creating and profiting from technology. Boston: Harvard Business School Press, 2006.

COSTA, Silvia Generali da. Comportamento organizacional-cultura e casos brasileiros. Rio de Janeiro: LTC, 2014.

DESIDERIO, P. H. M.; POPADIUK, S. Redes de inovação aberta e compartilhamento do conhecimento: aplicações em pequenas empresas. Revista de Administração e Inovação, p. 12, n. 2, p. 110-129, 2015.

DIAS, Reinaldo. Cultura organizacional: construção, consolidação e mudanças. São Paulo: Atlas, 2013.

FLORES, R. L. et al. Open computer aided innovation to promote innovation in process engineering. Chemical engineering research and design, Toulouse, n. 103, p. 90-107, 2015.

GUAN, Jiancheng; LIU, Na. Exploitative and exploratory innovations in knowledge network and collaboration network: A patent analysis in the technological field ofnano-energy. Research Policy, v. 45, p. 97–112, 2016.

HEREDERO, Carmen de Pablos. SANTOS, Ignacio Soret; EGUILAZ, Máxima Juliana López-Eguilaz. A model to measure results in open innovation practices. Journal Technology Management Innovation, v. 8, p. 84-92, 2013. Número especial.

HERRERA, Maria Elena Baltazar. Creating competitive advantage by institutionalizing corporate social innovation. Journal of Business Research, n. 68, p. 1468–1474, 2015.

JOHANNSON, M. et al. Space and open innovation: potential, limitations and conditions of success. CtaAstronautica, v. 115, p. 173–184, 2015.

KIM, Junyoung; PARK, Yongtae. The usefulness of patent stage and sectoral pattern in open innovation licensing. Journal Technology Management Innovation, v. 3, n. 4, 2008.

LINDEGAARD, Stefan. The open innovation revolution: essentials, roadblocks and leadership skills. Nova Jersey, EUA: Wiley, 2010.

LIU, F.; ZHENG, G. Open Innovation in Chinese High-tech Enterprises: An Empirical Research Based on Zhejiang Province. Shejiang: School of Management, 2011.

MASSAINI, S.; OLIVA, F. L. Redes de Inovação: a contribuição de parcerias para o desempenho inovador de empresas da indústria elétrica eletrônica brasileira. Brazilian Business Review, Vitória, v. 12, n. 13, p. 17-44, 2015.

MOREIRA, B. et al. As oportunidades e os desafios do open innovation no Brasil. Instituto Inovação. 2008. Disponível em: http://inei.org.br/inovateca/artigos-sobre-empreendedorismo-e-inovacao/as_oportunidades_e_desafios_do_open_innovation_no_brasil.pdf/at_download/file. Acesso em: 19 jun. 2019.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008.

OH TEAK, Eun. Value creation in regional innovation systems: The case of Taiwan's ma-chine tool enterprises. Technological Forecasting & Social Change, v. 100, p. 118-129, Oct. 2015.

OLIVEIRA, S. R. M.; ALVES, J. L. Influência das práticas de open innovation na prospecção de conhecimentos para a criação de valor em ambientes de alta complexidade sob condições de incerteza e imprevisibilidade. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v.11, n. 1, p. 295-318.2013.

ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO – OCDE. Manual de Oslo: Diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. São Paulo: Finep, 2005.

PINHO, M. et al. Empresas de base tecnológica. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, 2005.

PITASSI, Cláudio. A virtualidade nas estratégias de inovação aberta: proposta de articulação conceitual. RAP- Revista de Administração Pública, v. 46, n. 2, p. 619- 641. 2012.

ROMAM, Darlan José et al. Fatores de competitividade organizacional. BBR- Brazilian Business Review, Vitória, v. 9, n. 1, p. 27-46, jan./mar. 2012.

RODRIGUES, Leonel Zezar; MACCARI, Emerson Antonio; CAMPANARIO, Milton de Abreu. Expandingthe open innovation concept: the case of TOTVS s/a. JISTEM - Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação, v. 7, n. 3, p. 737-754, 2010.

SAEBI, T.; FOSS, N. J. Business models for open innovation: Matching heterogeneous open innovation strategies with business model dimensions. European Management Journal, v. 3, p. 201–213, 2015.

SANTOS, D. T. dos S.; PINHO, M. Análise do crescimento das empresas de base tecnológica no Brasil. Produção, v. 20, n. 2, p. 214-223, 2010.

SCHMID, Julia C.; KNIERIM, Andrea; KNUTH, Ulrike. Policy-induced innovations networks on climate change adaptation: an ex-post analysis of collaboration success and its influencing factors. Environmental Science & Policy, v. 56, p. 67-79, Feb. 2016.

SENER, S.; HOBIKOGLU, E. H. Structural effect of enterprises open-closed innovation models tendencies in product output process: a study on the enterprises located in the IMES industrial estate Turkey example. Procedia - Social and Behavioral Sciences, Istanbul, v. 99, p. 986–996, 2013.

SIE, R. L.L. et al. Factors that influence cooperation in networks for innovation and learning. Computers in Human Behavior, n. 37, p. 377-384, 2014.

SIRMON, David G.; HITT, Michael A.; IRELAND, Duane. O gerenciamento de recursos em-presariais em ambientes dinâmicos visando a geração de valor: olhando dentro da caixa preta. In: LACERDA, Daniel Pacheco et al. (org.). Estratégias baseadas em recursos: 15 artigos clássicos para sustentar vantagens competitivas. Porto Alegre: Bookman, 2014. p. 299–331.

STAL, E., NOHARA, J. J.; CHAGAS JUNIOR, M. de F. Os conceitos de inovação aberta e o desempenho de empresas brasileiras inovadoras. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 11, n. 2, p. 295-320, 2014.

VECCHIATO, Riccardo. Creating value through foresight: First mover advantages and strategic agility. Technological Forecasting & Social Change, v. 101, p. 25–36, 2015.

VELIC, Amila; MARJANOVIC, Olivera. Integrating open innovation and business process innovation: Insights from a large-scale study on a transition economy. Information & Management, v. 53, n. 3, p. 398-408, 2016.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2015.

VINZI et al. Handbook of Partial Least Squares. Switzerland: Springer, 2010.

ZIVIANI, F. et al. Gestão da inovação no setor elétrico brasileiro: um estudo das fontes e obstáculos à inovação. In: SANTOS, J. A. C. (org.). TMS Conference Series. Faro, Portugal: Universidade do Algarve, 2016. p. 209-219.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.