Características essenciais do microempreendedor individual de Boa Vista – RR

Eduardo Codevilla Soares, Daniel Alves da Rocha Araújo, Victor Emanuel de Jesus Belém, Wellerson Costa Pinho

Resumo


O presente estudo tem o objetivo de analisar as características essenciais do microempreendedor individual de Boa Vista – RR. A pesquisa possui linha qualitativa exploratória. A seleção de entrevistados baseou-se por conveniência. Entrevistou-se doze profissionais, divididos em três categorias: analistas do SEBRAE, MEIs e contadores. O levantamento de dados deu-se por meio de entrevista semiestruturada e analisado pelo conteúdo das respostas. Os resultados permitiram destacar que as características planejamento, detecção de oportunidade, sociabilidade, inovação, assunção de riscos calculados, persistência, além de determinação, audácia e busca por informações são essenciais ao Microempreendedor Individual boa-vistense. Recomenda-se que em pesquisa futura, a mesma seja reaplicada em outros munícipios de Roraima criando, assim, um panorama estadual do MEI. Ou ainda, sugere-se que a mesma seja desenvolvida utilizando o método quantitativo, com objetivo de verificar se a estrutura de análise proposta se aplica aos MEIs de Boa Vista-RR de forma mais ampla.


Palavras-chave


MEI. Empreendedorismo. Perfil Empreendedor.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Audretsch, D. B., & Feldman, M. (1996). R&D spillovers and the geography of innovation and production. Disponível em: . Acesso em 16 de janeiro de 2018.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: . Acesso em: 04 de abril de 2018.

Brasil. Lei Complementar N° 123/2006, de 14 de dezembro de 2006. Institui o estatuto nacional da microempresa e da empresa de pequeno porte e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em 02 de março de 2018.

Brasil. Lei Complementar N° 128/2018, de 19 de dezembro de 2008. Dispõe sobre os MEIs. Disponível em: . Acesso em 02 de fevereiro de 2018.

Brasil. Lei Complementar Nº 139, de 10 de novembro de 2011. Altera dispositivos da Lei Complementar no 123, de 14 de dezembro de 2006, e dá outras providências. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/lcp/Lcp139.htm>. Acesso em 05 de fevereiro de 2018.

Chiavenato, I. (2003). Introdução à teoria geral da administração: uma visão abrangente da moderna administração das organizações (7ª ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Cunningham, J. B., & Lischeron, J. (1991). Defining entrepreneurship. Journal of Small Business Management, 29, p. 45-61.

Dornelas, J. C. (2014). Empreendedorismo: transformando ideias em negócios (5ª ed.). Rio de Janeiro: Empreende/ LTC.

Dornelas, J. C. (2015). Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovar e se diferenciar na sua empresa (3ª ed.). Rio de Janeiro: LTC.

Drucker, P. F. (1986). Inovação e espírito empreendedor (entrepreneurship): práticas e princípios. São Paulo: Thompson/Pioneira.

Filion, L. J. (2000). Empreendedorismo e gerenciamento: processos distintos, porém complementares. Disponível em: . Acesso em 14 de Janeiro de 2018.

Flick, U. (2013). Introdução à metodologia de pesquisa: um guia para iniciantes (1ª ed.). Porto Alegre: Penso.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa (5ª ed.). São Paulo: Atlas.

Gil, A. C. (2010). Métodos e técnicas de pesquisa social (6ª ed.). São Paulo: Atlas.

Global Entrepreurship Monitor. (2013). Empreendedorismo no Brasil. Curitiba: IBQP.

Hashimoto, M. (2006). Espírito empreendedor nas organizações: Aumentando a competitividade através do intraempreendedorismo. São Paulo: Saraiva.

Hisrich, R. D., & Peters, M. P. (2004). Empreendedorismo (5ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hisrich, R. D., Peters, M. P., & Shepherd, D. A. (2009). Empreendedorismo (7ª ed.). Porto Alegre: Bookman.

