Práticas de gestão do conhecimento em comércio eletrônico do segmento de vestuário e acessórios

Simone Oliveira dos Santos Cardoso, Ely Mitie Massuda, Arthur Gualberto Bacelar da Cruz Urpia, Flávio Bortolozzi

Resumo


O objetivo da presente pesquisa foi identificar as práticas de gestão do conhecimento em micro, pequenas e médias empresas de comércio eletrônico do setor do vestuário e acessórios na cidade de Maringá-PR. O estudo é de natureza exploratória e de caráter descritivo, a ocorrência das práticas de gestão do conhecimento foi analisada através da utilização de questionário traduzido e adaptado da tese da vietnamita Nguyen (2011). Dentro do universo pesquisado houve uma participação de vinte e nove pessoas jurídicas tendo o perfil de micro, pequenas e médias empresas, de um total de trinta e uma organizações do setor do vestuário e acessórios em atividade no município pesquisado. Como principais resultados, identificaram-se práticas da gestão do conhecimento que, mesmo sendo utilizada em um estágio inicial, foram consideradas como essenciais para a sustentabilidade das empresas frente ao mercado competitivo global no qual estão inseridas. Os dados coletados também permitiram observar que as seguintes etapas do ciclo da GC de Bukowitz e Williams se fazem presente nas empresas participantes da pesquisa: a primeira etapa (de obter e utilizar o conhecimento); a segunda etapa (aprenda); a terceira etapa (contribua); a quinta etapa (construa e mantenha). Todas essas etapas apresentaram um nível de presença forte.


Palavras-chave


Gestão do Conhecimento. Comércio eletrônico. Micro, Pequenas e Médias Empresas.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


Aghamirian, B., Dorri, B., & Aghamirian, B. (2015). Customer knowledge management application in gaining organization's competitive advantage in electronic commerce. Journal of theoretical and applied electronic commerce research, 10(1), 63-78.

Brasil. (2013, 15 de março). Decreto nº 7.962, de 15 de março de 2013. Dispõe sobre a contratação no comércio eletrônico. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/decreto/d7962.htm. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

Brasil. (1990, 11 de setembro). Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Dispõe normas de proteção e defesa do consumidor, de ordem pública e interesse social. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8078.htm. Brasília, DF: Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

BNDES (2017). Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Recuperado de http://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/financiamento/guia/quem-pode-ser-cliente/

Bukowitz, W. R., & Williams, R. L. (2002). Manual de Gestão do Conhecimento. Porto Alegre: Bookman.

Costa, R. M., Melo, P. L. R., Cardoso, M. V., & Ferreira, C. E. C. (2012). Ambiente interno para inovação em uma empresa de e-commerce. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, 9(2), 05-30.

Coutinho, C., & Lisbôa, E. (2011). Sociedade da informação, do conhecimento e da aprendizagem: desafios para educação no século XXI. Revista de Educação, Lisboa, 23(1), 5-22.

Coyte, R., Ricceri, F., & Guthrie, J. (2012). The management of knowledge resources in SMEs: an Australian case study. Journal of Knowledge Management, 16(5), 789-807.

Dalkir, K. (2011). Knowledge Management in Theory and Pratice. Burlington: Elsevier.

Davenport, T. H., & Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus.

Dorow, P. F., Calle, G. A. D., & Rados, G. J. V. (2015). Ciclo de conhecimento como gerador de valor: uma proposta integradora. Espacios, 36, 12-26.

E-BIT. (2017). Webshoppers 35ª Edição 2017. São Paulo: E-bit.

ÉPOCA. (2017). A história do Reclame Aqui. Recuperado de https://epoca.globo.com/vida/vida-util/consumo/noticia/2013/08/historia-do-breclameaquib.html

França, F. S. (2015). Web design responsivo: caminhos para um site adaptável. Interfaces científicas: exatas e tecnológicas, 1(2), 75-84.

