A incidência dos mecanismos isomórficos nos processos de autoavaliação institucional

Juliano Reginaldo Corrêa da Silva, Clarissa Carneiro Mussi, Jacir Leonir Casagrande, Maurício Andrade de Lima

Resumo


Os meandros que cercam o processo autoavaliativo institucional, das instituições de ensino superior, têm fomentado inúmeras discussões no universo acadêmico. Parte da doutrina o vê como uma ferramenta geradora de qualidade, outra parte, enxerga-o como uma ferramenta de controle coercitivo. O objetivo deste estudo foi analisar a incidência dos mecanismos isomórficos na realização dos processos autoavaliativos de uma instituição de ensino superior pública, mais especificamente, no que diz respeito à divulgação dos resultados deste processo. O exame dos dados contidos nos relatórios institucionais, efetivou-se por meio de uma análise estatística descritiva de cunho exploratória, tendo o período de estudo compreendido entre os anos de 2012 a 2016, disponíveis no site da instituição analisada. Os resultados apontaram que o processo de autoavaliação institucional tem indícios de mecanismos isomórficos coercitivos e miméticos, carecendo de maiores estudos para confirmar a incidência dos mecanismos isomórficos normativos. Tendo em vista o percentual de não apropriação funcional dos servidores, docentes e técnicos administrativos educacionais, ter ficado acima dos 40% durante o período de estudo, conclui-se que os mecanismos isomórficos coercitivos e miméticos têm influenciado as etapas de realização e divulgação dos resultados do processo autoavaliativo institucional.


Palavras-chave


Teoria Institucional. Avaliação Institucional. Isomorfismo. Autoavaliação Institucional.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ABREU JÚNIOR, N. Sistema de avaliação da educação superior brasileira. Cad. Cedes, v. 29, n. 78, p. 257-269, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v29n78/v29n78a08.pdf. Acesso em: 28 set. 2009.

ALEXANDRINO, M.; PAULO, V. Direito Administrativo Descomplicado. 21. ed. Rio de Janeiro: Método, 2013. 1052 p.

ANDRADE, A. R. A universidade como organização complexa. Revista de Negócios, v. 7, n. 3, p. 15-28, 2002. Disponível em: http://www.spell.org.br/documentos/ver/29272/a-universidade-como-organizacao-complexaAcesso em: 27 set. 2018.

BARREYRO, G. B; ROTHEN, J. C. "SINAES" contraditórios: considerações sobre a elaboração e implantação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior. Educ. Soc., Campinas, v. 27, n. 96, p. 955-977, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000300015&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 out, 2018.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República. [2018]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 10 out. 2018.

BRASIL. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES e dá outras providências. [2004a]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm. Acesso em: 22 ago. 2018.

BRASIL. Portaria nº 2.051, de 9 de julho de 2004. Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. [2004b]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/PORTARIA_2051.pdf. Acesso em: 05 set. 2018.

BRASIL. Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011. Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5o , no inciso II do § 3o do art. 37 e no § 2o do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei no 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei no 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm. Acesso em: 07 set. 2018.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: método qualitativo, quantitativo e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. 296 p.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação da educação superior. Petrópolis: Vozes, 2000. 240 p.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação: políticas educacionais e reformas da educação superior. São Paulo: Cortez, 2003. 200 p.

DIAS SOBRINHO, J. Avaliação ética e política em função da educação como direito público ou como mercadoria? Educ. Soc, v. 25, n. 88, p. 703-725, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302004000300004&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 28 set. 2009.

DIAS SOBRINHO, J. Educação superior, globalização e democratização: qual universidade? Revista Brasileira de Educação, n. 28, p. 164-173, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782005000100014. Acesso em: 26 set. 2018.

DIAS SOBRINHO, J. Qualidade, Avaliação: do SINAES a Índices. Revista da Avaliação da Educação Superior, Campinas; Sorocaba, SP, v. 13, n. 03, p. 817-825, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aval/v13n3/11.pdf. Acesso em: 26 set. 2018.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. The Iron Cage Revisited: Institutional Isomorphism and Collective Rationality in Organizational Fields. American Sociological Review, v. 48, n. 2, p.147-160, abr. 1983. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/2095101?seq=1#metadata_info_tab_contents. Acesso em 15 dez. 2018.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. The New Institutionalism In Organizational Analysis. Chicago: Universidade de Chicago, 1991.

DIMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. A Gaiola de Ferro Revisitada: Isomorfismo Institucional e Racionalidade Coletiva nos Campos Organizacionais. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 2, p.74-89, 2005. Disponível em: https://rae.fgv.br/sites/rae.fgv.br/files/gaiola-ferro-revisitada-isomorfismo-institucional-racionalidade-coletiva-nos-campos-organizacionais_0.pdf. Acesso em: 21 set. 2018.

FÁVERO, P. L.; BELFIORE, P. Manual de Análise de Dados Estatística e Modelagem Multivariada com ExcelⓇ, SPSSⓇ e StataⓇ. São Paulo: Elsevier, 2017. 1.216 p.

FERREIRA, M. S; FREITAS, A. A. S. M. Implicações da avaliação institucional na gestão universitária: a experiência da Universidade Católica do Salvador (UCSAL). Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, v. 22, n. 1, p. 201-221, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aval/v22n1/1982-5765-aval-22-01-00201.pdf. Acesso em: 26 set. 2018.

GOLDFINCH, S.; WALLIS, J. Two myths of convergence in public management reform. Public Administration, v. 88, n. 4, p. 1099-1115, 2010. Disponível em: https://www.researchgate.net/profile/Shaun_Goldfinch/publication/229666318_Two_Myths_Of_Convergence_In_Public_Management_Reform/links/5b4933be0f7e9b4637d5e6c9/Two-Myths-Of-Convergence-In-Public-Management-Reform.pdf?origin=publication_detail. Acesso em 08 set. 2018.

