Análise econômica financeira do emprego de cobertura vegetada em edifícios públicos

Renata Vieira Kock, Viviane Theiss, Sergio Parizotto Filho

Resumo


O desempenho térmico de uma edificação é relacionado diretamente aos materiais que é composto. A cobertura é a parte da envoltória que está mais exposta à radiação solar direta e com isso tem forte influência sobre a transferência de calor aos ambientes internos. A cobertura vegetada é sugerida como tecnologia para o auxílio da redução do consumo energético em edificações. Esta pesquisa refere-se a um estudo de caso hipotético sobre a aplicabilidade de um sistema de cobertura vegetada em um edifício de uso educacional público (laboratórios de informática) na cidade de Florianópolis, no período de um ano letivo. Para atingir os objetivos deste estudo foi realizada simulação numérica, em 3 situações propostas, através do programa EnergyPlus, orçamento de materiais através do SINAPI, determinação de uma taxa mínima de atratividade e aplicação de técnicas de análise de viabilidade econômico financeiras (VPL, Payback e TIR). A máxima economia com o consumo de energia elétrica para resfriamento foi de 8,7%. Como resultado verificou-se que o orçamento da cobertura vegetada tem seu custo aproximadamente três vezes maior que o da cobertura convencional de fibrocimento. Para todas as situações obteve-se Valor Presente Líquido (VPL) negativo e a Taxa Interna de Retorno (TIR) não superou a Taxa Mínima de Atratividade (TMA) determinada. Na situação com melhor desempenho térmico, para que o investimento inicial fosse completamente recuperado, ou seja, ter seu VPL zerado na data limite, ainda faltaria recuperar 27% do investimento.


Palavras-chave


Viabilidade Econômica Financeira. Telhado verde. Desempenho Térmico.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ABEL, David de Campos et al. Análise da viabilidade econômico-financeira da implantação de energia solar fotovoltaica no Hotel Praiano (Tapes/RS). In: Encontro Internacional sobre Gestão Ambiental e Meio Ambiente, 21., 2019, São Paulo. São Paulo: Anais Engema, 2019. p. 1-11. Disponível em: http://engemausp.submissao.com.br/21/anais/arquivos/214.pdf. Acesso em: 10 set. 2020.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15.220-2: Desempenho térmico de edificações - Parte 2: Métodos de cálculo da transmitância térmica, da capacidade térmica, do atraso térmico e do fator solar de elementos e componentes de edificações. Rio de Janeiro, 2005ª.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15.575-1: Edificações Habitacionais – Desempenho. Parte 1: Requisitos Gerais. Rio de Janeiro, 2013.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 15.575-5: Edificações Habitacionais – Desempenho. Parte 1: Requisitos para sistemas de coberturas. Rio de Janeiro, 2013.

ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 16401-2: Instalações de ar-condicionado - Sistemas centrais e unitários - Parte 2: Parâmetros de conforto térmico. Rio de Janeiro, 2008.

AGOPYAN, V.; JOHN, V.M. O desafio da Sustentabilidade na Construção Civil. São Paulo: Blucher, 2011.

ANEEL. Postos Tarifários. Disponível em: http://www.aneel.gov.br/postos-tarifarios Acesso: 25 abr. 2019.

BAETA, A. P. Orçamento e Controle de Preços de Obras Públicas. São Paulo: Pini, 2012.

