A influência das ferramentas tecnológicas de comunicação nas relações pessoais dentro do ambiente organizacional

Cássia Juliano Mello, Moema Pereira Nunes

Resumo


A tecnologia está cada vez mais integrada com os processos organizacionais e o uso das ferramentas tecnológicas de comunicação tornou-se habitual no ambiente de trabalho.  Este trabalho foi desenvolvido com o objetivo de identificar como as ferramentas tecnológicas de comunicação podem afetar as relações interpessoais e interorganizacionais no ambiente organizacional. Para isso, um levantamento foi realizado com a aplicação de 406 questionários válidos. A análise quantitativa dos dados compreendeu o uso de estatística descritiva, dos testes de Mann-Whitney e Jonckheere-Terpstra para a comparação dos dados e a análise fatorial exploratória. Em um primeiro momento buscou-se identificar quais ferramentas de comunicação são utilizadas no ambiente organizacional. Constatou-se que a ferramenta mais utilizada é o WhatsApp, seguida pelo e-mail e contato telefônico. Em um segundo momento, foi analisada a percepção dos profissionais com relação ao uso destas ferramentas de comunicação e sua influência nas relações no ambiente organizacional. Verificou-se que essas ferramentas podem influenciar as relações interpessoais, a realização de atividades pelos profissionais, bem como alguns aspectos da própria organização.


Palavras-chave


Technology. Innovation. Communication. Technological communication tools.

Texto completo:

PDF HTML

Referências


ALMEIDA, M. E. B. Letramento digital e hipertexto: contribuições à educação. In: PELLANDA, N. M. C.; SCHLÜNZEN, E. T. M.; SCHLÜNZEN JUNIOR, K. (org.). Inclusão digital: tecendo redes afetivas / cognitivas. Rio de Janeiro: DP&A, 2005. cap. 11.

ALTER, S. Work system theory: overview of core concepts, extensions, and challenges for the future. Journal of the Association for Information Systems, v. 14, n. 2, 72-121, fev. 2013.

AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais: oportunidade para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas, 2000.

ARAUJO, D. C., Simanski, E. S. S., & QUEVEDO, D. M. Comunicação interna: relação entre empresa e colaboradores, um estudo de caso. BBR - Brazilian Business Review, v. 9, n. 1, 47-64, jan./mar. 2012.

BH PRESS. Comunicação interna 3.0 e as mudanças de paradigmas. Disponível em

http://www.presscomunicacao.com.br/comunicacao-interna/comunicacao-interna-3-0/ 2018. Acesso em: 30 abr. 2020.

BRANDÃO, J. M. F., TEMOTEO, J. A. G., & CÂNDIDO, G. A. A união faz a força: análise do processo de aprendizagem interorganizacional em uma rede paraibana de hotéis. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, v. 12, n. 2, p. 25-4, 2018.

BUENO, B., & BALESTRIN, A. Inovação colaborativa: uma abordagem aberta no desenvolvimento de novos produtos. RAE – Revista de Administração de Empresas, v. 52, n. 5, p. 517-530, 2012.

CAETANO, J. M. M. Estilo de liderança e relações interpessoais e intergrupais em contexto escolar (Dissertação de Mestrado, Universidade Aberta), 2005. Disponível em https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/672/1/LC183.pdf. Acesso em: 30 abr. 2020.

CALIFANO, B. Políticas de comunicação: desde as origens até os desafios das tecnologias digitais. Revista Mexicana de Opinião Pública, v. 25, 133-150, dez. 2018.

CARDOSO, T. P. et al. A aplicação do e-commerce no ramo agropecuário: uma estratégia tecnológica para a inovação organizacional. [2017]. Disponível em: http://login.semead.com.br/20semead/anais/resumo.php?cod_trabalho=1743. Acesso em: 30 abr. 2020.