Haro, C. S., Gândara, J. M. G., Horrillo, M. A. R., & Mondo, T. S. (2014). Las Etapas de la Géstion del Conocimiento: Perspectivas relacionadas a las cadenas hoteleras. Rosa dos Ventos, 6(1), 34-51.

IPARDES. (2017). Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social. As espacialidades socioeconômico-institucionais no período 2003-2015. Curitiba: IPARDES.

Jakubik, M. (2011). Becoming to know. Shifting the knowledge creation paradigm. Journal of Knowledge Management, Sonning Common, 15, 374 - 402.

Kotler, P., Kartajaya, H., & Setiawan, I. (2010). Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Rio de Janeiro: Elsevier.

Kotler, P., Kartajaya, H., & Setiawan, I. (2017). Marketing 4.0: do tradicional ao digital. Rio de Janeiro: Sextante.

Lee, C. S., & Wong, K. Y. (2015) Development and validation of knowledge management performance measurement constructs for small and medium enterprises. Journal of Knowledge Management, 19(4), 711 – 734.

Massuda, E. M. (2005). Produção e consumo de algodão e as indústrias de fiações de algodão no Paraná. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, 27(1).

Matheus, L. F. (2003). Uma análise da identificação e da gestão do capital intelectual nas usinas sucroalcooleiras e da prática dos princípios delineadores do conceito de avaliação de empresas na sua gestão econômico-financeira: um estudo exploratório em dez usinas paulistas (Dissertação de mestrado em Engenharia, Universidade de São Paulo). Escola de Engenharia de São Carlos, São Carlos.

Nascimento, R. M. D. (2011). E-commerce no Brasil: perfil do mercado do e-consumidor brasileiro. Rio de Janeiro: FGV.

Nguyen, T. H. H. (2011). Knowledge Management in Small and Medium Sized Enterprises in Developing Countries (Case study: Vietnam) (Tese de doutorado em Economia e Gestão), Tomas Bata University in Zlin, República Checa.

Oliva, F. L. (2014). Knowledge management barriers, practices and maturity model. Journal of Knowledge Management, 18(6), 1053-1074.

Rahayu, R., & Day, J. (2015). Determinant Factors of E-commerce Adoption by SMEs in. Procedia - Social and Behavioral Sciences, p. 142-150.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Samsudeen, S. N., & Gunapalan, S. (2015). Small and Medium Entrepreneurs’ Perspective on E-Commerce in Eastern Province of Sri Lanka. Journal of information Engineering and Applications, 5(6). 7-15.

Scharf, E. R., & Soriano-Sierra, E. J. (2008) A gestão do conhecimento e o valor percebido: estratégia competitiva sustentável para a era do conhecimento. Revista de Gestão da Tecnologia e Sistemas de Informação, São Paulo, 5(1), 87-108.

SEBRAE. (2016). 3ª Pesquisa Nacional de Varejo Online. SEBRAE e E-commerce Brasil. Brasília: Sebrae.

SEBRAE. (2014a). Aspectos Legais do E-commerce. São Paulo: Sebrae.

SEBRAE. (2014b). Participação das Micro e Pequenas Empresas na Economia Brasileira. Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Brasília: Sebrae.

SINDIVEST (2018). Sindicato da Indústria do Vestuário de Maringá. Sindicato da Indústria do Vestuário de Maringá e Região. Recuperado de http://www.sindvestmaringa.com.br/sindicato

Sousa, M. A. B. (2014). Gestão do Conhecimento: uma contribuição ao seu entendimento. Revista de Administração e Negócios da Amazônia, 6(4), 38-47.

Valentim, M. L. P. (2002). Inteligência competitiva em organizações: dado, informação e conhecimento. Revista de Ciência e Informação, 3(4).

Valentim, M. L. P., Jorge, C. F. B., & Ceretta-Soria, M. G. (2014). Contribuição da Competência em Informação para os processos de Gestão da Informação e do Conhecimento. Em questão, 20(22), 207-231.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-16.1278

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.