BALANÇO ENERGÉTICO ANUAL, 2018. Disponível em: http://epe.gov.br/sites-pt/publicacoes-dados-abertos/publicacoes/PublicacoesArquivos/publicacao-377/topico-494/BEN%202019%20Completo%20WEB.pdf. Acesso em: 12 dez 2019;

BORDEAUX-RêGO, R. et al. Viabilidade Econômico-Financeira de Projetos. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

BRASIL. Decreto nº 25.899, de 24 de março de 2015. Regulamenta O Art. 5º da Lei Nº 8.474, de 02 de outubro de 2013, e Institui O Programa de Certificação Sustentável "IPTU Verde" em Edificações no Município de Salvador, Que Estabelece Benefícios Fiscais Aos Participantes do Programa, Assim Como O Art. 5º da Lei Nº 8.723, de 22 de Dezembro de 2014, e Dá Outras Providências. Salvador. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/ba/s/salvador/decreto/2015/2589/25899/decreto-n-25899-2015-regulamenta-o-art-5-da-lei-n-8474-de-02-de-outubro-de-2013-e-institui-o-programa-de-certificacao-sustentavel-iptu-verde-em-edificacoes-no-municipio-de-salvador-que-estabelece-beneficios-fiscais-aos-participantes-do-programa-assim-como-o-art-5-da-lei-n-8-723-de-22-de-dezembro-de-2014-e-da-outras-providencias Acesso em: 3 set 2018.

BRASIL. Instrução Normativa 02, de 04 de junho de 2014. Dispõe sobre regras para a aquisição ou locação de máquinas e aparelhos consumidores de energia pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional, e uso da Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (ENCE) nos projetos e respectivas edificações públicas federais novas ou que recebam retrofit. Disponível em: https://www.comprasgovernamentais.gov.br/index.php/legislacao/instrucoes-normativas/304-instrucao-normativa-n-2-de-04-de-junho-de-2014. Acesso em: 3 set. 2018.

BRASIL. Lei 18.112, de 12 de janeiro de 2015. Dispõe sobre a melhoria da qualidade ambiental das edificações por meio da obrigatoriedade de instalação do "telhado verde", e construção de reservatórios de acúmulo ou de retardo do escoamento das águas pluviais para a rede de drenagem e dá outras providências. Disponível em: http://www.normasbrasil.com.br/norma/lei-18112-2015-recife_280138.html. Acesso em: 2 set. 2018.

CLIMATE ONE BUILDING. Arquivo Precipitação Florianópolis. Disponível em: http://climate.onebuilding.org/WMO_Region_3_South_America/BRA_Brazil/index.html. Acesso em: 07 abr. 2019.

CAPOZZOLI A.; GORRINO A.; CORRADO V. Thermal characterization of green roofs through dynamic simulation. In: CONFERENCE OF INTERNATIONAL BUILDING PERFORMANCE SIMULATION, 13., 2013, França. Proceedings […] França: [s.n.], 2013.

CELESC. Tarifas. Disponível em: http://www.celesc.com.br/portal/index.php/duvidas-mais-frequentes/ 1140-tarifa?fbclid=IwAR1kd-TBXjHuiqqor8eQ-yX2CHfpeqGaqEHWexNM2eQr4ehtIVwqcc9pcto Acesso em: 27 abr. 2019.

COSTA, L. M. O.; LIMA, F. R. S. Economia de energia com ar condicionado proporcionada por telhados verdes e refletivos em diferentes climas do brasil. Encac: ELACAC, Balneário Camboriú, p.1547-1556, set. 2017.

DALFOVO, Wylmor Constantino Tives et al. A Viabilidade Econômica da implantação de Energia Solar Fotovoltaica para a redução dos custos com energia elétrica das famílias com diferentes níveis de renda: uma análise para a região norte de Mato Grosso. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 118-143, set. 2019.

DASSI, Jonatan Antonio et al. Análise da viabilidade econômico-financeira da energia solar fotovoltaica em uma Instituição de Ensino Superior do Sul do Brasil In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CUSTOS, 22., 2015, Foz do Iguaçu. Anais XXII Congresso Brasileiro de Custos Foz do Iguaçu:, 2015. p. 1-16.

DELBONO, B. F.; RODRIGUES, F. S. Os aspectos jurídicos da sustentabilidade na construção civil e a importância do incentivo governamental na utilização de materiais sustentáveis. Congresso Luso Brasileiro de Materiais de Construção Sustentável, p.167-174, mar. 2014.