Hisrich, R. D., Peters, M. P., & Shepherd, D. A. (2014). Empreendedorismo (9ª ed.). Porto Alegre: AMGH.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2008). Índice de trabalho e rendimento/economia informal urbana. Disponível em: . Acesso em 03 de janeiro de 2018.

Julião, F., Leone, R. J. G., & Veiga Neto, A. R. (2014). Fatores determinantes da satisfação de usuários do programa microempreendedor individual. Disponível em:

. Acesso em 15 de janeiro de 2018.

Leite, F. T. (2008). Metodologia científica: métodos e técnicas de pesquisa: monografias, dissertações, teses e livros (2ª ed.). São Paulo: Ideias e Letras.

Longenecker, J. G., Moore, C. W., & Petty, J. W. (1997). Administração de pequenas empresas: ênfase na gerencia empresarial. São Paulo: Makron Books.

Lopes, L. C., Siqueira, K. P. S., Vieira, E. M. M., & Freitas, M. A. L. (2014). Adoção de práticas de controles financeiros e não financeiros por microempreendedores individuais. Disponível em: . Acesso em 12 de janeiro de 2018.

Maloney, W. F. (1999). Does informality imply segmentation in urban labor markets? Evidence from sectoral transitions in Mexico. Disponível em: . Acesso em 08 de janeiro de 2018.

Markman, G. D., & Baron, R. A. (2003). Person-entrepreneurship fit: why some people are more successful as entrepreneurs than others. Disponível em:

. Acesso em 12 de janeiro de 2018.

Mccarthy, B. (2003). The impact of the entrepreneur’s personality on the strategy-formation and planning process in SME. Disponível em: . Acesso em 10 de janeiro de 2018.

International Labour Office. (2018). Women and men in the informal economy: a statistical Picture. (3ª edição). Geneva: ILO.

Oliveira, F. (2005). Crítica à razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo.

Oreiro, J. L. (2017). A grande recessão brasileira: diagnóstico e uma agenda de política econômica. Disponível em: . Acesso em 13 de janeiro de 2018.

Portugal, N. S., Silva, S. S., Portugal Júnior, P. S. & Alves, A. F. (2017). Microempreendedores individuais: um estudo sobre suas ações e percepções frente às exigências do desenvolvimento sustentável. Disponível em: . Acesso em 12 de janeiro de 2018.

Receita Federal do Brasil. (2018). Relatórios estatísticos. Disponível em: . Acesso em 30 de junho de 2018.

Reynolds, P. D., Storey, D. J., & Westhead, P. (1994). Cross national comparison of the variation on the new firm formation rates. Disponível em: . Acesso em 12 de janeiro de 2018.

Schmidt, S., & Bohnenberger, M. C. (2009). Perfil empreendedor e desempenho organizacional. Disponível em: . Acesso em 03 de março de 2018.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE. (2016). Perfil do microempreendedor individual 2015. Disponível em: . Acesso em 03 de abril de 2018.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE. (2017). Pesquisa MEI 2017. Disponível em: . Acesso em 03 de abril de 2018.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE. (2018). Perfil do MEI. Disponível em: . Acesso em 03 de abril de 2018.

Silva, A. B., Lopes, J. E. G., Ribeiro Filho, J. F., & Pederneiras, M. M. M. (2010). Um estudo sobre a percepção dos empreendedores individuais da cidade de Recife quanto à adesão a Lei do micro empreendedor individual (Lei MEI 128/08). Disponível em: . Acesso em 18 de fevereiro de 2018.

Soares, M. A. T. (2008). Trabalho informal: da funcionalidade à subsunção ao capital. Vitória da Conquista, BA: Editora da UESB.

Souza, E. C. L., Souza, C. C. L., Assis, S. A. G., & Zerbini, T. (2004). Métodos e técnicas de ensino e recursos didáticos para o ensino do empreendedorismo em IES brasileiras. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Curitiba, PR, Brasil, 28.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2019.v9n3.p85-97.892

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.