Diagnóstico de gestão do conhecimento: o caso de uma organização de pesquisa e desenvolvimento

Denise de Cuffa, Rejane Costa, Cleverson Tabajara Vianna, Dorzeli Salete Trzeciak, Fernando Ostuni Gauthier

Resumo


O conhecimento é reconhecido como um importante recurso para que as organizações se tornem competitivas em seu mercado de atuação. A gestão desse recurso consiste em uma prática adotada pelas organizações para a busca de eficiência e efetividade dos seus processos. Essa pesquisa realizou um diagnóstico de gestão do conhecimento em uma organização de pesquisa e desenvolvimento de Florianópolis. É uma pesquisa de natureza aplicada, com abordagem qualitativa e descritiva. Foi aplicado o modelo de diagnóstico de gestão do conhecimento proposto por Bukowitz e Williams (2002) a cinco dirigentes de uma organização de pesquisa e desenvolvimento, intensiva em conhecimento. Os resultados demonstram que a gestão do conhecimento da organização apresentou baixa avaliação, a partir da percepção dos dirigentes pesquisados. A maior parte dos resultados abaixo da média encontra-se em seções pertencentes ao nível tático do processo de gestão do conhecimento (Obtenha, Aprenda e Contribua). Apenas a Seção Utilize foi melhor avaliada pelos dirigentes. No nível estratégico, destaca-se a Seção Avalie com o menor resultado e a Seção Construa/Mantenha como a seção melhor avaliada. Por meio do diagnóstico realizado foi elaborado um programa de ações visando a melhoria das seções que apresentaram baixa avaliação.


Palavras-chave


Gestão do conhecimento. Diagnóstico de gestão do conhecimento. Organização intensiva em conhecimento.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ALVESSON, M. Knowledge work and knowledge – intensive firms. Oxford: Oxford University Press, 2004.

BRITO, L. M. P.; OLIVEIRA, P. W. S.; CASTRO, A. B. C. Gestão do conhecimento numa instituição pública de assistência técnica e extensão rural do Nordeste do Brasil. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 46, n. 5, p. 1341-1366, 2012.

BUKOWITZ, W. R.; WILLIAMS, R. L. Manual de gestão do conhecimento: ferramentas e técnicas que criam valor para a empresa. Porto Alegre: Bookman, 2002.

COSTAL, G. C. S. Z; MARTINS, R. A. Dificuldades na informatização de um sistema de gestão da qualidade baseado na norma ABNT ISO 9001. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 31., 2011, Belo Horizonte. Anais [...]. Belo Horizonte: ABEPRO, 2011.

CHONG, S. C.; CHOI, Y. S. Critical Factors In The Successful Implementation Of Knowledge Management. Journal of Knowledge Management Practice, [S.I.], v. 6, [não paginado], 2005.

DALKIR, K. Knowledge management in theory and practice. Boston: Elsevier, 2005.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

FLEURY, M. T. L.; OLIVEIRA JR., M. M. (Org.). Gestão estratégica do conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Atlas, 2001.

FOSS, N. J. New Organizational forms: critical perspectives. International Journal of the Economics of Business, [S.I.], v. 9, n. 1, p. 1-8, 2002.

______. The Emerging Knowledge Governance Approach: challenges and characteristics. Organization, London, v. 14 n. 1, p. 29-52, 2007.

GARCIA, O. P. G.; COLTRE, S. M. Knowledge management as a determining factor in the retention of professionals in the industry: a case study in an organization in the furniture industry. Brazilian Business Review (Portuguese Edition), Vitória, v. 14, n. 2, p. 182-203, 2017.

JANUZZI, C. S. C.; FALSARELLA, O. M.; SUGAHARA, C. R. Gestão do conhecimento: um estudo de modelos e sua relação com a inovação nas organizações. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 21, n. 1, p. 97-118, jan./mar. 2016.

LANGLOIS, R. N. The vanishing hand: the changing dynamics of industrial capitalism. Industrial and corporatechange, [S.I.], v. 12, n. 2, p. 351-385, 2003.

MADHOK, A. Crossroads – the organization of economic activity: transaction costs, firm capabilities, and the nature of governance. Organization Science, [S.I.], v. 7, n. 5, p. 577-590, 1996.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas 2003.

NADAI, F. C. Uma análise crítica do termo “organizações intensivas em conhecimento”. Revista Gepros – Gestão de Produção, Operações e Sistemas, Bauru, SP, v. 2, n. 3, p. 97-106, 2006.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

OLIVA, F. L. Knowledge management barriers, practices and maturity model. Journal of Knowledge Management, [S.I.], v. 18, n. 6, p. 1053-1074, 2014.

SCHOLL, W. et al. The future of knowledge management: an international Delphi study. Journal of knowledge management, [S.I.], v. 8, n. 2, p. 19-35, 2004.

SOUZA, A. M.; KURTZ, D. J. Análise de modelos para a Gestão do conhecimento organizacional: o caso serviço social da indústria-SESI/PE. International Journal of Knowledge Engineering and Management (IJKEM), Florianópolis, v. 3, n. 6, p. 64-88, 2014.

VASCONCELOS, A. C. F.; CÂNDIDO, G. A. Diagnóstico de gestão do conhecimento como mecanismo para criação de valor: um estudo exploratório no SEBRAE-PB. In: SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, 25., Brasília, 2008. Anais [...]. Brasília: SEBRAE-PB, 2008.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2019.v9n2.p40-50.841

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.