DIAS, A. E. O desempenho térmico de uma cobertura verde em simulações computacionais em três cidades brasileiras. 2016. 190 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

ELETROBRÁS - Centrais Elétricas Brasileiras S. A., PROCEL - Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica. Pesquisa de Posse de equipamentos e Hábitos de Uso - Ano base 2005 – Casse Comercial – Instituições de Ensino – Relatório Brasil. Rio de Janeiro, 2007.

FERRAZ, I. L. O desempenho térmico de um sistema de cobertura verde em comparação ao sistema tradicional de cobertura com telha cerâmica. Dissertação (Mestrado) – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. São Paulo – SP, 2012.

FREZATTI, Fábio. Gestão da Viabilidade Econômico-Financeira dos Projetos de Investimento. São Paulo: Atlas, 2008.

GABC. 2019 Global Status Report for Buildings and Construction. United Nations Environment Programme: IEA, 2019.

GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 2002.

INMETRO. Tabela de eficiência energética. Disponível em: http://www.inmetro.gov.br/consumidor/pbe/condicionadores_ar_split_hiwall_indicenovo.pdf. Acesso em: 17 abr. 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL. RTQ-C: Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas. Rio de Janeiro: Procel Edifica, 2010.

IPEA. Sustentabilidade ambiental no Brasil: biodiversidade, economia e bem-estar humano. Brasília: Governo Federal, 2010. 640 p.

KLEIN, L. B. Controle qualitativo e quantitativo do escoamento pluvial em diferentes tipos de cobertura. 2017. 181 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

KREUZ, Carlos Leomar et al. Custos de produção, expectativas de retorno e de riscos do agronegócio da uva na região dos Campos de Palmas. Revista Alcance, Itajaí, v.11, n.2. p. 239-258, maio/ago. 2004. Disponível em: https://siaiap32.univali.br/seer/index.php/ra/article/view/1807/1435 Acesso em: 10 set. 2020.

KUMAR, V. V.; MAHALLE, A. M. Investigation of the thermal performance of green roof on a mild warm climate. International Journal of Renewable Energy Research, v. 6, n. 2, p. 487–493, 2016

LAMBERTS, R.; DUTRA, L.; PEREIRA, F. O. R. Eficiência Energética na Arquitetura. 3. ed. Florianópolis: ELETROBRAS/PROCEL, 2014.

LAPPONI, Juan Carlos. Projetos de investimento na empresa. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007. 322 p.

LIZ, D. G. S. Análise experimental do comportamento térmico do telhado verde extensivo para Florianópolis. 2016. 111 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

LUCHEZZI, C. Logística Reversa na Construção Civil. São Paulo: Haryon, 2017

MACHADO, A. F. et al. Telhado verde: uma alternativa sustentável para o século XXI. Synergismus Scyentifica Utfpr, Pato Branco, v. 12, n. 1, p.176-182, nov. 2017.

MARTINELLI, Gabrielli do Carmo et al. Viabilidade econômica de sistema de aquaponia, no município de são josé dos pinhais, paraná. In: ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO AMBIENTAL E MEIO AMBIENTE, 21., 2019, São Paulo. Anais Engema. São Paulo: 2019. p. 1-17. Disponível em: http://engemausp.submissao.com.br/21/anais/arquivos/383.pdf. Acesso em: 10 set. 2020.

MENDES, Nathan et al. Uso de Instrumentos Computacionais Para Análise do Desempenho Térmico e Energético de Edificações no Brasil. Ambiente Construído, Porto Alegre, v. 5, n. 4, p. 47-68, out./dez. 2005.

MINGUET, J. M. The New Ecological Home: Materials for bioclimatic design. Barcelona: Monsa, 2016. 143 p.

OBERNDORFER, E. et al. Green Roofs as Urban Ecosystems: Ecological Structures, Functions, and Services. Bioscience, v. 57, n.10, p.823-833, 2007. Oxford University Press (OUP). DOI:10.1641/b571005.