JACOMOSSI, F. A.; CASAGRANDE, R. M.; REIS, L. G. O isomorfismo nos relatórios de sustentabilidade: uma análise das empresas brasileiras que compõem o Dow Jones Sustainability Index. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 4, n. 2, p. 49-54, 2015. Disponível em: http://www.revistageas.org.br/ojs/index.php/geas/article/view/176/pdf. Acesso em: 22 set. 2018.

JULIATTO, C. I. A universidade em busca da excelência: um estudo sobre a qualidade da educação. 2. ed. Curitiba: Champagnat, 2005. 240 p.

JURAN, J.; M. A qualidade desde o projeto: os novos passos para o planejamento da qualidade em produtos e serviços. São Paulo: Pioneira, 1992. 551 p.

KANTER, R. M. Commitment and the Internal Organization of Millennial Movements. American Behavioral Scientist, v. 16, n. 2, p. 219-243, nov. 1972. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/000276427201600205. Acesso em: 09 out. 2018.

LEE, J.; KIM, Y. A stage model of organizational knowledge management: a latent content analysis. Expert Systems with Applications, v. 20, n. 4, p. 299-311, 2001. Disponível em: http://km.tavanir.org.ir/pages/articlesen/13%294.pdf. Acesso em: 09 set. 2018.

LEHFELD, N. A. S. et al. Reflexões sobre o processo de autoavaliação institucional: o olhar de uma comissão própria de avaliação. Avaliação (Campinas), Sorocaba, v. 15, n. 1, p. 177-194, 2010. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-40772010000100010&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 09 set. 2018.

LIMA, P. D. B. Excelência em Gestão Pública: a trajetória e a estratégia do gespública. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2007. 227 p.

MARCONI, M. A., LAKATOS, E. M. Técnicas de Pesquisas. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2008. 457 p.

MEYER, J. W; ROWAN, B. Institutionalized organizations: formal structure as myth and ceremony. American Journal of Sociology, v. 83, n. 2, p. 340-363, 1977. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/2778293?seq=1#page_scan_tab_contents. Acesso em: 22 set. 2018.

NEVES, Clarissa Eckert Baeta. Desafios da educação superior. Sociologias, n. 17, p.14-21, jun. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/soc/n17/a02n17.pdf. Acesso em: 15 nov. 2018.

NUNES, E. B. L. L. P; PEREIRA, I. C. A; PINHO, M. J. A responsabilidade social universitária e a avaliação institucional: reflexões iniciais. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior, v. 22, n. 1, p. 165-177, 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/aval/v22n1/1982-5765-aval-22-01-00165.pdf. Acesso em: 26 set. 2018.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação do conhecimento na empresa. São Paulo: Elsevier, 1997. 380 p.

NONAKA, I.; VON KROGH, G.; VOELPEL, S. Organizational knowledge creation theory: Evolutionary paths. Organization studies, v. 27, n. 8, p. 1179-1208, 2006. Disponível em: http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/0170840606066312. Acesso em: 08 set. 2018.

QUINELLO, R. A Teoria Institucional Aplicada à Administração: entenda como o mundo invisível impacta na gestão dos negócios. São Paulo: Novatec Editora, 2007. 176 p.

RIBEIRO, M. L. A sustentabilidade ambiental como isomorfismo institucional: um estudo dos mecanismos de adaptação que conduzem a similaridade do setor bancário brasileiro. 2011. 97 p. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Nove de Julho, São Paulo, 2011.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/71721/40667. Acesso em 11 set. 2018.

SCOTT, J. Institutions and Organizations. 4. ed. Newbury Park, Califórnia: Sage Publications, 2013. 360 p.

SGUISSARDI, V. Universidade pública estatal: entre o público e privado/mercantil. Educação & Sociedade, v. 26, n. 90, p. 191-222, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302005000100009&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 26 set. 2018.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. D. P. B. Metodologia de pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013. 624 p.

SORDI, M. R. L. de. Comissão Própria de Avaliação (CPA): similaridades e dessemelhanças no uso da estratégia na educação superior e em escolas do ensino fundamental. Revista Avaliação, Rio de Janeiro, v.16, n.3, nov. 2011. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-40772011000300006&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 01 set. 2018.

UNITED NATIONS CHILDREN'S FUND. Monitoring and Evaluation. [2005]. Disponível em: https://www.unicef.org/evaluation/files/ME_PPP_Manual_2005_013006.pdf. Acesso em: 05 set. 2018.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 16. ed. São Paulo: Atlas, 2016. 104 p.

WARKEN, M.; LIANI, I.; KLAN, R C. Sustentabilidade ambiental: um estudo sob a perspectiva da teoria institucional. Contabilidad y Negocios, v. 9, n. 18, p. 99-113, 2014. Disponível em: http://www.redalyc.org/html/2816/281636188007/. Acesso em: 22 set. 2018.

WILLIAMS, Z. et al. Why all the changes? An institutional theory approach to exploring the drivers of Supply Chain Security (SCS). International Journal of Physical Distribution &Logistics Management, v. 39, n. 7, p. 595-618, 2009. Disponível em: https://www.emeraldinsight.com/doi/full/10.1108/09600030910996279?fullSc=1&fullSc=1&fullSc=1&fullSc=1&mbSc=1&. Acesso em: 22 set. 2018.

ZUCKER, L. G. Institutional Theories of Organization. Annual Review of Sociology, v. 13, p. 443-464, 1987. Disponível em: https://www.annualreviews.org/doi/pdf/10.1146/annurev.so.13.080187.002303#article-denial. Acesso em: 24 set. 2018.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2019.v9n3.p173-186.903

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.