Aprender a crescer: como as micro e pequenas empresas de Santa Catarina podem enfrentar os desafios do crescimento

Guillermo Antonio Dávila, Klaus North, Gregório Varvakis, Jackson André Da Silva

Resumo


As Micro e Pequenas Empresas (MPE) enfrentam um conjunto de desafios para crescer e inovar, especialmente quando operam em ambientes dinâmicos e turbulentos como o brasileiro. Por essa razão o objetivo deste artigo é apresentar como um grupo de 11 MPE da Região Sul do Brasil cresceram e melhoraram suas capacidades inovadoras, por meio da aplicação da metodologia “Aprender a Crescer”. Descrevem-se os passos seguidos pelos empresários na  busca da inovação com foco no desempenho e na aprendizagem da equipe. A aplicação da metodología melhorou significativamente o desempenho das empresas participantes por meio de maior eficiência no planejamento e controle da produção, no desenvolvimento de produtos e pela estruturação das funções comerciais. De forma diferente às ações tradicionais de consultoria, confirmou-se a sustentabilidade desses ganhos no tempo, devido às competências desenvolvidas pelas empresas durante o projeto, destacando-se a liderança participativa e maior delegação de responsabilidades por parte dos empresários; a proatividade, compromisso e pensamento analítico dos colaboradores; a comunicação interna e o trabalho em equipe. As novas competências foram utilizadas pelas empresas para empreender projetos de crescimento posteriores sem intervenções externas. De forma complementar, o artigo apresenta os fatores críticos para a aplicação bem sucedida da metodologia, bem como, as considerações relevantes para sua aplicação em novos contextos. Procura-se dessa forma potencializar a capacidade de agir dos empreendedores.


Palavras-chave


Aprender a Crescer. Transferência de Tecnologia. Inovação. Micro e Pequena Empresa. Capacidade Absortiva.

Texto completo:

PDF

Referências


COHEN, W. M.; LEVINTHAL, D. A. Absorptive capacity: a new perspective on learning and innovation. Administrative science quarterly, v. 35, n. 1, p. 128-152, mar. 1990.

COMITÉ EUROPÉEN DE NORMALISATION (CEN). European Guide to Good Practice in Knowledge Management. Part 1: Knowledge Management Framework. Brussels: European Committee for Standardization, 2004.

DÁVILA CALLE, G. A. D.; SILVA, E. L. Inovação no contexto da sociedade do conhecimento. Revista TEXTOS de la CiberSociedad, v. 8, 2008. Disponível em: . Acesso em: 8 maio 2016.

DRUCKER, P. F. Post-capitalist society. Routledge: HarperBusiness, 1993.

ETZKOWITZ, Henry; LEYDESDORFF, Loet. The dynamics of innovation: from National Systems and “Mode 2” to a Triple Helix of university–industry–government relations. Research policy, v. 29, n. 2, p. 109-123, 2000.

HARDWIG, T.; BERGSTERMANN, M.; NORTH, K. Wachstum lernen. Wiesbaden: Gabler, 2011.

HOFSTEDE, G. Cultural Consequences: Comparing Values, Behavior, Institutions and Organizations Across Nations. 2nd edition. Thousand Oaks, California: Sage Publications, 2001.

HOFSTEDE, G. et al. Comparing regional cultures within a country: Lessons from Brazil. Journal of Cross-Cultural Psychology, v. 41, n. 3, p. 336-352, 2010.

MOURA, G. L. et al. Aprendizado em redes e processo de inovação dentro de uma empresa: o caso mextra. RAE eletrônica, v. 7, n. 1, artigo 5, jan./jun. 2008.

NORTH, K.; SILVA NETO, E.; DÁVILA CALLE, G. A. Vencendo os desafios do crescimento: o método “aprender a crescer” para pequenas e médias empresas brasileiras. NAVUS – Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, v. 3, n. 1, p. 6-19, jan./jun. 2013.

NORTH, Klaus; BERGSTERMANN, Manfred; HARDWIG, Thomas. Learning to Grow: A Methodology to Sustain Growth Capabilities of SMES. In: NORTH, K.; VARVAKIS, G. (Org.). Competitive Strategies for Small and Medium Enterprises. Switzerland: Springer International Publishing, 2016. p. 223-235.

ROXAS, B.; BATTISTI, M.; DEAKINS, D. Learning, innovation and firm performance: knowledge management in small firms. Knowl Manage Res Prac, v. 12, n. 4, p. 443-453, Nov. 2014. ISSN 1477-8238. Disponível em: . Acesso em: 9 jun. 2016.

SCHEIN, E. Process Consultation: Its Role in Organization Development. Reading, MA: Addison Wesley Publishing Company, 1969.

SCHEIN, E. Process Consultation, Volume II: Lessons for Managers and Consultants. Reading, MA: Addison Wesley Publishing Company, 1987.

SCHUMPETER, J. The explanation of the business cycle. Economica, London, n. 21, p. 286-311, dec. 1927.

VALENTIM, L.; LISBOA, J. V.; FRANCO, M. Knowledge management practices and absorptive capacity in small and medium-sized enterprises: Is there really a linkage? R & D Management, vol. 46, issue 2, p. 1-15, 2015.

ZAHRA, S. A.; GEORGE, G. Absorptive capacity: A review, reconceptualization, and extension. Academy of Management Review, v. 27, n. 2, p. 185-203, Apr. 2002. Disponível em: < ://WOS:000175100700004 >. Acesso em: 9 jun. 2016.




DOI: https://doi.org/10.22279/navus.2016.v6n3.p6-23.391

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




NAVUS - Revista de Gestão e Tecnologia, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN - 2237-4558 

Membro da Associação Brasileira de Editores Científicos 

 

Desde 18/10/2017

 

Licença Creative Commons

Os originais publicados na Navus estão disponibilizados de acordo com a Licença Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Brasil.