ORGANIZAÇÕES DAS NAÇÕES UNIDAS. Objetivo 7. Assegurar o acesso confiável, sustentável, moderno e a preço acessível à energia para todas e todos. Disponível em https://nacoesunidas.org/pos2015/ods7/ Acesso em: 3 set. 2018.

PASSAGLIA, R. C.; SANTOS, C. A. F.; GUIDINI, W. P. Análise de investimento para geração de energia elétrica através do biogás em uma propriedade de suínos. In: ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO AMBIENTAL E MEIO AMBIENTE, 21., 2019, São Paulo. Anais Engema. São Paulo: USP, 2019. p. 1-11. Disponível em: http://engemausp.submissao.com.br/21/anais/arquivos/268.pdf. Acesso em: 10 set. 2020.

PEREIRA, M. F. B. Conteúdo energético e emissões de co2 em coberturas verdes, de telha cerâmica e de fibrocimento: estudo de caso. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria - RS, 2014.

PROCEL. Manual de Tarifação da Energia Elétrica. Rio de Janeiro: Eletrobras, 2011.

PROJETEE. Componentes construtivos. Disponível em: http://projeteee.mma.gov.br/componentes-construtivos/#pisos-e-coberturas. Acesso em: 10 out. 2018.

RAZZAGHMANESH, M.; BEECHAM, S.; SALEMI, T. The role of green roofs in mitigating Urban Heat Island effects in the metropolitan area of Adelaide, South Australia. Urban Forestry & Urban Greening, [s.l.], v. 15, p. 89-102, 2016.

RECEITA FEDERAL. Taxa de Juros Selic. Disponível em: https://receita.economia.gov.br/orientacao/tributaria/pagamentos-e-parcelamentos/taxa-de-juros-selic. Acesso em: 10 set. 2020.

SAADATIAN, O. et al. A review of energy aspects of green roofs. Renewable And Sustainable Energy Reviews, [s.l.], v. 23, p. 155-168, jul. 2013.

SAILOR, D. J. A green roof model for building energy simulation programs. Energy And Buildings, v. 40, n. 8, p.1466-1478, jan. 2008.

SANTOS, T. C. S. S. Organizações da sociedade civil e as construções teóricas contemporâneas acerca da sustentabilidade. Revista do Centro Interdisciplinar de Desenvolvimento e Gestão Social, Salvador, v.2, n.1, p. 105‐120, dez. 2009.

SILVEIRA, R.; MARINOSKI, D. L.; LAMBERTS, R. Avaliação da absortância à radiação solar e temperatura superficial de telhas de fibrocimento utilizadas nas coberturas de edificações do campus da UFSC. In: ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO, 14., 2012, Juiz de Fora. Anais Entac, Juiz de Fora: UFJF, 2012. p.1166-1170.

SINAPI, Insumos e Composições. Disponível em: http://www.caixa.gov.br/poder-publico/apoio-poder-publico/sinapi/insumos-composicoes/Paginas/default.aspx. Acesso em: 10 maio 2019.

SOUZA JÚNIOR, Alberto Jorge et al. Energia solar em organizações militares: uma análise da viabilidade econômico-financeira. Navus, Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 63-73, mar. 2019. Disponível em: http://navus.sc.senac.br/index.php/navus/article/view/762/pdf. Acesso em: 10 set. 2020.

SYDNEY. Green Roofs and Walls Policy Implementation Plan. Sidney, Austrália: Green Global Connectd, 2014.

YEMAL, J. A.; TEIXEIRA, N. O. V.; NAAS, I. A. Sustentabilidade na construção civil. In: INTERNATIONAL WORKSHOP ADVANCES IN CLEANER PRODUCTION, 3., 2011. São Paulo. Anais International workshop advances in cleaner production. São Paulo: Intertox, 2011. p. 1-10.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2021.v11.p01-16.1437

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.