CARVALHO, H.; DUARTE, S.; MACHADO, V. C. Lean, agile, resilient and green: divergencies and synergies. International Journal of Lean Six Sigma, v. 2, n. 2, p. 151-179, 2011.

CETIC. Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação. TIC Empresas 2017. [2017]. Disponível em https://cetic.br/tics/empresas/2017/empresas/B18/. Acesso em: 30 abr. 2020.

COSTA, E. S. Com quantos gigabytes se faz uma jangada, um barco que veleje: o Ministério da Cultura, na gestão Gilberto Gil, diante do cenário das redes e tecnologias digitais. (Dissertação de Mestrado, Fundação Getúlio Vargas), 2011. Disponível em https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/handle/10438/8437?show=full

DANCEY, C. P., & REIDY, J. Estatística sem matemática para psicologia. Porto Alegre: Bookman, 2006.

DUARTE, E. A.; BRAGA, R. M. O. A comunicação organizacional em unidades de informação. Informação & Informação, v. 17, n. 3, 2012.

FONTANELLA, P. Comunicação e inovação: reflexões contemporâneas. RAC – Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n.6, 1.171-1.173, dez., 2010.

FONTANINI, J. I. C.; CARVALHO H. G. As inovações incrementais em processos e seus fatores contribuintes em um ambiente industrial: um estudo de caso. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 25., 2005, Porto Alegre. Anais do Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Porto Alegre: PUC, 2005.

HAIR Jr., J. F. et al. Análise multivariada de dados. 6. ed) Porto Alegre: Bookman, 2009.

KORGAONKAR, P. K.; WOLIN, L. D. A multivariate analysis of web usage. Journal of Advertising Research, v. 39, n. 2, p. 53-68, mar./abr. 1999.

KUNSCH, M. M. K. Gestão estratégica em comunicação organizacional e relações públicas. São Paulo: Difusão, 2008.

LACOMBE, F. J. M. Recursos humanos: princípios e tendências. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

LARA, I. C. Jogando com a matemática de 5ª a 8ª série. São Paulo: Rêspel, 2009.

LEITÃO, S. P., FORTUNATO, G., & FREITAS, A. S. Relacionamentos interpessoais e emoções nas organizações: uma visão biológica. Revista de Administração Pública, v. 40, n. 5, p. 883-907, out. 2006.

MAILHIOT, G. B. Dinâmica e gênese dos grupos: atualidade das descobertas de Kurt Lewin. 1. ed. São Paulo: Vozes, 2013.

MARTINO, L. M. S.; MARQUES, C. S. Teorias da comunicação: processos, desafios e limites. São Paulo: Plêiade, 2015.

MASCARENHAS, A. O.; VASCONCELOS, F. C. Tecnologia na gestão de pessoas: estratégias de autoatendimento para o novo RH. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2004.

MASCARENHAS, S. A. Metodologia científica. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2012.

MATOS, G. G. Comunicação sem complicação: como simplificar a prática da comunicação nas empresas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

MONTEIRO, C., KARPINSKI, J. A., & ANGNES, J. S. A comunicação organizacional interna: um estudo no Programa Nacional de Formação em Administração Pública da Universidade Estadual do Centro Oeste. Revista de Administração IMED, v.5, n.2, 121-138, 2015.

OCDE. ORGANIZAÇÃO PARA COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO. Manual de Oslo: diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. São Paulo: FINEP, 2005.

TASSIGNY, M. M., BRASIL, M. V. O., BUGARIN, M. C., & NOGUEIRA, F. L. B. M. Blog: ferramenta estratégica de comunicação organizacional. Revista de Administração UFSM, v. 5, n. 2, p. 262-276, maio/ago. 2012.

TIDD, J.; BESSANT, J. Gestão da inovação. Porto Alegre: Bookman, 2015.

ZEFFANE, R.; TIPU, S. A. A.; RYAN, J. C. Communication, commitment & trust: exploring the triad. International Journal of Business and Management, v. 6, n. 6, p. 77-87, 2011.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-18.1270

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.